O lado mais obscuro do futebol | JUDAO.com.br

O Outro Lado da Bola, de Álvaro Campos e Alê Braga, imagina como seria se o grande jogador de um dos times de maior torcida do Brasil, se revelasse homossexual

Eu sou uma dessas pessoas que já gritou coisas homofóbicas em estádio de futebol e fiz o que eu julgava serem piadas em redes sociais. Sempre fui desses que “ah, é só brincadeira” ou “ah, eles se irritam com isso”. Mas como assim alguém se irrita por ser chamado de homossexual? Por que isso é considerado ofensa? Qual é realmente o problema?

Na verdade, ser questionado sobre sua orientação sexual é nada quando a gente começa a perceber a violência que o pessoal LGBTQ+ sofre simplesmente por ser assim. Uma violência que, mesmo que indiretamente, minhas “piadas” e “ofensas” ajudavam a propagar e que, com o tempo, ouvindo quem sofre falar e me colocando no lugar deles, pararam — algo que, olha só, eu recomendo muito que vocês façam também.

Aí, então surge a HQ O Outro Lado da Bola, escrita pelo nosso amigo Álvaro Campos (sim, aquele do Podcast de Cinema!) e Alê Braga, com arte de Jean Diaz (que já fez trabalhos para DC Comics, Dark Horse, entre outros), revelando o “lado mais obscuro do futebol”, chegando com os dois pés, calçando chuteiras, no peito de todos os fãs de futebol, disponível na Amazon (que tá com promoção!), Livraria Cultura e Saraiva.

Na história, o ex-namorado do jogador Cris sofre um ataque homofóbico e morre, o que faz com que o jogador, estrela de um dos clubes de maior torcida do Brasil se revele ao Mundo, virando toda a sua vida de cabeça pra baixo com todas as reações dos seus colegas, patrocinadores, imprensa e torcida.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

“A ideia é mostrar um lado do esporte que existe de fato. E que reflete muito uma
realidade do país que acreditamos que precisa mudar. Onde a impunidade sempre existiu, e a
paixão pelo futebol sempre a mascarou”, dizem Álvaro Campos e Alê Braga. Obviamente, existem pessoas e organizações sérias no esporte. Mas outras...”

“Os xingamentos usados no estádio, contra adversários e árbitros, sempre foram
machistas e relacionados à homossexualidade, e considerados absolutamente normais e
corriqueiros”, continuam. “As crianças aprendem a xingar nos estádios, com palavras sempre ligadas à homossexualidade. Se hoje a sociedade recebe o tema de uma forma muito mais natural em
diversas áreas profissionais, no futebol a situação parece estar décadas atrasada”.

Se você parar pra pensar que, no mundo, em 2018, são poucos os jogadores que se revelaram homossexuais e, no Brasil, isso nunca aconteceu...

Nessa quinta-feira, 28 de Junho, vai rolar um bate-papo com os autores e convidados especiais no Rio de Janeiro, na Livraria Argumento. A ideia é não só falar sobre a graphic novel, como também sobre tooooda essa questão de homofobia no futebol e no esporte, de maneira geral — e, sei lá, em época de Copa de Mundo num país como a Rússia, isso parece mais do que necessário. (Fora que você, que tem saudade do Podcast de Cinema da MTV, pode ir lá dar um abraço no Álvaro, né?)

Segue o serviço!

Lançamento O Outro Lado da Bola no Rio

Quando: Quinta-feira, 28 de Junho, à partir das 19h00
Onde: Livraria Argumento
Rua Dias Ferreira, 417 – Leblon
Evento no Facebook