Hora de Morfar | Judão
20 de março de 2017
EDITORIAL

Hora de Morfar

Um site, um livro, um jogo, a tiazinha que faz comida… Se você nunca parou pra pensar na importância que VOCÊ tem (e que tem cada vez mais), taí um bom momento. ;)

Recentemente, escrevendo sobre o ano que, naquele momento, a gente só tava conhecendo ainda, o nosso Nícolas Vargas falou uma coisa interessante, aqui mesmo no JUDÃO, sobre o próprio JUDÃO. Tratava-se de um Guia de Sobrevivência de 2017 em que a dica, em resumo, era “faça alguma coisa, QUALQUER COISA”.

Dizia ele que “sempre admirei o Borbs pela relação que ele tem com o JUDÃO, que é fazer da maneira dele e ao mesmo tempo com todo mundo. Isso, sem medo de sacrificar madrugadas de trabalho e manhãs de sono para seguir na estrada que mais bota fé apenas para dar outra guinada ali na frente se acreditar que essa é a melhor forma de cumprir a missão que ele imagina para o negócio”.

Primeiro que ler esse tipo de coisa vindo de um cara como o Nícolas me enche, pessoalmente, de orgulho. Mas, mais do que isso, me faz ter certeza de que o tanto que eu mudei nos últimos anos, que os caminhos que eu escolhi seguir — apesar de todos erros e cagadas que posso ter cometido e com a mais absoluta certeza cometi –, profissional e pessoalmente, foram os corretos.

Posso não ter chegado a nenhum lugar, ainda, mas seguir o caminho certo é parte importante dessa história.

Há algumas semanas, comecei a sacrificar várias madrugadas de trabalho e manhãs de sono pra fazer algo que eu realmente acredito que seja, se não a melhor, uma nova forma de cumprir a missão que eu acredito para o JUDÃO: o tal do Borbs Show, aquele programinha no YouTube no qual, até agora, falei sobre como Logan não é só um filme e sobre Ultimate Beastmasters — a série do Netflix, que eu tive a chance de assistir às gravações em Los Angeles, o ninja Chris Brewster, dublê do Demolidor na série e do Capitão América nos cinemas, e até um pouco sobre a Bela e a Fera ou, mais especificamente, meu ódio por musicais no cinema.

Tenho lido basicamente tudo o que tem falado sobre o vídeo (ao menos o que vem direto pra mim ou fica nos comentários, que milagrosamente tão sendo bem menos ofensivos do que o que eu imaginava) e uma coisa que não sai da minha cabeça nesses tempos é aquela história de “support local business” ou, em um português bem simples e direto, “valorização do comércio local”, que costuma ser pequeno, que costuma ser comandado por famílias ou poucas pessoas, que colocam muito mais vontade em tudo o que fazem do que uma grande multinacional corporação, cujo último pensamento é quem consome, de fato.

Sim, é um pouco hippie, mas é uma das ideias mais importantes com as quais tive contato na minha vida.

“Quando você compra de um negócio pequeno, você não tá judando um CEO a comprar a 3a casa de veraneio. Você tá ajudando a garotinha fazer aula de danças, o moleque ter a camisa do seu time e uma mãe e um pai colocarem comida na mesa”

Tem muita gente que olha pro JUDÃO e todo o nosso conteúdo e não tem noção do quão menor o site é, o que não é nem de longe uma reclamação, porque esse tamanho nos permite, de uma certa maneira, não focar em números e esse tipo de coisa, e sim no conteúdo que a gente vai oferecer pro nosso leitor que nos acompanha há quase 17 anos, e no cara que acabou de nos conhecer no YouTube e ficou ofendido com o fato de eu abrir o vídeo do Logan com um “PUTAQUEPARIU”.

Um tipo de conteúdo bastante difícil de se ver no que eu chamo de GRANDES LIGAS da Internet Brasileira que, por sorte, é um o JUDÃO consegue jogar. Esse vídeo de Logan mesmo, você muito dificilmente veria em um portal, por exemplo — primeiro porque ele seria muito mais bem produzido; segundo porque começa com um palavrão; terceiro porque é uma parada bastante pessoal, não só pelo conteúdo (vantagens!), mas pela maneira como foi feito, aprendendo o que nunca precisou, ficando destruidamente cansado mas, acima de tudo, com um tesão de que esse é um conteúdo que muito pouca gente faz.

Exatamente da maneira como foi feito o segundo, dos Ultimate Beastmasters, exatamente como será feito o terceiro, focado no filme novo dos Power Rangers... E assim por diante.

Por isso é importante que você curta e compartilhe o nosso conteúdo. Se gostar, que seja porque gostou; se não concordou com algo que dissemos, que seja pra gerar algum tipo de discussão entre seus amigos, por exemplo. APESAR de não nos focarmos nos números e etc, ainda é dessa maneira que as coisas funcionam e, bem, se ninguém mais ler, ouvir e ver o que a gente faz, as coisas complicam bastante, né? :)

ALÉM DISSO, se você tiver algum trocado sobrando no fim dos meses, considere deixá-lo com a gente no Apoia.se/JUDAOcombr. Como diz aquela placa lá em cima, esse $$$ vem direto pra quem precisa dele pra, em resumo muito resumido, viver e produzir esses conteúdos que você tanto gostam.

Porque, é, a gente brinca, mas a Disney não nos paga nenhum centavo pra falar mal de Batman VS. Superman. Aliás, nossas posições sempre tão bem tomadas costumam causar mais prejuízos do que qualquer outra coisa... ;)

Sim, eu tou falando do JUDÃO aqui, mas isso vale pra QUALQUER outro site, canal de YouTube... Sabe aquele Kickstarter pra produção de livro / CD / filme, que se a galera não contribuir, não tem? É mais ou menos a mesma coisa. É um contato direto com quem produz o que você gosta ou acha importante... E tem coisas que só a gente consegue fazer.

E faz.

Dê um pouco mais de atenção pro “local business”. ;)