Quando Brad Pitt aceitou participar de Deadpool 2 por um café | JUDAO.com.br

Em dois vídeos exclusivos, o intérprete de Wade Wilson fala sobre como foi trazer um dos maiores astros de cinema do mundo para um ponta em que, literalmente, ninguém o vê e nem o ouve; e o quanto os dublês precisaram trabalhar a mais pro segundo filme :)

Se tem um cara que, definitivamente, sabe rir de si mesmo e do seu próprio status de supercelebridade hollywoodiana, este alguém é o Brad Pitt.

O cara já era um nome imenso, um dos mais bem-pagos do cinema, quando Johnny Knoxville cruzou com ele em uma festa na casa do diretor Spike Jonze e mandou um “hey, a gente queria que você participasse do Jackass“. Não só o ator topou dar as caras no episódio como foi o primeiro a chegar e, segundo o próprio Knoxville, não teve qualquer frescura para ser capturado no meio da rua e jogado dentro de uma van, para desespero dos locais que o reconheceram e ligaram pra polícia.

Este é o mesmo Brad Pitt que, no Oscar de 2014, ajudou a distribuir pratos descartáveis pros colegas e logo depois sentou pra comer uma pizza com a mão, sem qualquer cerimônia, enquanto Ellen DeGeneres dava continuidade à entrega das estatuetas.

E também é o mesmo Brad Pitt que fez a sua estreia como um personagem dos gibis da Marvel em Deadpool 2. Talvez você não tenha reparado, mas ele está lá. Como o Vanisher, um dos integrantes da X-Force de Wade Wilson. Que, sim, é um sujeito que REALMENTE existe nos gibis dos X-Men: Telford Porter (TELPORTER, sacou?) surgiu originalmente no segundo número dos gibis dos mutantes, lá em 1963, como a segunda ameaça que o jovem time de Xavier enfrentou depois do Magneto. Desde então, o vilão meia-boca enfrentou não apenas a X-Force mas também o Quarteto Fantástico, os Campeões e por aí vai. Eventualmente, ele acabou se tornando integrante de uma espécie de Esquadrão Suicida mutante, atendeu às ordens do Ciclope pra combater o mal e, mais recentemente, foi visto usando seus poderes de teleporte pra tentar contrabandear um pouco de vibranium diretamente de Wakanda.

Ah, é, tem isso aí. Nos gibis, o Vanisher é um teleportador. Mas em Deadpool 2, ele é apenas um cara invisível, que não fala e que muita gente nem tem lá tanta certeza de que está mesmo ali... até o momento em que ele morre eletrocutado. :D

Neste vídeo cedido com exclusividade pro JUDAO.com.br, o próprio Ryan Reynolds aproveita que o filme tá chegando pro mercado de home video e fala sobre como rolou o convite pro Brad — na melhor tradição Professor Girafales.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Embora tenha sido uma janela de gravação bastante apertada, em plena pós-produção (“Aqui caberia uma participação especial, hein? Quem será que a gente pode chamar pra ficar um pouquinho na frente de um fundo verde?), Pitt topou uma parada de última hora, que nem tava no roteiro original, simplesmente porque seus filhos amaram o primeiro filme.

Importante lembrar que, antes de Josh Brolin assumir o papel do Cable, Brad Pitt chegou a ser oficialmente considerado para interpretar o mutante ranzinza que viaja no tempo, mas acabou não rolando por algum daqueles motivos que a gente acaba nunca sabendo (embora dê pra arriscar uma combinação de agenda + grana, né?). Mas terem pensado no Pitt faz todo o sentido, já que o diretor de Deadpool 2, David Leitch, teve uma longa carreira como dublê e chegou inclusive a ser o substituto do próprio Pitt em cenas de ação de filmes como Onze Homens e um Segredo e Sr. e Sra. Smith.

Ahhhhhhhhh, sim: por falar em Leitch e sua experiência prévia, a gente tem OUTRO vídeo de Deadpool 2 no qual o cineasta e Ryan Reynolds também falam um pouco sobre as cenas de ação e, principalmente, as sequências de luta envolvendo dublês — e o quanto elas cresceram do primeiro pro segundo filme, agora com “coisas viscerais, veias de pescoço pulando, riscos reais”.

Assiste aí. ;)