Guardiões da Galáxia: mas quem é essa tal de Ayesha mesmo? | Judão

A moça dourada de Guardiões da Galáxia Vol. 2, interpretada por Elizabeth Debicki, deve ser uma das vilãs do filme e tem um longo histórico de aparições nos gibis

No vídeo exibido durante o intervalo do Super Bowl, ao som de The Chain, do Fleetwood Mac, tivemos uma breve introdução de cada um dos personagens que fazem parte da equipe principal em Guardiões da Galáxia Vol. 2 – incluindo a novata Nebula.

Mas antes de começar a sessão de apresentações, uma FLEUMÁTICA senhorita de pele dourada, cercada por outros seres igualmente áureos no que parece ser uma corte real, pergunta quem caralhos eles pensam que são (ou quase isso). Trata-se da primeira aparição da personagem de Elizabeth Debicki (atriz francesa que esteve em O Agente de U.N.C.L.E. e O Grande Gatsby), a misteriosa Ayesha, uma das vilãs desse segundo volume. Até o momento, o que a gente sabe é que ela faz parte de uma raça de nobres intergalácticos chamada Sovereign, que não existe nas HQs originais.

“Eles são todos geneticamente alterados, criados por si mesmos como uma espécie perfeita e autossustentável”, explicou James Gunn, durante uma visita ao set que o site Comicbook.com acompanhou.

“Eles são uns malas mesmo”, completa Kevin Feige. “São muito pomposos e se ofendem facilmente. Você tem que lidar e falar com eles de um jeito muito particular, e você precisa ser delicado”. Num grupo que tem caras como o Drax e o Rocky, BOM, talvez seja sinal de que teremos problemas de comunicação a caminho.

Sabemos também que, por algum motivo e em algum momento do filme, ela captura a Nebula e também se torna a responsável por contratar os Ravagers para colocá-los nos calcanhares dos Guardiões. Alguma razão a moça deve ter, não é mesmo? ;)

Mas apesar dos Sovereign não existirem originalmente no universo de papel da Marvel, a Ayesha é sim inspirada numa personagem da cronologia clássica da editora. Criada originalmente por Len Wein, David Kraft e Herb Trimpe, ela apareceu em The Incredible Hulk Annual #6 (1977) como um homem, que atendia por outro nome: o cinzento Paragon.

O sujeito superpoderoso, cujo cérebro foi alterado pelas habilidades de um neurocirurgião chamado Stephen Strange, apareceu como uma segunda tentativa dos cientistas do Enclave (também conhecidos como Colmeia, surgidos nos gibis do Quarteto Fantástico) de criar o ser supremo, como tinham feito antes para gerar um cara chamado Adam Warlock. Depois de lutar contra o Hulk, o Paragon se voltou contra seus criadores e ajudou a acabar com seu quartel-general, entrando logo em seguida em um casulo.

Anos depois, em Março de 1980, Paragon emergiu transfigurado como uma mulher, loira e de pele dourada. Isso rolou no especial Marvel Two-in-One #61. Atendendo inicialmente apenas pelo nome de “Ela” (em referência ao “Ele” que era usado para chamar o Adam assim que ele foi criado pelos cientistas), a moça logo botou na cabeça que precisava encontrar Adam Warlock. Afinal, eles dois eram seres perfeitos e, portanto, estavam destinados a ficar juntos para cumprir sua jornada.

Mas rolou um probleminha: o cara tinha morrido alguns anos antes, para salvar o universo de Thanos (AH LÁ). Ela até tentou ressuscitá-lo, não conseguiu, e partiu pelo cosmos em busca de um novo par ideal, chegando até a salvar um planeta da devastação com a ajuda dos Vingadores.

Capaz de usar a energia cósmica pra emitir rajadas de energia e voar, ela tem originalmente o pacote completo de atributos físicos super-humanos (força, agilidade) e um metabolismo que impede o envelhecimento, tornando-a praticamente imortal. Além disso, é capaz de rearranjar estruturas moleculares simples e reanimar tecidos mortos projetando uma porção de seu poder cósmico neles – mas não consegue ressuscitar uma pessoa, aka “trazer de volta o espírito/forma astral de alguém caso ele tenha saído do corpo”.

Enfim, não se esqueça que esta é a Marvel, minha gente. E, claro, eventualmente o Adam Warlock voltou à vida. Ela tratou de procurar o camarada para eles formarem um casal feliz. Só que ele tava tranquilo, tava de boa, e não quis. Aí, como toda pessoa comum que sofre uma rejeição faria, Ela resolveu montar uma COMPETIÇÃO entre os homens mais poderosos da Terra para ver quem seria digno de ser seu CONSORTE.

Botou pra tretar entre eles fortões como Hércules, Magnum, Hyperion, Doc Samson e o Quasar. No fim das contas, claro, como tava todo mundo ali obrigado, ninguém ficou com ela – mas, por sua nobreza, o Quasar chamou a atenção da jovem. O caso é que a secretária e namorada dele, Kayla Ballantine, deixou bem claro, na base da porrada, que o cara era comprometido.

Mesmo assim, Quasar e Ela saíram juntos por aí, vivendo uma série de aventuras enquanto a garota – que passou a atender pelo nome de Kismet, uma palavra turca para “destino” – buscava aquele que pudesse completá-la.

Passou por uma treta com os X-Men (“a estrutura genética deles os faz serem muito estáveis”, reclamou Kismet ao analisar os machos da espécie), brigou com o Super-Skrull e até com a Binária (uma das versões da Carol Danvers, com poderes amplificados). Quando teve a chance de resgatar três cientistas da Colmeia, não apenas os salvou como os colocou em casulos exatamente iguais aos seus, usados para regeneração. Quando saíram lá de dentro, eles também se tornaram super-humanos de pele dourada – e se tornaram seus acompanhantes nas jornadas pelo espaço. Bom, talvez aí esteja a inspiração para os Sovereign, afinal.

Recentemente, já usando o nome de Ayesha, a personagem estava sob o controle do vilão mutante chamado Labareda, lá pelos lados de Genosha, a nação dos filhos de X.

A presença de Ayesha obviamente acende um pouco das teorias a respeito da presença do Adam Warlock no MCU. O casulo dele apareceu na sala de troféus do Colecionador, no primeiro filme dos Guardiões. Por que ele não pode, de repente, ser um dos integrantes da ENTOURAGE da moça, revelado secretamente ao final do filme?

Afinal, sabemos que o Warlock é o grande inimigo de Thanos, o principal responsável por sua derrota – e o próximo passo dos Guardiões, depois do segundo filme, é uma parada pra enfrentar o vilão roxo do queixo esquisito. Melhor ainda, aliás: como a “versão feminina” de Adam Warlock, a própria Ayesha não poderia assumir este papel?

Talvez tenhamos parte desta resposta quando Guardiões da Galáxia Vol.2 estrear por aqui, no dia 27 de Abril.;)