Miss Marvel, Eternos, Cavaleiro da Lua: o futuro da Marvel nos cinemas | JUDAO.com.br

Nas últimas semanas, o estúdio foi dando pequenas pistas de qual pode ser o caminho que vai seguir depois de Vingadores 4

Que as coisas devem mudar bastante depois do quarto filme dos Vingadores, aquele que chega aos cinemas no ano que vem, isso a gente já sabia. E não, não tem NADA a ver com AQUELAS mortes, mas sim com um monte de contratos que se encerram e que podem mudar de vez a cara da formação da equipe e, igualmente, do Universo Marvel nos cinemas.

Tá, tá bom, depois do caminhão de dinheiro que Guerra Infinita fez (e está fazendo), chega a ser ingenuidade achar que, depois do quarto, a Disney/Marvel não esteja pensando em fazer outros filmes dos Vingadores lá na frente, ainda que com uma formação diferente, sem Capitão América ou Homem de Ferro, por exemplo, mas usando novas peças do tabuleiro como a Capitã Marvel e o Pantera Negra. Foi exatamente isso, aliás, que Bob Iger, CEO da Disney, deu a entender durante uma teleconferência discutindo os resultados financeiros da companhia, conforme relatado pelo Hollywood Reporter.

Vingadores 4 fechará um ciclo iniciado com o primeiro filme do Homem de Ferro, significando o fim da jornada para alguns personagens, isso o Iger confirmou, da mesma forma que os Russo também já tinha dito. Porém... “Dada a popularidade dos personagens e da franquia, não acho que as pessoas deviam concluir que nunca mais haverá outro filme dos Vingadores”, diz o executivo. “Nos encontramos regularmente com nosso time da Marvel para planejar os filmes que vão pavimentar a próxima década. Arrisco dizer que vamos apostar numa nova franquia além dos Vingadores”.

Então, era aí que a gente queria chegar. Depois de Vingadores 4, o que mais a gente sabe que tá nos planos da Casa das Ideias para os cinemas? Capitã Marvel tá sendo filmado nesse momento, Guardiões da Galáxia Vol. 3 e a continuação de Homem-Aranha: De Volta ao Lar são produções confirmadas na lista. Mas... o que mais? Onde o estúdio poderia arriscar? Quais serão os próximos Guardiões ou Homens-Formiga da trupe de Kevin Feige? Talvez uma das apostas esteja... nos Eternos?

Bom, olha só, o que era um “vamos ver, talvez seja uma boa ideia” agora tá tomando ares de oficial, porque a Marvel contratou uma dupla de roteiristas pra cuidar do roteiro da bagaça. E a escolha foi fantástica, porque tamos falando dos primos Matthew e Ryan Firpo, nada menos do que os vencedores da tradicional Black List edição 2017 com o roteiro de Ruin, sobre um ex-capitão nazista que tem que acertar contas com seu passado.

Criação clássica porém um tanto obscura do mestre Jack Kirby, talvez os Eternos sejam a resposta da Marvel ao anúncio de que teremos um filme dos Novos Deuses saindo pela DC. Aliás, os Eternos, lançados em julho de 1976, foram criados por Kirby quando ele saiu da DC e voltou pra Marvel, com uma temática bastante similar. Quando a lendária raça de seres antigos conhecidos como Celestiais visitou a Terra há cerca de cinco milhões de anos e realizou experimentos em espécimes proto-humanos, criaram duas raças divergentes.

A primeira delas, os Eternos, são seres praticamente perfeitos, de viga longa e com superpoderes incríveis, “moldados” para serem os defensores da humanidade. Os outros, os Deviantes, são seus inimigos de longa data, criaturas geneticamente instáveis e de aparência grotesca. As disputas entre as duas linhagens, além das batalhas de poder pela liderança de ambas as comunidades vivendo em certa reclusão do restante da humanidade em um ambiente de tecnologia avançada, são descritas como sendo algo tipo Game of Thrones — o mesmo descritivo que coube aos Novos Deuses, aliás. ;)

Recentemente, no entanto, Kevin Feige adicionou dois outros nomes bastante interessantes a esta conversa. Primeiro, durante a coletiva de imprensa de Guerra Infinita nos EUA, o todo-poderoso dos Marvel Studios foi diretamente perguntado, já que o assunto vem sendo alvo de boataria ao longo dos anos (incluindo até uma piada de 1o de abril recorrente envolvendo as séries do Netflix): “afinal, existem planos para o Cavaleiro da Lua no MCU?”. Feige não se esquivou e foi direto e reto. “SIM”. Mas, claro, pra evitar a pergunta seguinte (que obviamente seria “quando?”), o sujeito se esquivou. “Isso significa daqui a cinco, dez, quinze anos? Temos pilhas de cartões de personagens em nossos escritórios de desenvolvimento, nos quais sempre estamos de olho, discutimos...”.

