Nicki Minaj mostrou pro Brasil que é Queen MESMO | JUDAO.com.br

Pela primeira vez no país, a cantora mostrou que sabe muito bem comandar um show super bem estruturado, cheio de hits e muuuuuito divertido! :D

Nicki Minaj, que é uma das artistas-proprietárias do Tidal, veio ao Brasil pela primeiríssima vez pra divulgar uma nova parceria do serviço de streaming por aqui, num dos já tradicionais TIDAL X que acontecem ao redor do Mundo. O JUDAO.com.br conferiu a apresentação e, meu leitor querido... QUE MULHER.

A abertura INCRÍVEL, ficou a cargo de Rincon Sapiência. A banda entrou tocando fogo em tudo com músicas como A Coisa Tá Preta, Ostentação à Pobreza e até covers de funks bem famosos e queridos da plateia, como Bum Bum Tam Tam do MC Fioti e a CONTAGIANTE Bololo Haha do MC Bin Laden. O público ficou bem animado, mas nada se compara com o momento em que Nicki chegou.

O evento era fechado e apenas pessoas convidadas e sorteadas puderam comparecer. A cantora ACABOU de lançar seu último álbum de estúdio em 4 anos, o Queen, e o palco estava to-di-nho dourado, com um enorme trono, unicórnios, asas e um letreiro gigantesco com o nome do novo trabalho. Ela entrou acompanhada de seus dançarinos, todos cobertos com uma longa capa e capuz, enquanto a galera simplesmente não parava de gritar MUITO alto, com todos os celulares apontados para não perder a hora em que ela de fato começasse a cantar. Ela escolheu Majesty pra abrir sua apresentação e já chegou mostrando que sua presença de palco é única.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Nicki é cativante. Não só por ser muito bonita e dançar bem, mas sua interpretação das letras que canta é afiadíssima. Muito expressiva e sabendo BEM disso, abusa do tamanho do seu sorriso e olhos pra fazer a gente sentir várias coisas. Durante a romântica Right Thru Me, que ela dedicou a todos que estavam apaixonados ali, seu rosto mostra uma doçura encantadora típica de quem tá amando alguém. Truffle Butter, Ganja Burn e Beez in the Trap tiveram uma Nicki de cenho fechado, assertiva, que fala sobre seus dólares e o TANTO de trabalho que teve pra consolidar sua imagem apesar de sentir que querem puxar seu tapete o tempo inteiro; Chun-li trouxe mais seriedade e indiganção sobre a narrativa de “mulher raivosa” que ela ganhou na mídia; Starships, Moment 4 Life e tantas outras ganham cores novas e muito contagiantes ao vivo.

Como todo bom artista que vem ao Brasil, Minaj mandou o seu ~ô-bri-ga-dôu~ e declarou tooodo o seu carinho pelo país. Ela parou uma música para cumprimentar um fã que reconheceu do Twitter, promoveu um concurso de twerking entre meninas que escolheu na plateia ao som de Vai, Malandra, Bum Bum Tam Tam e Só Quer Vrau, carregou a bandeira pelo palco e se enrolou nela mais de uma vez.

Pra fechar, ela escolheu o PUTA hit Super Bass. O pessoal pulou feito MALUCO (inclusive quase perdi as chaves de casa que estavam no meu bolso), os dançarinos baixaram a guarda e pareciam tão fãzocas quanto aqueles na plateia, todos com muitos sorrisos e uma sensação de apresentação bem concluída, perfeito pra encerrar essa passagem relâmpago.

Nicki ainda prometeu não demorar a voltar e eu espero MESMO, porque ela mal foi embora e já deu saudade. Música boa, apresentação bem pensada, set list consistente, tudo isso feito por uma mulher negra. Foda MESMO.