Como (e por que) God Particle se tornou o novo Cloverfield | Judão

Pouco se sabe sobre a história do filme, mas o roteirista Oren Uziel explicou como o seu filme se tornou parte dessa antologia

Por mais recheada de caixas misteriosas que seja a Bad Robot, produtora de JJ Abrams, não acredito que a gente vá ser surpreendido novamente como fomos em Janeiro do ano passado, quando um tal de Rua Cloverfield, 10 foi anunciado, dois meses antes do seu lançamento.

SABE COMO É: agora todo mundo espera que todo e qualquer filme produzido por eles seja um Cloverfield — God Particle, por exemplo. Dirigido pelo novato Julius Onah, com Gugu Mbatha-Raw, Daniel Brühl, Chris O’Dowd, Ziyi Zhang e Elizabeth Debicki no elenco, o filme sobre os astronautas que precisam sobreviver depois que alguma coisa dá errado numa estação espacial foi confirmado pela Paramount como o próximo filme dessa antologia e, inclusive, agora é conhecido como Untitled Cloverfield Movie.

Assim como Rua Cloverfield, 10, o filme outrora conhecido como God Particle, inicialmente, era um filme como outro qualquer — quer dizer, não inicialmente apenas, até mesmo durante as gravações. “Eu só fiquei sabendo algumas horas antes”, contou Mary Elizabeth Winstead em entrevista ao JUDÃO que você pode assistir aí embaixo. “A gente não tinha muita certeza, rolava um BURBURINHO e enquanto a gente tava gravando algumas coisas mudavam na maneira como a gente fazia o filme que eu pensava que isso podia se tornar algo diferente” disse John Gallagher Jr.

“[God Particle] Foi escrito antes de Rua Cloverfield, 10 e que esse universo expandido de Cloverfield sequer existisse. Foi um spec [roteiro escrito sem ser pedido por ninguém] que eu escrevi provavelmente um ano ou mais depois de Shimmer Lake, então funcionava como uma ficção científica avulsa”, disse o roteirista Oren Uziel, em conversa com o Collider sobre Shimmer Lake, outro filme escrito por ele, que estreia em Junho no Netflix. “Eu não sei exatamente como é que se tornou um Cloverfield, mas eu suspeito que seja esse mercado cada vez mais difícil de vender um filme original de qualquer tipo, ficção científica em particular. Eu acho que todo mundo simplesmente sabia que se encaixasse — e encaixa — naquele mundo, deveria, e isso só ajuda”

“A gente reescreveu durante a produção, mas eu não sei exatamente o que significa fazer parte do universo expandido de Cloverfield, além do tipo de qualidade e atmosfera você vai ter de algo que está vindo da Bad Robot e JJ Abrams”, continuou Uziel. “Só meio que ajuda a explicar o filme, algo como ‘Ok, eu entendo que tipo de filme vai ser’. Mas eu não acho que exista algo específico que faça desse um filme Cloverfield”.

Bom, tirando o fato de ser um diretor novato em um filme da Bad Robot AND “algo estranho” acontecer, é bem provável que o que ligue este filme ao resto do universo seja a Tagruato Corp. e uma história “paralela”, contada via internet, exatamente como foi com Cloverfield e Rua Cloverfield, 10.

Mas... Sendo uma antologia, basta ter Cloverfield no título. “(...) É ótimo para criadores de ficção científica não ter esse peso de ‘como nós vamos fazer pras pessoas irem até o cinema ver algo que elas não conhecem?’. Não é uma garantia; o elenco é diferente, nós não sabemos exatamente o que vem, mas se aquele selo de aprovação que é ser parte do universo Cloverfield é o suficiente, é uma puta vitória. Eu tou dentraço”, afirmou Uziel. “Quando você põe no Twilight Zone (...), eu não sei que história vai ser, mas eu sei que vai ser uma história Twilight Zone...”

Talvez nunca mais tenhamos a surpresa de conhecer um filme, em teoria muito esperado, dois meses antes da sua estreia. Mas se Cloverfield se tornar, além de uma franquia, além de uma antologia, um “selo” de lançamento de novos diretores e histórias originais de ficção científica tão boas e interessantes quanto tivemos em 2008 e 2016... Quem tá dentraço sou eu. :)

Untitled Cloverfield Movie, outrora conhecido como God Particle, tem estreia prevista para 30 de Novembro aqui no Brasil.