É, parece que Mark Millar dominou Hollywood | Judão

Netflix comprou a Millarworld, garantiu a exclusividade de um monte de propriedades realmente interessantes, saiu mostrando o dedo do meio pra Hollywood e pode aumentar ainda mais a concorrência com a Amazon. E tinha gente dizendo que eles tavam na pior…

A galinha dos ovos de ouro de estúdios como Universal, Fox e outros possivelmente interessados em levar as criações de Mark Millar para os cinemas tem um novo dono.

Seguindo os passos da Warner em 1968 e da Disney em 2009, o Netflix anunciou nessa segunda (07) a compra da Millarworld, editora criada pelo escocês em 2004 pra ter total controle sobre os personagens e histórias, depois de vários e bem sucedidos anos na DC e na Marvel.

Essa é a primeira aquisição feita pelo Netflix.

“Através dos anos, a Millarworld acumulou vinte franquias diferentes, trabalhando com os maiores artistas do mundo e agora ela foi comprada pela mais legal e empolgante companhia de entretenimento do planeta” afirmou Mark Millar no seu site oficial. “Dizer que isso é a melhor coisa que já aconteceu nas nossas vidas profissionais é pouco”.

Com um acordo básico com todos os artistas que trabalham com ele que garante uma divisão de 50% pra cada um em caso de venda de direitos, o que fez seu empresário ficar bem puto aliás, dá pra imaginar que “a melhor coisa que já aconteceu na vida profissional” dessa galera (o que inclui o brasileiro Rafael Albuquerque) é DE FATO pouco, ainda que nenhum valor tenha sido revelado até o momento . ;D

“Juntos, Netflix e Millar darão vida ao portfólio da Millarworld através de filmes, séries e programas infantis disponíveis exclusivamente pelo Netflix ao redor do mundo” afirma o comunicado oficial do Netflix, se referindo a Wanted, American Jesus, Nemesis, Supercrooks, Superior, Starlight, MPH, Jupiter’s Legacy, Jupiter’s Circle, Chrononauts, Empress, Reborn e Huck.

Kick-Ass e Kingsman continuarão rendendo uns trocados pra Universal e pra Fox, que muito provavelmente começam a sentir ainda mais ódio do Netflix. :P

Ó a carinha dele. :D

Millar já trabalhou para a DC, onde foi o responsável, por exemplo, por Superman: Entre a Foice e o Martelo (que, recentemente, descobrimos que corre o risco de virar filme, uma ótima ideia), e pra Marvel, onde ajudou a criar o universo Ultimate e escreveu séries como Old Man Logan e Guerra Civil.

Apesar de todo o sucesso com as duas maiores empresas de quadrinhos do universo, Millar viu na Millarworld “uma chance de controlar os personagens criados e colher os recompensas de quaisquer futuros filmes, séries e merchandising que viessem daqueles personagens e gibis” e ainda de criar todo um universo em que “acredite ou não todos os títulos se conectam, mas você precisará lê-los pra descobrir como”, por mais que ele mesmo já tenha revelado como essas conexões são feitas há alguns anos. :)

Juntos, os quatro filmes baseados no Millarworld renderam mais de US$ 900 Milhões ao redor do mundo (sendo O Procurado o mais bem sucedido, curiosamente), e espera-se que Kingsman: O Círculo Dourado quebre a barreira do US$ 1 Bilhão logo no seu fim de semana de estreia.

E olha que não estamos contando as adaptações dos trampos pra Marvel, tipo Logan e Capitão América: Guerra Civil. :)

Nos baseando apenas e tão somente nos números, já seria uma boa ideia se o Netflix tivesse simplesmente comprado os direitos de adaptação das HQs. Nos baseando no mercado atual e no que o Mark Millar costuma produzir, bem como na maneira que ele o faz, foi uma jogada de mestre essa aquisição, que ainda vai poder colocar o Netflix em um outro mercado que, atualmente, é dominado por sua maior concorrente — a Amazon é a dona do ComiXology, que possui o maior catálogo de HQs digitais por aí.

Sendo Netflix e Marvel tão amigas, se a empresa de Los Gatos — que, antes de qualquer coisa, é focada em tecnologia — resolver MESMO investir nesse mercado, olha... A VER.

Ainda não há nenhuma data ou ideia do que é que vai ser adaptado primeiro, mas isso deve ser resolvido nos próximos meses.