Isso não é Baywatch | Judão

A Regra #34 da internet é uma realidade. Ela existe para as coisas mais inocentes, mais singelas e puras. Ela existe para Os Simpsons, para filmes de super-heróis de toda natureza (te amamos, Axel Braun). Existe para os Ursinhos Carinhosos e CERTAMENTE existe para Baywatch .

A Regra #34 da internet é uma realidade. Ela existe para as coisas mais inocentes, mais singelas e puras. Ela existe para Os Simpsons, para filmes de super-heróis de toda natureza (te amamos, Axel Braun). Existe para os Ursinhos Carinhosos e CERTAMENTE existe para Baywatch.

Existe em dose dupla.

Não é como se a série protagonizada por Pamela Anderson e David Hasselhoff não tivesse despertado desejo durante mais de uma década em toda uma geração. Naquele balanço das coisas, das ondas do mar de Los Angeles County, dos peitorais sarados dos rapazes, dos peitos das moças em slow motion. Não importa o tipo de balanço que lhe agradasse, estava tudo ali... Balançando.

E as paródias pornô estão aí para levar a cabo todo o potencial onanista da série até as últimas consequências. Portanto, nessa semana tão BAYWÁTCHICA deste site, não cometeríamos o deslize de caráter que seria deixar de abordar essa faceta do tema. Os balanços em slow motion também estão lá, porém acompanhados de balanços MUITO mais frenéticos, if you smell what I’m cooking (oi, Dwayne.  3).

This Ain’t Baywatch XXX (2010)

Olha, juventude. Confesso que fiquei descrente num primeiro momento com relação a este filme, porque em todas as prévias que vi, me pareceu ser uma produção XXX daquelas roots, com muita coisa dentro da outra coisa e pouca (ou nenhuma) historinha. Afinal de contas este é um site de família e precisamos extrair pelo menos umas gotas de risos das coisas desavergonhadas como essas aqui. Porém, nos primeiros segundos, antes que a primeira fala tenha sido sequer proferida, já sou agraciado com algo que nunca tinha visto em todos esses anos de paródias porn.

Um boquete subaquático.
Há potencial. Então vamos que vamos.

Sometimes I pray for a goddess
Sometimes I pray for I drown
Having those beautiful boobs in my face
CJ I need mouth to mouth

Sim, os créditos iniciais tinham até essa música-tema (e isso aí é só uma das estrofes). Quando a coisa é feita com esmero, é feita com esmero e vice-versa.

De prontidão, trajando suas características roupitchas de banho vermelhas, a equipe de salva-vidas está atenta aos movimentos estranhos do casalzinho (Lexi Belle e um galego que, convenhamos, whatever) na água. Um sobe e desce meio estranho, umas submersões mais duradouras do que seria de praxe. CJ (Gina Lynn) alerta seus colegas da situação e todos correm para o resgate.

Fica aquela TORTA DE CLIMÃO quando os pombinhos revelam que estavam ali só brincando de pega-vareta. Eles só estão curtindo a lua-de-mel, pelo amor de Deus. Para aplacar o constrangimento, eles convidam a todos os presentes para tomar uns gorós em seu quarto de hotel.

Mas antes da FRATERNIZAÇÃO começar, Lexi e Galego resolvem matar o tempo ali na área da piscina terminando o que tentaram começar no mar.

Quando a câmera dá aquele close esperto na traseira de Lexi Belle vemos que a atriz na ocasião estava com uma espinha em cada nádega, posicionadas de maneira curiosamente simétricas. Uma delas — a maior — parecia um mamilinho, inclusive. Falando em nádegas, a banda direita do rapaz tem uma cicatriz imensa. No abdômen também. Talvez seja assim que atores pornô cometam seppuku após uma performance particularmente lamentável em cena. Mas vamos ignorar a marca da barriga e chamá-lo apenas de Galego Scarbutt.

