Vai rolar um curta sobre o passado de Rufio, um dos garotos perdidos de Hook | Judão

Devidamente financiado em menos de uma semana depois da publicação no Kickstarter, projeto é encabeçado pelo próprio Dante Basco, ator que viveu o personagem no filme do Spielberg

É inegável que Robin Williams rouba a cena por onde passa (e voa) como a versão mais velha do Peter Pan em Hook: A Volta do Capitão Gancho (1991). Mas assim que ele pinta na Terra do Nunca pela primeira vez, acaba dando de cara com um moleque na liderança dos Garotos Perdidos, que também se torna imediatamente um elemento icônico do filme. Arrogante, cheio de si, o jovem filipino de nome Rufio ergue seu cabelo moicano cheio de estilo e faz uso de seu bordão “bangarang!” para contestar o retorno do moleque que jamais deveria ter crescido e que, vejam vocês, se tornou um tiozinho quarentão.

Mas agora vamos ter a chance de saber um pouco mais sobre a história de Rufio: do alto de seus 40 anos, o ator Dante Basco, que viveu o personagem no filme dirigido por Steven Spielberg, está produzindo um curta para contar o passado do garoto. Na verdade, o projeto batizado de Bangarang: A Short Fan Film About Rufio Before Hook pretende explicar como ele chegou na Terra do Nunca, de onde a palavra “bangarang” surgiu e, principalmente, de onde diabos veio o tal do cabelo moicano. “Esta será uma história sobre acreditar em si mesmo e não deixar o seu passado definir quem você é. É sobre encontrar o seu destino”, explica a página do projeto no Kickstarter.

O financiamento coletivo foi aberto originalmente no dia 14 de fevereiro e, antes de completar uma semana no ar, já tinha atingido o objetivo final de US$ 30 mil. Ou seja: o curta, a ser publicado de graça no canal de Dante no YouTube, já tá garantido, entrou em pré-produção e deve ter novidades em breve com relação ao elenco (e às participações especiais).

Mas eles têm um segundo plano ainda mais ousado – caso atinjam, até a data final de 14 de março, o valor de US$ 200 mil, o curta vai virar um longa-metragem. E, como você pode imaginar, sem qualquer envolvimento de Spielberg ou da TriStar/Columbia Pictures, que produziu/lançou o filme original. “Estamos confiantes de que podemos apresentar para vocês uma versão da Terra do Nunca como nunca viram antes”.

Dante, que acabou fazendo carreira principalmente como dublador (é dele, por exemplo, a voz original do Príncipe Zuko em Avatar: A Lenda de Aang), afirma que ainda é bastante lembrado pelo papel de Rufio. “Estamos falando de um filme que marcou uma geração de fãs e é algo com o que sempre vou estar ligado. E eu me orgulho disso, porque é muito legal”, afirma ele, em entrevista ao Crave Online.

Na história do curta, Rufio (que será originalmente chamado de Roofus) é um menino de 13 anos cujo mãe acaba sendo forçada a abrir mão de sua guarda e o coloca em um lar adotivo. Mas Roofus não está satisfeito com o que a vida lhe reserva e, ao lado do amigo Julani e de uma jovem “força da natureza” chamada Ella, ele resolve traçar seu próprio caminho.

Os motivos que Dante e os demais produtores usam para nos fazer acreditar que este filme vale a pena ser visto (e financiado) de fato fazem bastante sentido. “Este filme é a chave para que possamos fazer um comentário social sobre o atual clima do mundo. Estamos querendo tirar este personagem da zona de conforto”, explicam. “Esta é a história de um grupo de heróis sem representatividade, vítimas de bullying apenas porque são diferentes”.

No próprio Kickstarter é possível encontrar as informações para que jovens aspirantes a atores da região de Los Angeles possam enviar seus currículos para concorrer aos três papéis principais – cuja ideia, aliás, é respeitar totalmente a diversidade, já que Roofus/Rufio é filipino, Ella é de origem hispânica e Julani é jamaicano.

Dante Basco nos dias de hoje

Na real, o projeto existe desde 2012 e estava originalmente previsto para ser dirigido pelo tailandês Rpin Suwannath, que trabalhou nos efeitos especiais nos últimos três filmes dos X-Men e era o nome previamente anunciado pela Fox para dirigir uma versão “futurista” do Zorro (uma que, aliás, parece ter se perdido no limbo dos projetos que nunca acontecem).

A base do roteiro deste filme do Rufio tinha sido escrita, ainda na faculdade, por um grupo de comediantes de improviso chamado The Younger Statesmen, que chegaram a fazer um musical a respeito do passado do Rufio (tentaram levar o dito cujo pro circuito Off-Broadway, perderam todo o dinheiro que tinham economizado e se deram mal). Já a versão atual, além de contar com a produção executiva de Rawn Erickson II, personalidade do mundo da tecnologia e um dos criadores do Maker Studios (rede multicanal de criadores para o YouTube), o roteiro e a direção são de Jonah Feingold, autodeclarado fanático por Hook desde moleque.

Depois de dirigir vídeos para canais digitais como Buzzfeed, CNN, Time, Huff Post, HelloGiggles, Funny Or Die, Yahoo e Verge, Feingold está lutando para transformar em filme o seu curta Tell Me About It, Wendy, de 2015. O tema? Adivinha só: a Terra do Nunca! Ou quase isso. “Depois de ter o coração partido por Peter Pan, uma Wendy já adulta vai ter que fechar a janela para o passado e se abrir para futuros relacionamentos”, diz a pequena sinopse.

Será que estaremos diante de um #PanUniverse devidamente conectado? ;)