Nas cartinhas, Netflix encontrou uma franquia de fantasia para chamar de sua | JUDAO.com.br

Com anos e anos das mais diferentes expansões, o que não vai faltar é história pra contar…

Com o sucesso impressionante de Game of Thrones, claro, os grandes estúdios perceberam que o gênero fantasia pode sim continuar atraindo uma quantidade insana de fãs, ainda que na telinha. Na tentativa de ganhar seu próprio espaço nesse mercado, o Netflix uniu-se à Hasbro e à Wizards of the Coast para fazer a primeira série televisiva animada de Magic: The Gathering, com o streamer reunindo uma equipe de peso para o projeto.

Recém-saídos do MCU, os irmãos Joe e Anthony Russo, diretores de Vingadores: Ultimato, serão os produtores executivos da adaptação, que também contará com Henry Gilroy (Star Wars: A Guerra dos Clones e Star Wars Rebels) e Jose Molina (The Tick e Agent Carter) como co-produtores executivos e roteiristas da animação.

“Mais fãs estão curtindo Magic agora do que em qualquer momento em seus 25 anos de história, graças à popularidade duradoura do jogo de mesa e nosso mais recente lançamento War of the Spark, bem como o incrível sucesso do nosso novo jogo digital, Magic: The Gathering Arena“, disse  em comunicado oficial o presidente da Wizards of the Coast, Chris Cocks. “Estamos felizes em colaborar com Joe e Anthony Russo para trazer o rico e diversificado elenco de personagens e mundos de Magic: The Gathering para o Netflix de uma forma que encantará nossos muitos fãs e novatos na franquia”, complementou.

O serviço de streaming e a Wizards of the Coast – responsável pela produção – não decidiram quantos episódios serão produzidos e muito menos a duração de cada um deles, preferindo deixar a própria narrativa da série direcionar essa decisão. Isso é uma escolha bastante inteligente que pode evitar uma série longa demais sem necessidade, um problema recorrente nas produções do Netflix.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Segundo fontes ouvidas pelo site Hollywood Reporter, o grande objetivo do Netflix e da Wizards of the Coast é expandir a história para uma franquia maior, com várias séries – algo como rolou com as séries da Marvel recentemente canceladas. Sem qualquer informação sobre narrativa, ainda não sabemos se a série será completamente inédita baseada nas cartas em si ou se seguirá algumas das tramas sobre elas, lançadas nas várias edições e expansões.

Com 38 milhões de fãs e cartas publicadas em 11 idiomas, essa é a primeira vez que uma adaptação de Magic: The Gathering realmente sairá do papel. Em 2014, a Fox planejou uma adaptação para o cinema, mas o projeto – com roteiro de Bryan Cogman e produção executiva de Simon Helberg – não foi para frente.

A série animada se junta ao crescente catálogo de animações do Netflix, que já conta com animes como Devilman Crybaby, Ultraman, Aggretsuko, além das animações adultas Big Mouth, BoJack Horseman e Tuca & Bertie. Depois de encerrar seu contrato com a Marvel, o Netflix continua sua caçada para adquirir novas franquias compradas diretamente da fonte. Anteriormente, assinou contratos bastante expressivos com Mark Millar e a Roald Dahl Co. para construir novas franquias.

Magic: The Gathering se une à nova onda de séries de fantasia que serão lançadas nos próximos anos, como os prequels de Game of Thrones produzidos pela HBO e o live action de O Senhor dos Anéis em fases iniciais produzido pela Amazon. Demos adeus aos dragões de George RR Martin, mas o futuro da fantasia na televisão parece bastante promissor.