Nesse ponto, já com vinte minutos de catracada, faço uma reflexão rápida com relação ao maravilhoso termo que li nesse texto usado para se referir a paródias pr0n: Filme de SUADEIRA com historinha. Primeiramente, “suadeira”. Segundamente, o parzinho lesco-lesca aqui debaixo de um sol lascado e não tô vendo uma única gota de suor escorrendo em lugar nenhum. Levando em conta que os atores não tenham um preparo físico de participante de Ironman (a prova de triathlon, não o filme), fico imaginando o porquê das produções desse tipo ficarem enxugando os profissionais a cada pausa. Evitar nojinho de fluídos corporais não pode ser, porque NÉ?

Pra acabar com a graça chega um funcionário careca do hotel, notificando amigavelmente o casal que não está permitido foder nas dependências da piscina, enquanto a equivalente de Pamela Anderson daqui conversa por telefone com a versão putanhesca de Mitch (que, sendo interpretado por THE HOFF no original, assim será chamado no restante do texto).

(Nesse ponto abro um rápido parêntese para um detalhe PITORESCO do mundo do entretenimento adulto: A criatividade dos caras para escolher o nome artístico. Hoff é interpretado por OTTO BAUER, e se você googlear esse sujeito vai encontrar algumas fotos dele, porém MUITO mais fotos de um tiozão todo alinhado, de terno, bigodão e cabelo lambido. Fotos em preto e branco, pois trata-se de uma personalidade nascida no século XIX. Sim, existe um ator pornô que emprestou o nome de um pensador social democrata austríaco, da corrente socialista marxista.)

Ela tá toda preocupada pelo seu filme estar queimado com o resto da equipe por alguma cagada que ela fez num salvamento, principalmente com April. Hoff diz pra ficar de boas e completa “Vemk, toma uns drinks, dá uns beijos na April e façam as pazes”. Sim, April (Breanne Benson) é outra das salva-vidas. E por quê diabos ela tá aloprando a pobre CJ, gente? Seria algum mistério misterioso de subplot?

Na cena seguinte se reúnem na piscina do hotel três casais: Lexi Belle e Galego Scarbutt, “Hoff” e “CJ”, April e um carinha que só deu as caras agora. April ainda tá zoando CJ, que fica puta e rola uma breve TROCA DE FARPAS. O motivo da desavença é o fato de CJ ter achado que um despretensioso bolagato na praia era motivo para mobilizar uma operação de salvamento. Aff, que bosta. CJ chora e vaza, Hoff vai atrás. Assim miam os drinks da galera toda, já que todo mundo vai embora.

Mas para não desperdiçar um dia tão ensolarado, April e Seu Piroco resolvem fazer AQUILO. Aproveitam a debandada e vão para o quarto. Que povinho sem diálogo. Bom, não preciso descrever o que fazem a seguir, pois vocês sabem bem como funciona.

Hahahaha, sabem nada, bando de imaculado.

Sorria que eu estou te filmando!

Logo após esta banhista aleatória pagar de boga para April, vemos Hoff conversando por telefone com uma outra loira sobre dissolver a equipe, contratar novos RESGATEIROS... ou algo assim. Juro que fiz o melhor que pude para entender o diálogo com o ruído de fundo do filme. Sério, os caras gravaram essa cena tipo ao lado de uma rodovia — digamos apenas que este filme não seria indicado ao Oscar de mixagem de som. Hoff chega no posto de guarda e tem uma rápida discussão com April, que está numa espécie de ressaca pós-coito. Ameaça botar ela and CJ no olho da rua.

Aí antes da continuidade do esbrega que Hoff está aplicando em sua subordinada, a banhista aleatória mira-lhes com o fiofó de novo. Uma vez pode ser só desatenção aos arredores. Da segunda em diante já podemos considerar que a pessoa está mal-intencionada. Seja como for, Hoff suspende April.

A Loira que conversava com Hoff por telefone na sacada entra em sua alcova e começa a se engalfinhar com um caboclo grisalho que a esperava na cama. Sem delongas, sem historinha, sem aquela suave escalada do prazer. Apenas amor maneiro, casual e repentino.

