Cena chave de Nasce Uma Estrela fez o filme receber um novo alerta de conteúdo na Nova Zelândia | JUDAO.com.br

Um certo acontecimento do longa provocou uma onda de reações bem ruins. Mas a resposta do órgão de classificações e alertas foi positiva e poderia servir de exemplo. :)

Antes de começarmos: vai rolar muito SPOILER! importantíssimo de Nasce Uma Estrela aqui. Não rola contar essa história sem citar momentos cruciais do filme, então só leia se já tiver assistido ou caso não se importe. Beleza? Beleza. :)

Nasce Uma Estrela é a quarta versão de uma história beeeem antiga. Como eu disse na resenha do longa, a história original era um pouco antiquada demais, meio machista. Por isso, o relacionamento entre Ally (Lady Gaga) e Jackson Maine (Bradley Cooper) ganhou um novo conflito e um novo final.

Se antes a mocinha largava toda a carreira em nome do amor™, agora ela continua nos palcos, mas cantando e dançando músicas que não têm NADA a ver com a sua essência. Quando Maine encontra Ally, ela é uma cantora de bar com várias composições engavetadas por não ter conseguido sua grande chance ainda. Shallow, música de sua autoria que encanta Jackson, fala sobre deixar pra lá coisas superficiais e pessoas rasas e se importar apenas com o que é DE FATO relevante e profundo.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Só que lá no meio, ela assina com uma gravadora beeeem pop, que nem é um BOM pop. E é aí que mora o conflito entre os dois. Ela quer fazer sucesso e tá feliz, ele acha aquele mundo plástico demais. Eles brigam, fazem as pazes, brigam mais e toda essa instabilidade emocional faz com que Maine se afunde cada vez mais em bebidas. Seu alcoolismo fica evidente desde as primeiras cenas e, mesmo depois de ir para uma clínica de reabilitação, ele continua mal, muito mal. E em uma certa noite, enquanto Ally tá num show, ela saca que tem algo errado acontecendo ao ver que ele não cumpriu seu combinado de aparecer pra fazer um dueto com ela. A cantora pede pra que alguém vá até a casa. E é ignorada. Enquanto isso, Jack comete suicídio.

A cena dá a entender a tática usada. Não dá um tutorial, digamos, mas entende-se muito bem. E é uma cena forte.

Por isso, lá na Nova Zelândia, Nasce Uma Estrela precisou ganhar um novo aviso em sua classificação etária que alerta sobre o conteúdo. O filme estreou por lá em Outubro, mas após ligações e reclamações de pessoas que se sentiram mal ou tiveram gatilhos emocionais acionados, o Escritório de Classificação de Filmes e Literatura da Nova Zelândia comunicou a decisão. Segundo eles, o método de suicídio utilizado ali é o mais comum no país e o chefe de classificação David Shanks afirmou que, por isso, muitos neozelandeses que tiveram suas vidas tocadas por esse tipo de evento sentiram-se vulneráveis demais. “Para quem perdeu alguém próximo, um aviso dá a chance de uma escolha bem informada sobre assistir ou não ao filme”, disse. De acordo com a UNICEF, a Nova Zelândia tem números altíssimos de casos assim: 15.6 jovens de 15 a 19 anos a cada 100.000. É o dobro dos Estados Unidos e quase cinco vezes mais do que a Inglaterra.

É sim algo de EXTREMA importância esse aviso e é sim algo que deve servir como exemplo, especialmente com uma cena gráfica dessas. Prezar pela saúde mental da população ainda é tratado de uma maneira muito, muiiiito opcional e bem pouco difundida. É claro que agir após muitas reclamações não é exatamente IDEAL, mas é um super começo. Que seja exemplo, né? :)