Jim Starlin se prepara para se despedir de Thanos | Judão

Criador do personagem entrega a minissérie The Infinity Entity, que prepara o caminho para a graphic novel Thanos: The Infinity Finale, ambas em 2016

SPOILER! Em 1973, Jim Starlin criou um personagem genérico para ser antagonista de um gibi do Homem de Ferro – mas que nem ele e nem ninguém jamais poderia imaginar que se tornaria um dos maiores vilões do Universo Marvel...tanto dos quadrinhos quanto agora, dos cinemas. O filho de Mentor, da lua Titã, o ameaçador grandalhão roxo de queixo skrull conhecido como Thanos.

A partir do vilão, inicialmente apaixonado pela Morte e obcecado por um plano de genocídio universal, Starlin desenrolaria um conceito que já começou a se apresentar e será a base da Casa das Ideias nas telonas pelos próximos anos: a busca pelas Joias do Infinito. Com a trinca de séries Desafio Infinito, Guerra Infinita e Cruzada Infinita, o escritor cruzou a década de 1990 definindo as bases do universo cósmico da editora. Sem Starlin, não apenas não existiria Thanos, mas também não existiriam os Guardiões da Galáxia como os conhecemos hoje, por exemplo.

Não foram raras as vezes em que o autor foi e voltou da Marvel, de alguma maneira sempre retornando para acrescentar alguma peça nova neste quebra-cabeças. Tretou com a Casa das Ideias quando o Titã sorriu ao fim de Os Vingadores mas, no início de 2014, começou a construir o final da saga inacabável com a graphic novel Thanos: A Revelação Infinita, continuando na recente minissérie Thanos vs. Hulk e recente edição especial Thanos: The Infinity Relativity. A intenção, até o momento, era tentar explicar um pouco das disparidades entre os muitos retratos de Thanos que foram vistos na editora até o momento: o maluco querendo poder, o niilista apaixonado, o herói ocasional. Qual era a verdadeira? Todas.

Pra ele, a busca é mais importante do que o objetivo final.

Thanos

The Infinity Relativity posiciona o Aniquilador, déspota da Zona Negativa, como o grande antagonista de Thanos, alguém em busca do poder supremo fora de seus domínios, agora no “universo positivo”, algo que o gigante roxo quer impedir a todo custo, por seus motivos próprios.

Ao final da edição, o Titã Louco comete suicídio, ao perceber que não conseguiria escapar do limbo dimensional no qual foi colocado pelo Aniquilador. Mas este ainda não é o fim pro Thanos, não senhor. O fim de verdade – ou como Starlin está descrevendo, o seu “canto do cisne”, que em se tratando da Marvel pode nunca ser definitivo, mas... – vai se desdobrar em dois momentos distintos de 2016. O primeiro deles é a série em quatro partes The Infinity Entity, com desenhos de Alan Davis, que terá a participação de Thanos de alguma forma mas será estrelada de fato por Adam Warlock, que outrora foi o maior adversário do vilão mas, nos últimos gibis, se tornou seu improvável aliado.

“No final de Infinity Relativity, eu já sabia que o épico que eu queria contar tinha crescido demais e não caberia facilmente numa graphic novel final”, conta Starlin em entrevista ao Comic Book Resources. “Teria que existir uma sequência adicional. Aí, surgiu ainda a oportunidade de trabalhar com o Alan Davis. Ele sempre foi um artista com o qual eu sonhei em trabalhar. Então, eu e a Marvel encontramos um lugar para este conto do Adam Warlock”.

Na trama, veremos o desdobramento de alguns problemas mentais que Adam desenvolveu depois de se tornar o detentor do poder supremo, que o Aniquilador tanto quer. Basicamente, aquele que foi criado por cientistas para ser uma espécie de ser supremo, um Messias, acabou se tornando...bom, um Deus. Assim mesmo, com a primeira letra em caixa alta. “Naturalmente, isso não rola do jeito que nós esperaríamos, não é? Ter o poder sobre o tempo e o espaço em suas mãos não é uma tarefa fácil”. Magus, a personalidade maléfica do herói, deve fazer uma breve aparição antes do fim da trama, mas não será um elemento definidor da coisa toda. “Desde que retornei com esta nova saga Infinita, tudo foi focado apenas em Thanos, Warlock e no Aniquilador”.

Infinity Relativity

Logo depois, será a vez de uma graphic novel final, Thanos: The Infinity Finale, desenhada por seu parceiro costumeiro, Ron Lim, também a ser lançada em 2016. “Ron e eu sempre estamos na mesma página quando o assunto é contar histórias”, conta ele, para o site da Marvel. “Não nos encontramos tão costumeiramente, mas nosso relacionamento permanece forte ao longo do tempo e do espaço. Talvez sejamos gêmeos cósmicos?”, brinca. “Começamos esta história juntos, nada mais natural que a gente saia da dança junto também”.

Além do próprio Thanos, vão dar as caras na história nomes como o Surfista Prateado, Galactus, o Gladiador, Thor, Hulk, Raio Negro, Doutor Destino... “E teremos ainda um astro convidado bem especial e totalmente inesperado, quase no final do nosso conto”.

Starlin revela ainda que Thanos foi o primeiro personagem que ele criou profissionalmente – e que ele sempre foi o bebê (mais feio, diga-se) ao qual ele retornava toda vez que voltava a trabalhar com a Marvel. Neste The Infinity Finale, no entanto, o quadrinista deixa claro que pretende apresentar o seu documento definitivo sobre o vilão e e sobre a sua relação com a morte. “Retornar a escrever e desenhar Thanos e o restante do Universo Marvel é sempre como visitar velhos amigos. É sempre muito divertido sentar com eles e descobrir como eles têm passado – e mais ainda ampliar as suas histórias pessoais”.