E não é que o Arkham Knight vai virar canon nos gibis da DC? | JUDAO.com.br

Seguindo a trilha da Arlequina, personagem que só existia nos videogames do Homem-Morcego vai ganhar vida real oficial também nas HQs

Parece que a DC tá preparando uma outra edição histórica para o seu próximo número 1000. Depois de uma linda coleção de histórias sobre o Superman no milésimo número de Action Comics, que serviu como abertura de portas oficial pra chegada de Brian Michael Bendis à editora, agora é a vez de celebrar o MIL de Detective Comics, aquele que virou o gibi do Batman e que também deu à empresa o nome que ela tem hoje.

O que não vai faltar é convidado especial nesta festa: além do próprio Bendis, teremos nomes icônicos dos gibis e também da vida do personagem como Geoff Johns, Paul Dini, Christopher Priest, Denny O’Neil, Neal Adams, Kelley Jones, Dustin Nguyen e Alex Maleev, entre outros. Mas aqui o grande lance, aqueeeele grande lance, é diferente. Porque ao invés de marcar a chegada de um novo autor, Detective Comics #1000 marca a chegada de um novo personagem que, enfim, vai se tornar CANON na DC Comics: o Arkham Knight.

Uma das principais histórias desta antologia de 96 páginas vai trazer o antagonista do jogo Batman: Arkham Knight de fato como parte da cronologia oficial do Cavaleiro das Trevas nos quadrinhos, mais ou menos como aconteceu com a Arlequina, originalmente uma personagem do desenho animado Batman: The Animated Series e hoje uma espécie de Deadpool da DC Comics, dada a sua importância no panorama geral. Na verdade, segundo consta no anúncio oficial, a trama escrita por Peter Tomasi e desenhada por Doug Mankhe trará uma “versão nunca vista do Arkham Knight”.

Imagina-se, portanto, que diferente do que acontece no jogo, o tal Cavaleiro de Arkham não seja o ex-Robin Jason Todd — que, lembremos bem, nos gibis tem uma história ligeiramente diferente. Substituto de Dick Grayson no cargo de Menino Prodígio depois que o primeiro Robin vazou da batcaverna e se tornou o Asa Noturna, Jason era muito mais violento, impetuoso e imprevisível. Acabou sendo morto pelo Coringa na clássica história Morte em Família, que teve o destino do personagem julgado em enquete pública pelos próprios leitores.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Nos últimos anos, no entanto, a DC deu um jeito de ressuscitar Jason, fazendo com que ele voltasse à vida depois que o Superman Prime arrebentou as paredes da realidade na qual estava aprisionado, alterando muitas partes da realidade. Jason acordou dentro do próprio caixão, saiu da cova a muito custo e, depois de um tempo fragilizado e sem memórias, conta com a ajuda de Talia al Ghul para se recuperar (pós-Novos 52/Renascimento, no entanto, a sua ressurreição é resumida de um jeito bem mais simples: ele passou por um Poço de Lázaro de Ra’s Al Ghul e segue o baile).

Em busca de vingança contra o Batman, que culpava por tê-lo deixado passar aquele seu trágico destino, ele assume então a identidade de Capuz Vermelho, um vigilante com o mesmo nome daquele vilão que o próprio Coringa foi originalmente, conforme a história contada em A Piada Mortal.

Depois, obviamente, ele e Bruce Wayne conseguem se entender e o Capuz torna-se parte da bat-família de vigilantes das ruas de Gotham City... mas seu comportamento mais duro e violento continua, o que o torna uma espécie de vigilante/anti-herói numa pegada mais Justiceiro do que Demolidor.

Já no jogo Arkham Knight, Jason não chegou a morrer, mas foi torturado durante um ano pelo Coringa dentro do Asilo Arkham. Bruce, portanto, acreditava que ele estivesse realmente morto. Só que obviamente não estava: então, criou uma nova persona para realizar um plano de vingança contra seu mentor, ENGENDRADO com a ajuda do Espantalho e de outros inimigos do Morcegão com o mesmo objetivo em comum de fazê-lo sofrer. Numa Gotham City evacuada, ele chegou a liderar uma milícia que toma conta das ruas com o objetivo não apenas de dominar e destruir a cidade, mas também de estar presente em todos os lugares para esgotar o Batman física e psicologicamente.

Quando o herói enfim descobre que Jason é o Arkham Knight, os dois chegam a um acordo e o antigo Robin ajuda Bruce Wayne a derrotar o Espantalho, enfim assumindo a identidade de Capuz Vermelho/Red Hood no final do jogo.

Vale lembrar ainda que parte desta história já tinha sido contada inclusive em quadrinhos, numa introdução ao videogame chamada Batman: Arkham Knight #1, de fevereiro de 2015, depois complementada pela minissérie em seis partes Batman: Arkham Knight Genesis, lançada seis meses depois. Ambas, ambientadas apenas no mundo do jogo, foram escritas pelo mesmo Peter Tomasi que vai ser responsável pela história que colocará o Arkham Knight na atual cronologia da editora.

Detective Comics #1000 será oficialmente lançada pela DC em março de 2019.