O triste fim do Framboesa de Ouro | Judão

O prêmio, que antes servia pra provocar, divertir e rir de Hollywood, hoje é só mais uma paródia dele mesmo… ¯\_(ツ)_/¯

Foi-se o tempo em que o Framboesa de Ouro, o prêmio de “piores filmes do ano”, servia pra alguma coisa.

Sentimos a vergonha alheia de Ben Affleck e Jennifer Lopez quando ele rapelaram a premiação com Gigli, percebemos que até a Halle Berry considerava Mulher-Gato ruim, sendo uma das poucas pessoas a, de fato, receber o troféu em mãos. Eram premiados e indicados filmes ruins com grandes nomes, em sua maioria, que eram expostos ao ridículo — uma perfeita sátira.

Era também uma paródia do Oscar, com suas primeiras edições acontecendo na mesma noite de entrega do “Careca Pelado”, o que mudou quando o criador do prêmio, John J. B. Wilson, percebeu que com a imprensa de todo o Mundo em Los Angeles pra cobrir o outro prêmio, era mais jogo fazer a entrega uma noite antes. E foi assim que CNN, BBC e tantos outros começaram a prestar a devida atenção à Framboesa de Ouro, que começou de surpresa na sala de Wilson, em 1981.

De uns anos pra cá, porém, tanto a sátira quanto a paródia se perderam naquilo que faz o Oscar ser o que é, do jeito que é: a politicagem.

As indicações mais pareciam perseguições, com praticamente todos os nomes concorrendo ano após ano, mudando apenas o filme. Michael Bay, Kristen Stewart, Robert Pattinson, Tyler Perry, Sarah Jessica Parker, Megan Fox, Mike Meyers, Adam Sandler, Paramount Pictures... É mais ou menos como, no Brasil, você dizer que pagode e sertanejo é ruim, que Globo Filmes não presta, simplesmente porque sim. Nem é porque você não gosta, o que seria justo, veja; é só porque sim, porque você precisa odiar alguma coisa.

Agora pergunta se X-Men Origens: Wolverine foi indicado?

Sandra Bullock recebe seu Framboesa de Ouro, um dia antes de receber seu Oscar

Sandra Bullock recebe seu Framboesa de Ouro, um dia antes de receber seu Oscar

Mas aí chega 2015 e eles se superam. Chega 2015 e eles começam a correr atrás do próprio rabo, tropeçam e enfiam a cabeça no cu. Chega 2015 e eles criam um prêmio para um pessoal... que se redimiu. É um pedido de desculpas que acaba com toda e qualquer credibilidade que o palhaço poderia ter.

É como se o Charlie Hebdo tivesse pedido desculpas aos muçulmanos, pra colocar as coisas num contexto atual.

É um tanto óbvio que um ator/diretor que faz um filme ruim, em algum momento, vai fazer um filme bom; ou ator/diretor ótimo vai acabar cagando no pau em algum momento. Há exemplos infinitos por aí. No próprio Framboesa de Ouro, inclusive: quando indicada e HONRADA com o prêmio, em 2010, Sandra Bullock também ganhou o Oscar, uma noite depois.

Halle Berry só fez Mulher-Gato depois de ter ganhado um Emmy, um Globo de Ouro, um Urso de Prata, um BAFTA e um Oscar. E era EXATAMENTE essa a piada.

LEIA TAMBÉM!
O Oscar ao contrário

Ao indicar Keanu Reeves por De Volta ao Jogo, Jennifer Aniston por Cake, Mike Meyers pela direção de Supermensch: The Legend of Shep Gordon, Kristen Stewart por Camp X-Ray e, principalmente, Ben Affleck por Argo (!) e Garota Exemplar, o Framboesa de Ouro pede desculpas pela brincadeira que fez em anos anteriores e perde, de uma vez por todas, a sua graça e, claro, a sua razão de existir.

Mordendo e assoprando, tentando conquistar o amor dos malditos fandoms (já vi gente comemorando e elogiando a indicação da Kstew), preferindo não bater de frente com ninguém... O Framboesa de Ouro nunca precisou de nada disso — até porque qualquer um pode votar, sendo necessário apenas PAGAR pra ser membro da Golden Raspberry Award Foundation.

Isso ou talvez eu que não tenha compreendido a genialidade de satirizar e parodiar a si mesmo. Pra mim é só burrice, mas vai que?