Personagem favorito dos fãs mais antigos da editora, o Cavaleiro da Lua, criação de Doug Moench (roteiros) e Don Perlin (arte) em 1975, é considerado como sendo o Batman da Marvel. Com um tom originalmente mais sombrio do que o se costuma ver nos gibis da empresa, o ex-soldado Marc Spector talvez seja um dos personagens mais complexos e ao mesmo tempo fascinantes de suas HQs. Em uma missão no Egito, usando suas habilidades militares como mercenário, ele acaba ficando entre a vida e a morte até que recebe uma segunda chance de ninguém menos do que Khonshu, o deus egípcio da Lua, para se tornar o seu avatar entre os humanos.

Eis que então Spector decide usar sua nova vida — além de seus reflexos ampliados e agilidade de ginasta olímpico — para fazer o bem e combater o crime, criando o uniforme do Cavaleiro da Lua. De volta aos EUA, ele investe sua pequena fortuna para criar um arsenal e duas outras identidades: o milionário Steven Grant, dono de uma mansão que lembra muito a de você sabe quem, que lhe permite circular na alta sociedade; e o taxista Jake Lockley, que o deixa ainda mais próximo do ambiente das ruas.

A piração, na verdade, acontece porque, nos gibis mais recentes, Spector desenvolve um transtorno de personalidade múltipla, dissociando o original de Grant, Lockley e do próprio Cavaleiro da Lua/Khonshu.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Mas calma que não acabou — e, aliás, a notícia mais legal é também a mais quente e a que guardamos pro final. Porque, num papo com a BBC, Kevin Feige enfim falou aquilo que a gente aqui no JUDAO.com.br tava esperando há um bom tempo. “Miss Marvel... está definitivamente meio que sendo trabalhada”. E pra mostrar que, não, não tem pegadinha aqui, já que Carol Danvers, a Capitã Marvel, já usou o nome de Miss Marvel, ele deixa claro de QUEM está falando. “A heroína muçulmana que foi inspirada pela Capitã Marvel. Temos planos para ela, agora que apresentamos a Capitã Marvel ao mundo”.

APRESENTAMOS talvez seja um verbo bastante exagerado, já que a Carol só vai dar as caras OFICIALMENTE no seu próprio filme ano que vem, mas digamos que deu pra entender a ideia.

Há cerca de dois anos, já tínhamos cravado aqui que a adolescente inumana Kamala Khan, muçulmana de origem paquistanesa, era uma escolha perfeita para os cinemas, justamente por toda a questão da representatividade islâmica longe de estereótipos babacas. Considerando o mundo que temos de 2016 pra 2018, rapaz, não seria apenas legal demais ver a Kamala nos cinemas, mas sim ESSENCIAL.

“Miss Marvel. Se nós fossemos lançar essa revista há dez anos, provavelmente nunca teria dado certo”, relembra Joe Queasada, ex-editor chefe e atual CCO (aka “o criativo mais fodão”) da Marvel, em entrevista pro CBR. “Não só achamos o público, mas também tínhamos as pessoas certas na publicação e achamos a editora certa [Sana Amanat], os quadrinistas certos. E agora temos uma personagem que é muito conhecida – e isso muito, muito rápido. Quem sabe onde a Miss Marvel vai chegar? Você pode ter certeza: em algum momento, ela será parte do futuro da Marvel em outra mídia”.

Houve quem apostasse que a “profecia” de Quesada para a menina com a capacidade de esticar o corpo e mudar de forma teria se cristalizado em Marvel Rising: Secret Warriors, a nova franquia animada que vai culminar em um filme de animação no final deste ano, como parte de uma equipe formada ainda por Garota Esquilo, America Chávez, Quake, Spider-Gwen...

Mas, pela declaração de Feige, PARECE que o destino de Kamala promete ser ainda mais brilhante.

A gente fica aqui, de verdade, torcendo para que SIM. Não só a gente, é importante que se diga — porque o ator/rapper Riz Ahmed (Rogue One), também de origem paquistanesa, ficou sabendo desta história aí e já correu pro Twitter, se oferecendo pra escrever o roteiro de um potencial filme da Miss Marvel. E mais: colocando na roda com ele ninguém menos do que Mindy Kaling (The Mindy Project, The Office) e Kumail Nanjiani (The Big Sick). Que trio!

Aliás, no campo das ideias, vale aqui arriscar: que coisa MARAVILHOSA seria um encontro dela com a Shuri dos cinemas. SÉRIO, Marvel, você PRECISA fazer isso acontecer.