Adam Warlock, Groot pré-adolescente e Skrulls: o futuro dos Guardiões da Galáxia (e o Universo Marvel) | Judão

Preparando-se para lançar Guardiões da Galáxia – Volume 2 para o mercado de home vídeo, James Gunn solta o verbo sobre as cenas pós-créditos do filme e ainda fala que uns certos alienígenas metamorfos quase estiveram na história…

Quatro meses depois do lançamento de Guardiões da Galáxia Vol. 2, parece que o diretor James Gunn já se sente mais confortável para falar com mais profundidade não apenas a respeito do filme mas também sobre as cenas pós-créditos, aquelas que costumam dizer mais sobre OUTROS filmes do que os em que estão inseridas. Claro que o fato de que o filme está chegando em DVD/Blu-ray nas próximas semanas e já ter sido lançado em DIGITAL DOWNLOAD também contribui bastante pra isso, mas é fato que ele andou comentando um bocado de coisas interessantes...

Para o IGN, por exemplo, o diretor contou que tentou colocar Adam Warlock no primeiro tratamento de roteiro para o Volume 2, mas acabou tirando o personagem por razões criativas. “No rascunho original, que nem era bem um roteiro ainda, Adam era um personagem bem importante. Mas a história estava confusa, tinha personagens demais. E não dava pra fazer justiça a ele e não fazer justiça à Nebula, por exemplo, então decidi guardar Adam para outro dia”.

James Gunn afirma ainda que seus planos para ele podem ser bem diferentes no Volume 3 do que aqueles que tinha em mente para o Volume 2. “Seria jogar fora tudo que fizemos até aqui. Este Adam Warlock pode não ser exatamente o mesmo porque parte do que o personagem é existia para ajudar a contar a história do Volume 2. Mas a história já foi e agora o Adam vai estar em um momento depois dos próximos dois filmes dos Vingadores”.

Sacou o recado no final da frase dele? “Uma das coisas que prometi pra Marvel – e eu faço isso o tempo todo no Twitter – foi informar todo mundo que Adam Warlock não estará em Vingadores 3 ou Vingadores 4. Não vai rolar. Porque não quero que as pessoas tenham falsas expectativas sobre o que vai acontecer com ele”.

Justamente por isso, aliás, pela relação tão próxima que o personagem tem nas HQs originais com o Thanos, Gunn revela que teve que LUTAR para manter a sequência pós-créditos na qual o seu casulo aparece. “Era ali que eu achava que a coisa tinha que chegar. Uma das razões pelas quais os Soberanos estão no filme foi pra dar ao público uma pista de que Adam Warlock estava a caminho. Esta foi uma das razões para eles existirem. E aquela cena já estava na primeira versão do roteiro propriamente dito. Mas claro que vieram um monte de perguntas sobre se devíamos ter aquilo ali ou não, justamente porque os espectadores esperariam Adam Warlock em Guerra Infinita”.

E já que o assunto é Guerra Infinita, Gunn ainda comentou sobre a presença da versão pré-adolescente de Groot vista na cena pós-créditos – e o Senhor das Estrelas já sabendo falar a sua língua particular. “Este é exatamente o mesmo Groot que desenvolvemos para Vingadores: Guerra Infinita”, confirmou ele, em entrevista ao Cinema Blend, sobre o tipo de presença do ser-árvore no terceiro filme dos Maiores Heróis da Terra. Mas, claro, o cineasta segura a bronca (e a língua) quando questionado sobre a confusa linha do tempo do MCU, sobre quanto tempo vai se passar oficialmente entre o Volume 2 e o próximo Vingadores...

A respeito do ciclo de vida do Groot, no entanto, ele explica que é um tanto complicado e que é preciso assistir aos próximos filmes para entender um pouco mais sobre sua história. “Eu recebo um monte de questões sobre ele – e a resposta que eu dou e que mais mexe com as pessoas é que o Baby Groot não tem as memórias do Groot Adulto. É complexo. A vida dele não é como as nossas. É o jeito dos Groots envelhecerem, de onde eles vêm. Eu já montei isso na minha cabeça, mas só mostrei pedaços disso pra vocês”.

Ainda pro Cinema Blend, Gunn também contou que os skrulls, aqueles mesmos que agora sabemos que estarão no filme da Capitã Marvel, por muito pouco não estiveram no Vol 2. “A Marvel nunca me proibiu. Na verdade, eles disseram ‘sim’. É algo sobre o que falamos muito. Quase coloquei um skrulls como um dos Saqueadores. Mas estou feliz que eles estejam a caminho e vai ser divertido descobrir de onde eles vieram e o que vai acontecer com eles no futuro do Universo Marvel”, diz, lembrando que a trama da primeira aventura cinematográfica de Carol Danvers será ambientada nos anos 90.

“É tudo uma questão de quantas coisas você coloca num filme”, afirma, explicando porque desistiu do plano. “Um dos lances de escrever este tipo de filme é que eles começam bastante complicados e depois eu tenho que ir lá e cortar coisas bem legais. Tem uma elegância na simplicidade que é incrivelmente importante para estes filmes, porque eles já seria bem complicados por natureza. Eles estão no espaço sideral, não sabemos onde, tem personagem pra caramba, então como cortar até que fiquem realmente somente os elementos necessários da história?”.

Sabe aquela coisa do fan service que REALMENTE importa e contribui para a história? Pois é. Bem por aí mesmo. ;)

Sobre a boataria de que a ideia era ter Matthew McConaughey no papel de Adam Warlock, ele nega, por mais que confirme que sim, o ator chegou a ser inicialmente convidado para um papel, não-revelado, mas acabou negando porque ia fazer A Torre Negra. “Veja, acho que McConaughey seria muito velho para Adam Warlock. Ele vai ser basicamente um bebê que acabou de nascer. Tem um monte de gente que me manda sugestões para o Adam Warlock. Eu recebia o nome do David Bowie várias vezes antes dele morrer”, conta.

Mas depois, durante um Q&A em seu Facebook, Gunn revelou que queria ter Bowie como um dos integrantes do time original de Yondu, junto com outros ícones pop como Sylvester Stallone e Ving Rhames. Na real, o contato já tinha sido até feito, via Marvel, e o cantor realmente estava interessado no projeto. Mas... :/