Finalmente, grandes franquias estão abrindo espaço para diretoras | JUDAO.com.br

Só demorou GERAÇÕES INTEIRAS, mas parece que agora vai.

O público já está acostumado com a enorme quantidade de franquias produzidas por Hollywood. Desde universos compartilhados até sequências, os estúdios de cinema ganham muito dinheiro com esse tipo de material, principalmente se essas histórias fizerem parte de um universo que já funciona, né, Marvel?

O que também não é novidade é que a indústria cinematográfica oferece mais chances para homens do que mulheres quando o assunto é direção. E quando consideramos as franquias, isso fica ainda mais evidente.

Analisando as dez maiores franquias globais no Box Office Mojo, site que reúne dados de bilheterias, nenhuma delas teve direção de uma mulher – pelo menos até Maio de 2018.

Em 17 anos, Velozes e Furiosos nunca teve uma mulher diretora em seus oito filmes. Em mais de 50 anos, James Bond NUNCA foi dirigido por uma mulher, e isso não acontecerá tão cedo – Bond 25 será dirigido por Danny Boyle. E se você viu aquela foto especial dos dez anos do MCU, perceberá que a imagem é dominada por homens em papéis de direção. Isso finalmente mudará em 2019, quando Capitã Marvel estreará com direção de Anna Boden e seu parceiro Ryan Fleck.

Mas duas franquias enormes estão começando a mudar esse cenário, finalmente.

Em Abril, a diretora Ava DuVernay publicou na sua conta do Twitter a notícia que JJ Abrams escolheu Victoria Mahoney como diretora de segunda unidade de Star Wars: Episódio IX, já em fase de pré-produção. Com direção em séries como Grey’s Anatomy, Power, Seven Seconds e Queen Sugar, série criada pela própria DuVernay, a diretora novaiorquina tem 17 produções no currículo. Esse será um salto enorme na carreira de Mahoney e na dinâmica da própria franquia.

Em uma entrevista para o site da Variety durante a turnê de imprensa de Star Wars: Os Últimos Jedi, Kathleen Kennedy, presidente da Lucasfilm, deixou claro que gostaria de ver mais diversidade por trás das câmeras nos futuros filmes da franquia. “Queremos ter certeza de que quando trouxermos uma diretora para fazer ‘Star Wars’, elas estarão prontas para o sucesso”

Nessa mesma entrevista, Kennedy diz que, como não houve muitas oportunidades para mulheres dirigirem grandes filmes, a Lucasfilm está procurando identificar talentos com características de liderança ainda nos estágios iniciais de suas carreiras. “Queremos realmente começar a nos concentrar em pessoas com quem gostaríamos de trabalhar e ver que tipos de coisas elas estão fazendo para progredir nessa escada agora para, em seguida, puxá-las quando for a hora certa.”

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Poucos dias após o anúncio, surgiu a história de que a Paramount Pictures teria escolhido S.J. Clarkson como diretora de Star Trek 4. Clarkson também tem uma carreira focada em direções episódicas para a televisão, com Dr. House, Dexter, Motel Bates, Orange Is the New Black, Vinyl, Jessica Jones e Defensores no currículo, além de todos os episódios da mini-série inglesa Collateral.

Aí, segundo o Hollywood Reporter, a Marvel Studios está procurando uma diretora para o filme da Viúva Negra. O estúdio teria se encontrado com diversas diretoras, entre elas a turca Deniz Gamze Erguzen, diretora de Cinco Graças, a chinesa Chloe Zhao, diretora de The Rider, e a inglesa Amma Asante, que dirigiu Um Reino Unido e Belle.

A busca por uma diretora ainda estaria em andamento, mas esses três nomes são bem curiosos, porque mostram que a Marvel procura por um olhar não-americano para seu filme sobre uma personagem russa. E isso é MUITO interessante.

Demorou, mas finalmente os donos das grandes franquias estão abrindo espaço para as mulheres dirigirem suas produções mais caras.

Se as maiores franquias da cultura pop, com sua quantidade enorme de fãs fiéis, estão abrindo caminho para uma mudança, a diversidade pode finalmente deixar de ser “tendência” para se tornar “habitual”. Os detratores de blockbusters com lideranças femininas vão ter que engolir o choro, porque a mudança está só começando.

O próximo passo é a igualdade salarial, mas isso fica para outro texto...