A história por trás daquela cena com as Princesas Disney em WiFi Ralph | JUDAO.com.br

Pamela Ribbon e Rich Moore resolveram contar sobre o processo criativo daquela cena INCRÍVEL das Princesas com a Vanélope. Prepare-se pra gostar dela ainda mais! <3

Uma boa história de bastidores é sempre algo legal. A gente também ADORA essas coisas e por isso que gostamos de contar aqui coisas como aquele documentário em que Kubrick conta o final de 2001: Uma Odisseia no Espaço ou sobre a vez em que Audrey Hepburn adotou um ANIMAL SILVESTRE por conta de um filme. E tá sabe aquela piada sobre os estereótipos das Princesas Disney no trailer de WiFi Ralph? Ela tem uma história de criação MUITO legal.

Tudo começou quando a equipe queria MUITO brincar com o universo Disney, já que o longa se passa ~dentro da internet e vários estúdios parecem já fazer isso. “Nós poderíamos fazer melhor do que os outros, já que os personagens são nossos e os conhecemos intimamente”, conta o diretor, de acordo com o /Film. E foi aí que o pessoal começou a quebrar a cabeça pra encaixar algo verdadeiramente irreverente — e a primeira ideia era ter Ralph fazendo um teste no estilão BuzzFeed pra descobrir se ele seria a Anna ou a Elsa em Frozen, com Vanélope se intrometendo o tempo todo nas respostas.

Mas aí alguém deu a ideia de colocar as princesas DE VERDADE na história. A empresa tem o seu próprio site de variedades, o Oh My Disney, que poderia facilitar bastante a inserção daquelas personagens ali. Então, agora, teríamos a seguinte narrativa: Vanélope precisaria de dinheiro pra consertar seu veículo e tentaria ganhá-lo fazendo um vídeo com todas aqueles ícones clássicos pra viralizar. A roteirista Pamela Ribbon foi pra casa pensando nessa ideia.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Antes de continuarmos, deixa eu te falar: a Ribbon é incrível. Ela entrou no mundo da Disney quando ajudou a criar algumas partes de Zootopia e foi quem escreveu Moana. Lá ela conheceu a gerente de produção Elise Aliberti e a amizade começou, segundo as duas, com um pedido de Aliberti sobre a heroína de inspiração polinésia: “Você pode me fazer um favor? Pode fazer com que ela não se apaixone por ninguém… e deixar a mãe dela viva? Isso é possível?”. As duas sabiam ali que tinham encontrado uma amiga — e Elise foi essencial para que sua amiga criasse algo inesquecível.

Durante o final de semana que seguiu a reunião, Pamela teve a ideia. Ligou para a amiga e pediu pra que ela lhe dissesse TUDO de ruim que já tinha rolado com as princesas: “Quem foi sequestrada? Quem foi escravizada?”, ela perguntou, deixando a produtora meio chocada. “Eu tive um ataque de pânico, deitei no chão e pensei ‘ou eu serei demitida ou isso vai ser incrível’”, falou Ribbon, que resolveu enviar a cena para Elise, que AMOU tudo aquilo e deu aquele último empurrãozinho pra que aquilo fosse apresentado. Na próxima reunião, SUCESSO! Todos se apaixonaram por aquilo, mas Rich ficou preocupado: “você acha que conseguimos fazer isso aqui passar numa boa?”

LEIA TAMBÉM!
Sonha alto, Princesa!

Resolveram, então, dar o famoso MIGUÉ e continuar produzindo o filme como se aquela sequência não tivesse chance de ser controversa. Enquanto ninguém dissesse que aquilo não poderia ir pro ar, eles deixariam. Até que chegou o dia de apresentar o longa para os FIGURÕES da Disney. Entre eles, diretores de alguns daqueles filmes clássicos ironizados. E apesar da TENSÃO no ar, adivinha só? Todo mundo curtiu! Absolutamente ninguém foi contra e a cena chegou até a gente!

A gente sabe que não é a primeira vez que uma equipe inventa de brincar com ícones famosos. Já falamos aqui daquelas sequências que mostram Stitch TOCANDO O ZARALHO em outras obras icônicas para a divulgação de Lilo & Stitch em 2002, mas dessa vez foi algo além de uma piada boa. Mulheres criativas resolveram usar a ironia e o bom humor pra dar aquela escancarada nos problemas sérios que existem em personagens como aquela. Porque, né? COMO que em sã consciência a gente achava NORMAL adolescentes — sério, Jasmine tem 15 anos, Ariel tem 16 e Branca de Neve, 14 — saírem por aí sendo envenenadas, capturadas, amaldiçoadas, depois salvas por homens DESCONHECIDOS e casando com eles em seguida?

Já tava mais do que na hora de pensarmos melhor sobre essas narrativas. E Pamela Ribbon e sua equipe ainda emplacaram isso DENTRO de uma produção Disney, o que é ainda mais significativo. :)