O que o afastamento de Christopher Tolkien representa pra cultura pop | Judão

Essa história é mais do que apenas uma movimentação de bastidores — e o anúncio acontece justamente depois DAQUELE anúncio com a Amazon…

Geralmente estas idas e vindas em cadeias de comando no mercado de entretenimento não são lá as coisas mais emocionantes do mundo — justamente por serem como em qualquer outro nicho do cenário corporativo, um CEO que sai, um diretor executivo que assume, geralmente um bando de engravatados trocando o status no LinkedIn. Mas, em algumas raras ocasiões, costuma ser algo representativo — e aí você vai ver a gente falando sobre isso por aqui, como é o caso do afastamento de ninguém menos do que Christopher Tolkien da diretoria do chamado Tolkien Estate and Trust, a empresa por trás do espólio das obras de J.R.R. Tolkien.

Aos 93 anos, o terceiro filho do criador de O Senhor dos Anéis, de longe o mais ativo dos representantes da família do escritor, já tinha dado a dica de que tava pretendendo se aposentar das atividades no prefácio de Beren and Luthien, livro lançado este ano, no qual diz que “este é (preventivamente) o meu último livro de uma longa série de edições dos escritos de meu pai”. Embora a notícia tenha se tornado pública apenas agora, um acesso ao site britânico de registro de pessoas jurídicas mostra que Christopher vazou do cargo no último dia 31 de Agosto, na miúda, sem nenhum alarde, como ele sempre quis tocar sua vida. No board de diretores, ainda constam sua esposa Baillie Jean, seu filho único Simon Mario e até sua irmã Priscilla Mary, hoje com 88 anos.

Qual é a importância desta movimentação, portanto? Total e completa. Porque estamos falando do principal porta-voz dos representantes de Tolkien nos últimos anos (mais junto aos fãs do que junto à imprensa, é preciso ressaltar), grande especialista em suas criações, editor de seus escritos, um verdadeiro purista e opositor aberto das adaptações que foram feitas pela Warner desde 2001. Logo, o quebra-cabeças se monta do jeitinho certo, porque algo parecia de fato bastante estranho na notícia de que uma série de TV inspirada na jornada de elfos, hobbits e anões estava não apenas sendo negociada mas foi efetivamente fechada com a Amazon por um combo da editora HarperCollins, da New Line/WB e da Tolkien Estate and Trust.

Isso não tinha MESMO o dedo de Christopher Tolkien.

Afinal, se o sujeito se opunha tanto ao que era feito das histórias de seu pai nos cinemas, como diabos ele concordaria com este lançamento ao mercado para negociar a adaptação — em conversas que rolaram não apenas com a Amazon mas, segundo o Deadline, também com Netflix e HBO? Segundo informações de bastidores, o restante da família sempre foi mais aberto a este tipo de conversa — seu filho Simon, inclusive, já tinha se colocado à disposição para trabalhar JUNTO com Peter Jackson, enquanto Christopher estava lá cuspindo fogo contra os seis filmes ambientados na Terra-Média.

Este esforço todo parece ter sido BEM coordenado e que talvez Christopher já tenha abandonado as atividades antes do mês de Agosto. Em Julho deste ano, um IMBRÓGLIO judicial entre a Warner e os herdeiros de Tolkien finalmente foi resolvido, com uma compensação no valor de US$ 80 milhões pela utilização de personagens de O Senhor dos Anéis em produtos digitais, como joguinhos e aplicativos. Claro, este tipo de questão jamais havia sido discutida até o momento porque o acordo de cessão de direitos foi feito lá em 1969, mas o que deixou Christopher e Priscilla PUTAÇOS foi descobrir um jogo de apostas on-line que trazia os rostos de Frodo e sua turma. A Warner chegou até a fazer um CONTRAPROCESSO contra os Tolkien tudo aí, alegando que a ação os tinha feito perder milhões de doletas em oportunidades de licenciamento, mas parece que tudo ficou lindo.

