As tretas familiares que fazem de Pantera Negra o filme maravilhoso que é | Judão

Uma cena deletada e uma com o selo Francis Ford Coppola de aprovação que mostram a profundidade desse que é o melhor filme da Marvel em 2018 (até agora)

“Volta pra cena mais importante do filme. A cena em que tudo mudou”. Foi essa a primeira coisa que ninguém menos que Francis Ford Coppola, o diretor de O Poderoso Chefão, disse depois de assistir a Pantera Negra, o melhor filme da Marvel em 2018 até agora (não me @), numa exibição exclusiva organizada por Ryan Coogler, antes da estreia do filme. “Seu trabalho inspirou muito dessa história”, explicou Coogler na faixa de comentários do Blu-ray do filme, que será lançado aqui no Brasil dia 30 de Maio.

Qual cena, você deve estar se perguntando? O momento em que T’Challa confronta Zuri sobre o que aconteceu em Oakland e acabou fazendo com que o Killmonger existisse — no caso, o fato do Rei T’Tchaka ter matado seu irmão N’Jobu, que pretendia usar o Vibranium para armar o povo oprimido do resto do mundo, e deixado o INFANTE Erik Stevens sozinho, pra que ninguém em Wakanda soubesse o que aconteceu.

Coppola manja dos filmes com dramas familiares e soube identificar exatamente a importância dessa cena, relacionada ao que Ryan Coogler define como “o pecado original de Wakanda, e o pecado original de T’Chaka”. Quem sou eu pra discordar de qualquer coisa que esses caras dizem?

Mas tem uma outra, que infelizmente foi deletada do filme, que embora eu concorde com o diretor Ryan Coogler sobre ela não se encaixar exatamente em momento nenhum da história, teria feito MUITAS coisas melhorarem em Pantera Negra — e olha que eu achei que isso não era possível.

Na cena, que é mais um drama familiar diga-se de passagem, Okoye (Danai Gurira) confronta W’Kabi (Daniel Kaluya) sobre o destino de Wakanda e do relacionamento dos dois depois da “morte” de T’Challa pelas mãos do Killmonger no desafio do Rei. Aperta o play aí embaixo que a gente já fala mais sobre ela.

Pois bem. Como disse Ryan Coogler, a cena foi feita essencialmente pra mostrar que os dois tinham um relacionamento — ou melhor, que eram casados. Mas, muito além disso, a cena mostra o quão puto W’Kabi ficou com o não cumprimento da promessa feita por T’Challa e tudo o que ele pensa sobre o país, a ponto de querer que Okoye deixasse as Dora Millaje pra “colocar nossos filhos nesse mundo onde eles são conquistadores”.

É nessa cena, por esses motivos, que vemos também o Daniel Kaluya atuando de fato, já que durante todo o resto do filme ele não parece ser o ator talentoso que é, sempre com a mesma expressão, com aqueles olhos enormes e cansados. Já a Danai Gurira é maravilhosa o tempo todo.

Aí, lembra lá do final do filme, quando o W’Kabi se ajoelha PERANTE a Okoye que, ali, é muito mais uma Dora Millaje do que sua esposa? O peso daquele momento acaba sendo MUITO maior por conta dessa cena e, claro, tudo o que é dito nela e o que ela representa.

Novamente: uma pena que tenha sido deletada. Mas, como acontece em todo bom filme, essa cena serviria “só” pra melhorar o que já é MUITO bom, e não mudar as coisas ou ajudar a ser menos pior. Que bom, então, que ela foi liberada. <3