Comcast prepara uma outra (e bem pesada) proposta pela Fox | Judão

Pelo visto, a controladora da Universal não vai aceitar um “não” como resposta assim tão facilmente…

Uma das importantes notícias dos últimos anos foi o anúncio do acordo de compra da 21st Century Fox pela Walt Disney Company. O Mickey fechou um negócio de U$ 52,4 bilhões de dólares na compra dos estúdios de televisão e cinema da Fox, seu catálogo de filmes, ações da rede de notícias britânica Sky e Star India e uma quantidade enorme de redes de televisão a cabo, entre eles National Geographic, FX e operações esportivas regionais – estou falando com você, Fox Sports Brasil.

Além de um dos estúdios mais importantes e tradicionais da história da indústria cinematográfica simplesmente DEIXAR DE EXISTIR, essa aquisição levantou o mercado e abriu espaço para novas propostas, mesmo aquelas que não foram solicitadas — sim, esse termo existe.

Há algumas semanas, circulou um rumor de que a Comcast – dona da NBCUniversal, da DreamWorks Animation e principal distribuidor de transmissões a cabo dos EUA – estaria preparando uma contra-proposta pelos ativos da Fox. E esse rumor virou verdade através da própria Comcast, em um comunicado oficial, em que ela “confirma que está em estágios avançados da preparação de uma oferta para os negócios que a Fox concordou em vender para a Disney”.

Esse comunicado não deixa claro o preço que a Comcast está disposta a pagar, mas especula-se que estaria na casa dos U$ 60 BILHÕES de Trumps e seria pago em dinheiro – diferente da Disney, que propôs uma transação envolvendo parte em ações e parte em dinheiro. Decisão tomada, então? Já era Vingadores VS. X-Men nos cinemas? Não necessariamente. Caso aceitasse receber esse grande valor em dinheiro, teria de pagar MUITO mais impostos, então ela está bem confortável para recusá-la com tranquilidade.

Curiosamente, a Comcast entrou na licitação pelos ativos da Fox antes da própria Disney definir sua oferta e parece que a empresa está com sede por aquisições. Recentemente, o conglomerado fez uma oferta pela rede de televisão britânica Sky, sonho de consumo de Rupert Murdoch há anos. Os acionistas da empresa sediada em Londres viram com bons olhos a proposta do conglomerado de mídia americano.

Com os olhos focados no processo da fusão da AT&T com a Time Warner, que os reguladores do Departamento de Justiça dos Estados Unidos ainda estão avaliando, a Comcast está esperando a decisão oficial sobre esse caso. Se o juiz desse processo decidir que o argumento dos reguladores sobre um possível monopólio não for válido, abre-se um precedente ENORME para qualquer mega fusão ou aquisição. Durante as negociações com a Fox, a Comcast não assumiu o risco de ir até o final do processo de compra – seja ele positivo ou negativo -, enquanto a Disney deu a garantia de ir até o final seja qual for o resultado do possível futuro julgamento.

Mas se a Comcast já foi rejeitada, por que a empresa fez uma nova proposta?

A resposta é simples: alcance global. Exatamente o que a própria Fox quer com seu plano de expandir seus negócios focando no conteúdo jornalístico.

Segundo o Deadline, a Comcast tem apenas 9% das suas receitas vindas de fora dos EUA e não é considerada um gigante global. Essa aquisição faria a empresa aumentar sua participação internacional com os 39% da Sky e da Star India, atualmente nas mãos da Fox, aumentando essa receita internacional para 25%. Portanto, caso todas as vendas fossem fechadas, a Comcast teria esses 39% mais a porcentagem que a tornaria dona majoritária da rede.

Há algum tempo, a Comcast vem sofrendo com seus negócios envolvendo TV paga, porque os consumidores estão preferindo streaming de baixo custo. O catálogo da Fox e as redes esportivas regionais, aumentariam CONSIDERAVELMENTE o acervo da Comcast.

Outro ponto importante é que essa aquisição seria uma forma da Comcast se proteger das grandes empresas de tecnologia – Facebook, Apple, Netflix, Amazon e Google – que estão gastando bilhões em criação de conteúdo. Comprando a Fox, a Comcast teria participação majoritária no serviço de streaming Hulu, com quem divide um terço junto com a Fox e a Disney.

Mas quando um não quer, dois não negociam. E a Fox quer vender para a Disney. A história envolvendo essa negociação, sério, parece uma fanfic.

Enquanto isso, o acordo da Disney pela Fox está em fase de votação entre os acionistas e os documentos sobre a aquisição já foram arquivados no SEC – Comissão de Títulos e Câmbio dos Estados Unidos. Peguem suas pipocas porque podemos presenciar uma das maiores batalhas da história de Hollywood.