“Ambas as partes estão satisfeitas de informar que a questão foi resolvida de forma amigável e continuam dispostas a trabalharem juntas no futuro”, afirmou a companhia da Caixa d’Água em comunicado oficial sobre o acordo. E parece que o futuro, para eles, acabou sendo mais rápido do que qualquer um imaginava.

E como os direitos de televisão também não constavam daquele acordo original lá do final dos anos 60, a união fez REALMENTE a força por aqui. Este pode, aliás, ser o primeiro passo para transformar O Senhor dos Anéis em uma FRANQUIA mesmo, retomando talvez até um papo sobre um parque temático que rolou anos atrás, algo tão extenso quanto um Star Wars da vida, para alegria de alguns e desespero de tantos outros.

Christopher, o próprio, em uma de suas raras fotos

Em 2012, depois de passar quase quatro décadas sem falar com a imprensa, Christopher resolveu abrir o coração em uma entrevista pro jornal francês Le Monde. “Eles EVISCERARAM o livro original, transformando-o em um filme de ação para jovens de 15 a 25 anos”, afirmou o herdeiro, que teria se recusado a conhecer Peter Jackson quando convidado.

“E parece que O Hobbit vai seguir o mesmo caminho”, completou, relembrando que naquele mesmo ano chegaria aos cinemas o capítulo 1 da nova trilogia. “Tolkien se tornou um monstro, devorado pela própria popularidade e absorvido pelo absurdo do nosso tempo. O abismo entre a beleza e seriedade do trabalho original e o que se tornou me tira do sério. A comercialização reduziu a estética e o impacto filosófico da criação à nada. Só tem uma solução pra mim: virar minha cabeça pro lado”.

Parece que ele virou mesmo — tanto é que a Amazon afirmou, em seu comunicado oficial, que a tal série vai se passar ANTES dos eventos do primeiro filme/livro de O Senhor dos Anéis. O que isso significa? Um milhão de possibilidades. Desde uma reinterpretação de O Hobbit, passando por algo inédito entre O Hobbit e A Sociedade do Anel, talvez o próprio Beren and Luthien e mesmo uma aposta mencionada pelos fãs mais devotos, que seria Os Filhos de Húrin, sobre um dos maiores guerreiros humanos de todos os tempos, aprisionado por Morgoth, o grande inimigo de Arda e a quem Sauron servia no início dos tempos.

A gente sabe bem o que passa na cabeça do leitor fiel de Tolkien quando se fala de qualquer coisa que cronologicamente se posicione pré-Senhor dos Anéis. Sim: O Silmarillion, obra publicada em 1977, quatro anos depois da morte de Tolkien, com uma reunião de materiais ainda inacabados do escritor sobre o início dos tempos, a criação do mundo, a Primeira e a Segunda Era muito antes dos anéis de poder, quase como um “Velho Testamento” de toda a sua mitologia... e uma obra que NÃO consta do acordo inicial com a Warner. :D

Considerada uma das joias da coroa da literatura tolkieniana (e, por isso mesmo, um dos trabalhos favoritos de Christopher, que teve que costurar tudo e em alguns pontos até criar algumas passagens pra manter a narrativa das anotações apressadas de seu pai coerentes com o que vinha depois), é o sonho molhado de muita gente pra se tornar filme ou série de TV. “Eu não acho que o Tolkien Estate curtiu muito nossos filmes, então acredito que O Silmarillion não vai pra lugar nenhum em muito, muito tempo”, chegou a responder Peter Jackson quando questionado por um fã, em 2012, durante o painel de O Hobbit na San Diego Comic-Con.

Pois é. Se o mundo das obras de Tolkien deu tantas reviravoltas nos últimos meses, bom, pode ser que a maior delas ainda esteja reservada para o final. Aguardemos as cenas dos próximos capítulos. ;)