Grant Morrison assume o gibi do Lanterna Verde e promete tipo um CSI cósmico | Judão

O escritor escocês, que assume o título a partir de novembro, quer levar Hal Jordan de volta às suas origens como um “policial espacial”

A galera que trabalha com programação pode entender de OUTRO jeito. Mas a palavra “procedural”, quando usada para se referir a um produto de cultura pop como uma série, um filme, um gibi, traz o significado original, de algo que tem métodos, processos, pro ambiente POLICIAL. Basicamente, uma série procedural é uma daquelas policiais de investigação, sabe? Quando os TIRAS aplicam seus métodos e processos para solucionar o crime da semana e colocar o criminoso da vez atrás das grades.

Exemplos têm aos montes: CSI, NCIS, Criminal Minds, Law & Order, Bones... Até mesmo tramas com um tempero ligeiramente diferente, como Castle e The Mentalist podem ser consideradas “procedurais”. E é a isso que o roteirista Grant Morrison está se referindo quando diz que ele e o desenhista Liam Sharp estão dando uma pegada mais “procedural” ao gibi mensal do Lanterna Verde, que a dupla vai assumir oficialmente a partir de novembro.

“Ao invés de grandes histórias épicas em doze partes, vamos nos focar no dia a dia de um policial espacial”, explica Morrison, em entrevista ao IGN, fazendo questão de deixar claro que a ideia é trazer o personagem mais de volta às suas raízes. “O conceito básico de que Hal Jordan é como se fosse mesmo um policial do espaço patrulhando um setor do universo onde tudo pode acontecer”.

A apresentação do novo título, durante a San Diego Comic-Con 2018

Fato: o elemento de que a Tropa dos Lanternas Verdes é essencialmente um grupo de oficiais intergalácticos em defesa da lei só que armados com anéis de poder ilimitado ao invés de pistolas e cassetetes, está aí desde que o personagem foi reinterpretado na Era de Prata, em 1959, por Julius Schwartz. “Lanterna Verde” não é um codinome de super-herói, tipo Batman ou Superman. É um título. E Hal Jordan é apenas um dos muitos a usar a arma e o uniforme. E talvez nem seja o mais criativo de todos ao envergar uma parada que pode transformar seus pensamentos em construtos de pura energia verde.

“Eu amo essa ideia de que ele é um sábio idiota”, explica Sharp. “Ele pode simplesmente aparecer e avaliar a situação muito rapidamente e, em seguida, apenas bater em tudo com um punho gigante, e tudo está resolvido”.

Para Morrison, Hal pode ser comparado aos astronautas que voltaram do espaço sentindo-se chocados, assustados e incapazes de encontrar um lugar para eles na sociedade. Na verdade, tamos falando de um sujeito que, em sua vida pessoal, cai indo de um trabalho para o outro, incapaz de ser eficaz a menos que esteja fazendo o extraordinário espaço como um policial cósmico — que acaba executando por trás de uma máscara, com uma identidade secreta.

“Ele é um solitário, um errante, alguém que não se reconstruiu”, conta Sharp. “Ele não pertence a este lugar, sabe? Ele está ansioso pelos céus e por estar de volta à atividade como um Lanterna Verde”. Para o roteirista, no entanto, a principal pergunta ainda é: todos sabemos que Hal Jordan é um bom policial. Mas ele é um bom ser humano? “Estamos analisando também os seus relacionamentos e como ele lida com as pessoas. Porque tem o fato de que, se você é um policial do espaço, é difícil ficar preso no Planeta Terra. Ele pode ter vidas em outros planetas. Vamos analisar muitas coisas que não creio que tenha sido pensadas com ele antes”.

Hoje em dia praticamente todos os grandes portais e grupos de mídia do Brasil cobram pra que você possa ler seus conteúdos. O JUDAO.com.br continua produzindo conteúdo de graça pra todos, de forma independente, em diversas mídias, e vai fazer isso pra sempre. Mas não tá fácil pra ninguém.

Nunca o JUDAO.com.br foi tão lido em toda sua história, mas anúncios estão desaparecendo, o Facebook não deixa ninguém sair de lá e nós dependemos cada dia mais dos nossos leitores, ouvintes e espectadores pra financiar a produção de todo esse conteúdo sobre cultura pop que é bem raro na internet Brasileira. Se todo mundo que gosta, compartilha e/ou comenta contribuir, o nosso futuro estará garantido. Vamo?

Conheça nosso projeto e assine a partir de R$10 / mês. :)

A respeito do elenco de coadjuvantes, sempre dizendo o quanto ama os gibis originais do Lanterna, a dupla de criadores promete não ficar muito focada naqueles rostos de sempre, preferindo criar um monte de novos e estranhos Lanternas Verdes alienígenas e/ou recuperar uns personagens há muito esquecidos (uma daquelas especialidades do Morrison, vamos combinar).

Importante dizer aqui: o gibi do qual eles vão tomar conta se chama The Green Lantern. O que isso quer dizer? Que, apesar de termos uma série de outros terráqueos que também ostentam e/ou já ostentaram o título (Guy Gardner, John Stewart, Kyle Rayner e, mais recentemente, Simon Baz e Jessica Cruz — isso se a gente não considerar Alan Scott, o Lanterna da Era de Ouro), esta HQ é totalmente focada em Hal Jordan.

Sim, os Guardiões do Universo vão aparecer, aqueles pequenos seres azulados que criaram a Tropa dos Lanternas Verdes, mas serão tratados como os chefes de polícia que controlam as missões dos Lanternas diretamente da delegacia. E quanto aos outros integrantes do chamado Espectro Emocional, o campo de energia que, nos últimos anos, nos apresentou a diferentes cores de anel e tropas como os Lanternas Azuis, Vermelhos, Laranjas, Amarelos, Indigo e Violetas, além da luz Branca da vida e Preta da morte, esqueça.

“Vamos nos focar apenas no bom e velho verde”, reforçam ambos.