Daisy Ridley afirma que nunca mais retornará às redes sociais | JUDAO.com.br

“Eu realmente não acho que vibrações ruins devem ter o sol brilhando sobre elas” disse a atriz, pra justificar sua decisão. E tá errada?

Nos últimos anos, tem rolado um questionamento por parte das personalidades de mídia que sobre a real utilidades das redes sociais, com alguns casos de atrizes (mulheres, né, que novidade) se vendo forçadas a excluir de vez suas contas pessoais. Um destes exemplos foi Daisy Ridley, a Rey da nova trilogia Star Wars, que deletou suas contas que contavam com mais de 2,3 milhões de seguidores no Facebook e no Instagram até agosto de 2016.

No mesmo ano, a atriz comentou sobre como a pressão por estar constantemente atualizando suas redes sociais motivou sua decisão. “Eu pensava ‘Tenho que postar. Já faz muitos dias’. Mas é gostoso não fazer mais parte disso”, afirmou durante uma conversa no Student Academy Awards, em Los Angeles. “Tenho 24 anos. Tenho muito a fazer. Eu tenho que lidar com muitas coisas pessoalmente. Para que isso seja projetado com milhões de pessoas assistindo, torna-se uma pressão extra”, completou a atriz, afirmando que poderia mudar de ideia no futuro.

Essa ansiedade de estar sempre presente nas redes sociais não é uma exclusividade das celebridades ou dos donos de contas enormes como a da própria Ridley. Na sociedade atual é extremamente difícil não termos contas em pelo menos uma rede social ou não sentirmos a necessidade de sempre estar conectados com o mundo, seja para falar sobre a nossa própria vida ou ver um tantinho da vida dos outros. Mas isso não quer dizer que esse comportamento coletivo seja necessariamente saudável.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Agora, a atriz decidiu enterrar sua experiência com as redes sociais de vez. Recentemente, Ridley falou sobre o assunto durante o AM to DM, to BuzzFeed News. A atriz inglesa disse que, desde que foi escalada para interpretar a jovem heroína na franquia espacial em 2014, os meios de comunicação social amplificaram as insanas críticas de pessoas bravas com o fato dos novos filmes serem centralizados em uma personagem feminina.

“Eu sinceramente acho que agora, com mídias sociais e outras coisas, é ótimo ter liberdade de expressão, mas eu sinto que as pessoas acham que as opiniões delas têm taaaaaanto peso”, afirmou. “Eu realmente não acho que vibrações ruins devem ter o sol brilhando sobre elas”, acrescendo ao completar que não quer ler esse tipo de comentário negativo.

Apesar de afirmar que as mídias sociais podem ser úteis “especialmente em lugares onde coisas terríveis estão acontecendo”, Ridley ainda completou que elas são ruins para a saúde mental das pessoas e aproveitou para elogiar Selena Gomez por afirmar que as redes sociais são “terríveis” para sua geração por tornar as pessoas muito centradas apenas em si mesmas.

Não é a primeira vez que uma atriz de Star Wars abandona as redes sociais por conta da enxurrada de mensagens negativas. Kelly Marie Tran, a Rose, também excluiu suas contas por conta do fluxo de mensagens de ódio e comentários racistas direcionados a ela.

Críticas fazem parte da vida de qualquer pessoa, principalmente alguém com alcance tão global quando Ridley. Mas existe um limite para isso. Enviar mensagens de ódio — e vamos lembrar que existe uma diferença considerável entre “discordar” e “odiar” — para uma atriz por simplesmente não gostar do seu filme está longe de ser uma crítica construtiva ao trabalho dela que, convenhamos, nem precisa ser feita DIRETAMENTE a ela. É simplesmente ódio por ódio. Fazer comentários racistas e misóginos sobre atrizes não diz nada sobre o trabalho delas, mas fala muito sobre o tipo de ser humano que quem faz é.