O Batman não é feliz. E ele tem medo. | Judão

A transformação de Bruce Wayne e o que está por trás do CLIFFHANGER de Batman #24

SPOILER! Batman pediu a Mulher-Gato em casamento. Esta é a manchete simples e direta, que circulou nesta terça (6) após uma publicação no USA Today. Ao veículo, a DC Comics revelou que o Cavaleiro das Trevas pediria Selina Kyle em casamento em Batman #24, publicada hoje (7).

Não que seja uma novidade: apesar do herói já ter tido INTERESSES AMOROSOS como Vicki Vale e Talia al Ghul, Bruce e Selina tiveram suas idas e vindas em seu relacionamento nestes 75 anos dos personagens. No universo alternativo da Terra-2, povoado pelos heróis da Era de Ouro, eles se casaram após alguns anos de relacionamento – e, juntos, tiveram a Helena Wayne, mais conhecida como Caçadora. Mas, no Universo DC principal, eles nunca juntaram os trapos. Até agora.

“Eu quero que as pessoas fiquem tipo ‘será que eles devem se casar? Ela deve dizer sim?’ Tem toda uma conversa que vem a partir disso”, disse o roteirista Tom King. “Dar mais dor ao Batman não revela nada porque o personagem já tem muita dor. Mas dar amor e alegria a ele, combinada com a tragédia de seu passado, é algo novo e nunca feito anteriormente”.

Dá pra entender um pouco mais onde o roteirista quer chegar ao ler Batman #24: Bruce Wayne tá infeliz. Se, na visão de roteiristas como Grant Morrison e Scott Snyder, o herói era casado com Gotham e se sentia completo ao combater o crime, não é isto que acontece na versão de King. Tudo aprofundado no último arco, The Button

.

Lá, Bruce foi, junto com o Flash, para outro universo, aquele de Flashpoint e no qual Thomas Wayne se tornou o Homem-Morcego. Nesse encontro familiar, o filho ouviu um “não seja o Batman” do pai, um “encontre a felicidade”, algo que, junto com toda a loucura de ver um pouco de si mesmo em um universo alternativo, fez Bruce reavaliar a vida e perceber que não é feliz.

“Eu não sou Batman porque eu gosto”, disse o herói para a Gotham Girl, personagem introduzida no Rebirth da DC e com quem o Homem-Morcego desenvolveu uma amizade, na revista publicada nesta quarta. “Eu sou o Batman porque eu sou o Batman”.

“Eu faço isso, mas não sou feliz”, completou Bruce, que filosofou: “A vida não é tão longa. Não há muito tempo nela para fazer o que você não precisa”. O herói também explicou porque não é feliz: “Porque eu tenho medo. Eu falho porque eu tenho medo. [...] Eu não quero ficar maluco. Então eu tenho medo”.

A vida não é tão longa. Não há muito tempo nela para fazer o que você não precisa

O Batman pode ser uma figura quase mitológica, criada pra inspirar o medo no coração dos criminosos mas, tirando aquela máscara, Bruce Wayne é apenas um homem. Alguém que perdeu os pais cedo, que teve apenas uma motivação na vida e se dedicou integralmente a ele. O dever sempre foi mais importante do que a felicidade, do que a vida. Do que o amor.

Bruce é como nós, que nos dedicamos ao trabalho todos os dias, desperdiçamos horas, dias, semanas, meses e anos fazendo algo que não necessariamente nos faz feliz. Fazemos porque precisamos. Seja porque a sociedade exige, porque precisamos pagar contas, porque somos cobrados. Ficamos incompletos e vivemos com medo. Medo de ficarmos insanos.

Pela primeira vez, Bruce percebeu que isso é errado. Que ele se torna falho, incompleto. Que, agora, ele precisa fazer não o que ele precisa fazer, mas o que quer. E ele ama Selina Kyle.

É por isso que Batman #24 termina com um pedido de casamento.

Casamentos são sempre complicados nos quadrinhos – é só lembrar das idas e vindas de Superman e Lois Lane, ou todo o rolo da Marvel com Homem-Aranha e Mary Jane. Mas, pela primeira vez, consigo ver um motivo para a união, pensando na evolução do personagem e no arco dramático. ÓBVIO que a DC quer aumentar as vendas, mas também vemos que jogar amor e felicidade em um personagem tão soturno pode ser realmente interessante. O contrário, talvez, do que o Dan Slott faz com o Aranha, sempre jogando um problema atrás do outro na vida do herói.

A revista, como já esperado, terminou num cliffhanger. Devemos saber se Selina Kyle aceitará o pedido em Batman #25, que sai em 21 de Junho. Vamos ver onde isso vai dar: se foi apenas uma edição para vender mais ou se teremos, em breve, o casamento do século.

Eu, pelo menos, não sei o que pensar sobre o que irá acontecer daqui pra frente. Só sei que, hoje, eu me identifico com o Batman. E que em mim ele tem meu ombro amigo. Tamo junto, Bruce.