Corta para o hotel. Duas moças – uma loira e uma morena – de peitos avantajados surgem do nada na área da piscina. Lexi Belle e Galego Scarbutt surgem logo atrás para nadar nus, e são caguetados pelas duas para Carequinha. O funcionário bota os dois pra correr, e estou descrevendo essa cena inútil apenas para dizer que achei engraçado que o ator que faz o hoteleiro cai de verdade no chão enquanto perseguia Lexi Belle pelada. :D

Assim que a barra fica limpa elas sujam tudo com LUXÚRIA, privando seus corpos de todas as vestes e botando as aranhas para duelar na jacuzzi. A moça dos cabelos dourados tem a maior tatuagem de asinha nas costas já vista num ser humano. Sério, fiquei impressionado. A parada começa no músculo trapézio, abraça de leve os ombros e vai até as covinhas da bunda. Muitos parabéns.

Carequinha, provavelmente depois de passar aquele merthiolate esperto no joelho ralado pela queda, volta com sua característica cara de bunda e avisa às moças que não pode se amar na área da piscina. Elas lamentam o flagra dizendo “Oh não, agora nunca vamos entrar para o time de salva-vidas”. Pera, quê?!

Enfim.

CJ vai toda cheia de gostosice, trajando um vestidinho provocante, até a casa de Hoff, ao que tudo indica para convencê-lo a manter seu emprego na base da pepecada. O rapaz a princípio está meio arisco, meio arredio. Diz que não teve outra alternativa a não ser despedir ela e April e que já prometeu as vagas para duas candidatas (ah, olha elas aí). E apesar dos gracejos de CJ, não pode “fraternizar” com alguém da equipe.

“Mas eu não estou mais na equipe, seu lindo. Você me demitiu, lembra? ( ͡° ͜ʖ ͡°)”

Gosto da sua maneira de pensar.

Sabem aquelas guitarrinhas meio Joe Satriani que pululavam forte em produções dos anos 80 e 90? Então. É numa trilha sonora recheada delas, mesclada aos melhores momentos das soundtracks da Sexta Sexy e delas que os dois pombinhos FRATERNIZAM loucamente.

Ao final do ato, naquele pillow talk maneiro, CJ propõe a Hoff assim como quem não quer nada que ele aumente a equipe. Hoff, entorpecido pelo prazer e abobalhado pela posição de conchinha com mãos atoladas nas mamas alheias, aceita numa boa a ideia. “É, acho que podemos manter todo mundo”.

E o planejamento financeiro, seu inconsequente? Tem verba pra todo mundo? Você dá uma surra de mastruço na funcionária e de repente não se faz mais necessária a reestruturação? Ou teria sido esse o plano o tempo todo? Muitas questões.

Bom, filme terminando, hora de subir os créditos. Sobe a música-tema com a corridinha em trajes de banho dos personagens no desfecho. Hoff dando aquele trotezinho na praia com seu time de gostosas, composto apenas pelas três loiras originais.

MAS CACETA, NÃO IA CONTRATAR TAMBÉM AQUELAS DUAS MOÇ... Ah, foda-se. Talvez o carequinha do hotel tenha mais influência do que a gente pensa.

Então vamos fechar isso aqui e passar a régua com o filminho da Brazzers.

BabeZZwatch – A Brazzers XXX Parody

Duas salva-vidas loiras (Bridgette B e Nicolette Shea) de peitos altamente desproporcionais e maiôs escarlates passam sensualmente protetor solar uma na outra, quando espantam um pervertido bigodudo que as observava atentamente. Por algum motivo ele arria a sunga e senta entre as ondas com sua manjuba de fora. As moças correm até a água, o resgatam do iminente afogamento e levam para o posto de guarda, onde fazem um animadíssimo e barulhento threesome.

E isso aí não é a sinopse não, feras. É a descrição minuciosa do filme todo.

O B J E T I V I D A D E.