Agents of SHIELD está de volta e continua sendo uma série que você deveria assistir | Judão

Depois de uma quarta temporada praticamente perfeita, Agents of SHIELD estreia seu quinto ano continuando tudo o que deu certo no anterior

Dando aquela recapitulada rapidinho sobre o que fez a quarta temporada de Agents of SHIELD bater à porta da perfeição do que se espera de uma história da Marvel AND do que se espera de uma série, no geral. Primeiro: os tais “pods”, que dividiram a temporada em arcos fechados de cerca de 10 episódios cada um; a dinâmica que isso trouxe à série, permitindo, entre tantas outras coisas, que nós acompanhassemos os personagens e a resolução dos seus conflitos em tempo real; e o fato, tão importante quanto todo o resto, de que o que acontecia nos cinemas ter passado de raspão, NO MÁXIMO permitindo que uma ou outra coisa pudesse começar a ser explorada.

Dois episódios — ou um só especial, de “duas horas” — da nova temporada e já podemos afirmar que o quinto ano de Agents of SHIELD continua não só de onde paramos em termos de história, como com tudo o que a fez ser tão boa entre 2016 e 2017.

SPOILER! Começamos com o fato de que tá tudo diferente na série e isso parece ótimo. Diferente do início do quarto ano, porém, que ainda precisava apresentar a ideia de diferentes histórias acontecendo ao mesmo tempo, a estranheza está no fato de estarmos alguns muitos anos no futuro, com a Terra completamente destruída e os humanos vivendo numa estação espacial comandada pelos Krees e infestada de “baratões espaciais” que se parecem bastante com a Ninhada, que os leitores dos quadrinhos devem reconhecer como uma das poucas coisas relacionadas a eles nesse episódio.

Criados por Chris Claremont e Dave Cockrum, a primeira aparição desses seres alienígenas com asas, presas e uma cauda venenosa que seguem uma rainha, aconteceu em Uncanny X-Men #155, de 1982 — o que, como você pode imaginar, pode não ser exatamente o que é. O fato de se reproduzirem infectando outras raças com seus ovos, porém, e a maneira como algumas coisas acontecem nesses episódios, bem... :)

Esses baratões, aliás, mostraram que até em termos de efeitos especiais a série tem se mantido num nível alto. Rola até um BULLET TIME, bicho! :D

Tirando isso, porém, nenhum dos novos personagens ou mesmo essa história tem qualquer PARECÊNCIA com algo que já foi visto anteriormente nas HQs. É um distanciamento tão grande do material original que faz com que Agents of SHIELD fique ainda mais interessante, já que vai conseguir evitar as especulações e teorias. Quem assistir — e você deveria assistir e dizer pra todo mundo assistir — vai simplesmente curtir uma história.

E vai curtir junto com Coulson, Daisy, May, Simmons, Mack e Yo-Yo, que sabem tanto sobre o que tá acontecendo quanto a gente — tirando o Fitz, que provavelmente sabe tudo o que tá acontecendo porque óbvio, conhecer as novidades exatamente da mesma maneira que os personagens conhecem é uma das coisas mais funcionam na hora de fazer alguém querer assistir a diversos episódios, semana após semana. Nós não precisamos correr atrás de nada ou somos feitos de bobo. O que você vê é o que você tem.

Acredito nisso, aliás, em relação aos poderes da Daisy terem destruído a Terra. Aquele NACO flutuando e habitado pelos baratões grita “THANOS!”, assim como aquele capacete do Deke grita “STARLOOOORD!”. É bem fácil fazer a ligação, faria sentido e até que seria legal, vá lá, mas eu prefiro que seja uma pegadinha e uma PISCADELA, respectivamente. A Terra destruída pela Daisy é muito mais legal.

E o cara ter copiado a tecnologia do Peter Quill, natural. :)

O único porém nessa história é que algumas coisas estão parecendo um pouco repetitivas: a separação de Fitz-Simmons, a Simmons se fodendo sozinha na mão de Krees, o Fitz tendo de salvar o dia (se bobear usando os conhecimentos do livro maldito, de uma nova Aida?)... A gente meio que já viu isso uma ou outra vez. Até agora nada que incomode, até porque a série parece bastante autoconsciente em diversos sentidos, com diálogos muito mais ácidos, irônicos e bons do que estamos acostumados. Mas... Sabe como é, né?

Com todos os medos que muita gente tinha em relação a série, acredito que sentir que o nível continua exatamente o mesmo pode aliviar diversos corações. Não há muito o que se falar além disso... Mas talvez nem seja necessário.

Que CURTAMOS a viagem pelas próximas vinte e poucas semanas. :)