Jagged Little Pill, da Alanis Morissette, vai virar musical em 2018 | Judão

Ideia surgida nas comemorações de 20 anos do álbum enfim vai virar realidade, com texto de Diablo Cody

Os primeiros sussurros sobre a adaptação para um musical de Jagged Little Pill, um dos grandes álbuns da música de todos os tempos, surgiram em 2015, quando Alanis Morissette comemorava os 20 anos de lançamento que, segundo ela, “mais pareciam 25”.

Empolgada com American Idiot, baseado no álbum do Green Day, Alanis tinha escalado o compositor Tom Kitt pra desenvolver, junto com ela, a ideia. “A história vai ser ficcionalizada e em algum momento dos próximos 10 anos eu posso me ver criando um monólogo onde eu possa entrar realmente nessas histórias, mas pra esse musical em particular será uma história de ficção e nós vamos adicionar músicas e trocar letras”, afirmou na época à Billboard.

Quase três anos depois a ideia vai enfim se tornar realidade — só que, ao invés de estrear na Broadway, iniciará sua carreira no American Repertory Theater, da Universidade de Harvard, em Cambridge, Massachussetts, a partir de Maio de 2018.

Tom Kitt continua como compositor, mas o musical ganhou também texto de Diablo Cody, que talvez você conheça por ser a roteirista vencedora do Oscar por Juno e criadora das séries United States of Tara e One Mississipi e trabalhou junto de Alanis nessa brinks. “Essa equipe que se juntou pra esse musical é o meu sonho sendo realizado” disse Alanis Morissette em um comunicado. “A química entre nós é ótima e eu me sinto honrada por mergulhar nessas canções novamente, cerca por todos esses talentos. Diablo e Diane [Paulus, diretora do musical] estão pegando essas músicas profundamente pessoais que são parte da essência da minha alma e levando a um outro nível de esperança, liberdade e complexidade”.

“Eu tou muito empolgada por contar uma história moderna através dessas canções icônicas”, disse Diablo Cody. “A música da Alanis é cheia de narrativas poderosas que se encaixam organicamente nesse processo”. Segundo o comunicado, a tal história envolverá uma “família MULTIGENERACIONAL e suas dinâmicas complexas”, tratando de assuntos como identidade de gênero e raça. Ironic e Hand in My Pocket são músicas garantidas, entre várias outras do álbum e toda a carreira de Alanis.

Ainda estamos a um ano da estreia, mas talvez já seja o caso de começar a campanha “Please Come to Brazil”, né? :)