Começou o marketing viral do novo Cloverfield, que pode acabar indo direto pro Netflix | Judão

Site da Tagruato foi atualizado e a galera já começou a ir atrás daquelas maluquices. Enquanto isso, dizem que a Paramount pode fechar um acordo com o Netflix pra lançar o filme, depois de tantos adiamentos, diretamente no serviço de streaming…

Não sei se você reparou que dia é hoje, muito menos que os dias 24 de Fevereiro e 27 de Outubro de 2017 já passaram há algum tempo e o tal do God Particle, o terceiro filme da ANTOLOGIA Cloverfield que, em algum momento, passou a ser chamado de “2017 Cloverfield Movie”, não estreou.

Até onde se sabia, a história do filme era sobre uma equipe de astronautas numa estação espacial que acabava fazendo uma descoberta que iria colocar à prova tudo o que eles sabiam sobre a realidade, enquanto, óbvio, tentavam sobreviver. Ou, nas palavras de Daniel Bruhl, protagonista do filme: “É baseado em várias ideias interessantes sobre um cenário de um futuro próximo, uma visão interessante sobre o que poderia ou deve acontecer com a Terra”, contou o ator ao Collider. “Eu tenho um pouco de medo de falar sobre isso porque é tudo muito secreto. Eu tenho medo de acabar na prisão da Bad Robot”.

Assim como Rua Cloverfield, 10, esse terceiro filme — que, agora, tem gente dizendo que vai se chamar Cloverfield Station oficialmente — foi escrito como um filme normal, original, por Oren Uziel (Anjos da Lei 2) e acabou sendo reescrito um bom tanto pra se encaixar no tal do universo Cloverfield — o que, como você deve imaginar, facilita e MUITO na hora de vender o filme.

A Tagruato, empresa japonesa que teria acordado o monstro que atacou Nova York em 2008, além de controladora da Bold Futura (onde Howard Stambler trabalhava e chegou a ser eleito funcionário do mês), tá com um problema no seu site. Se você visitar o Tagruato.jp nesse momento, vai ver aquela tela ali em cima, falando de um tal de erro no seu browser. Tá tudo bem com ele, antes que você se desespere.

O ponto é que essa tela, ou esse problema, tem piorado a cada dia que passa. Quando o Reddit descobriu a novidade, você podia mexer no brilho do monitor / imagem pra encontrar a seguinte mensagem:

Tokyo, 18 de Janeiro de 2018: Tagruato começou a desenvolver uma nova e revolucionária tecnologia que o CEO Garo Yashida chamou de “um salto gigante para frente para o nosso planeta”. Essa tecnologia renovável demorará pelo menos 4 anos pra ser completada, além de outros seis anos para que os orgãos regulatórios internacionais tragam essa fonte de energia revolucionária por volta de 18 de Abril de 2028.

Aí, óbvio, alguém jogou a data no Google e, também óbvio, encontrou um tal de 04182028.com, um site que não exibe nada de concreto. Tem uns sons, umas imagens que piscam e, dizem, uma foto do ator Donal Logue que, não, não está no filme — nada surpreendente, na real, já que esses virais e ARGs de Cloverfield são mais uma história paralela do que algo diretamente ligado aos filmes.

Se você acessou o Tagruato.jp, pode ter reparado que, antes do aviso de erro, há uma outra mensagem que é rapidamente escondida. No Reddit, a galera tentou transcrever a mensagem e, como não faz muito sentido o que foi entendido, não vou colocar aqui, MAS fala de Oslo, na Noruega, revolução energética e o que parece ser uma referência à hidrelétrica de Paulo Afonso na Bahia. E... Bom, por enquanto é isso o que temos. ;D

Talvez um início tardio pro marketing, mas que encaixa direitinho com a QUARTA data de estreia do filme, prevista para 20 de Abril. A questão que sobra nesse momento, é: será também a última?

De acordo com o Hollywood Reporter, a Paramount Pictures estaria negociando com o Netflix pra lançar o filme direto no serviço de streaming, decisão que teria sido tomada pelo novo chairman da distribuidora, Jim Gianopulos, que parou pra ver todos os filmes que seriam lançados no futuro e teve de decidir quais iriam pros cinemas e quais não.

God Particle, Cloverfield 3 ou Cloverfield Station, seja lá qual for o título, custou US$40 Milhões pra ser produzido, o mais caro dos três filmes. TALVEZ a Paramount não esteja muito afim de gastar dinheiro com o marketing que seria necessário pra colocar o filme nos cinemas? TALVEZ por não confiar no sucesso que esse filme faria?

O que dizem é que, com JJ Abrams mais do que ocupado com Star Wars: Episódio IX, ele não poderia ajudar a arrumar os diversos problemas que o filme tem. Dessa maneira, se o Netflix pagasse o mesmo valor que a Paramount gastou pra produzir o filme, fica tudo no zero a zero e o jogo seguiria pro estúdio, que não tá lá muito bem das pernas.

Vamos ficar ligadinhos nisso tudo e, a qualquer momento, voltamos com novas informações. ;)