Os Querubins de In Nomine | Judão
19 de fevereiro de 2016
Jogos

Os Querubins de In Nomine

Veja como está ficando a tão aguardada adaptação do cultuado RPG para o português

Aqui no JUDÃO, você leu a notícia de que In Nomine, um dos RPGs mais cultuados dos anos 1990, finalmente vai ganhar uma edição em português. Naquela época, era fácil, fácil o livro que os mestres e jogadores mais queriam ver na nossa LÍNGUA PÁTRIA. Demorou um bocado, mas enfim chegou. ;)

A primeira edição brasileira terá as edições limitadas em capa dura – nas duas versões, branca e preta – além de exemplares em capa dura com a arte da segunda edição da SJG. Além do livro de regras básicas, serão publicadas aventuras iniciais impressas e em PDF, que serão utilizadas numa campanha oficial e canônica de jogo organizada para o cenário brasileiro.

Pra você ter uma palhinha de como In Nomine ficou em português, a editora responsável pela tradução/adaptação, a Dimensão Nerd, liberou pra gente, com exclusividade, uma prévia – no caso, o trecho que apresenta os anjos conhecidos como Querubins. Em In Nomine, anjos e demônios têm lá as suas subdivisões, quase como os clãs de Vampiro: A Máscara, com características bastante peculiares. “Coros” do lado de cima, “bandos” do lado de baixo.

Neste texto, a obra apresenta um pouco mais a respeito dos mais confiáveis guardiões dentre todos os anjos: sua relação com a Sinfonia (a “obra-prima” criada por Deus e que controla toda a realidade e o destino de todos os seres dentro dela), as habilidades especiais chamadas Ressonâncias e o que pode causar a tal da Dissonância, que é o que rola quando eles desobedecem as regras de seu coro.


“Tu não temerás os terrores noturnos, nem a flecha que voa à luz do dia, porque aos seus anjos ele mandou que te guardem.” – Salmo 91

O querubim se apressou por entre a multidão, aproximando-se do candidato com a palma aberta. O humano segurou a mão estendida do anjo da mesma forma que cumprimentava outras incontáveis no caminho de sua campanha.

O anjo travou o olhar no homem e o resto do mundo sumiu por um segundo.

“Eu protegerei você”, disse o Querubim.

O candidato ficou sem palavras, confuso, até que o movimento da multidão e os empurrões de seus homens o levaram até sua limusine. O anjo colocou um cigarro nos lábios e o acendeu, observando o longo carro branco se afastar com sua escolta. Aumentando sua percepção celestial, ele podia sentir o candidato conforme este se movia pela Sinfonia, um pulsar constante em direção ao centro.

Ele subiu em sua motocicleta e o seguiu por uma rua paralela. Ele estaria literalmente condenado se deixasse algo acontecer com esse homem.

In Nomine

De grande coração e força de vontade, os Querubins são os mais confiáveis e fanaticamente leais dentre os Coros celestiais. Se os Serafins são a nobreza celestial, então os Querubins são seus cavaleiros de armadura brilhante, guardiões das coisas importantes.

Ressonância

Os Querubins foram criados das estoicas forças da estabilidade. Sua relação com a Sinfonia é de devoção completa – com um toque eles podem se sintonizar com algo (ou alguém), e enquanto este objeto existir no plano corpóreo, seu protetor perceptivo poderá sentir sua localização e condição geral. Caso seja destruído ou esteja em perigo mortal imediato, ele saberá instantaneamente.

Este tipo de obstinação é a expressão mais básica de sua natureza: constante e sólida, consciente e vigilante. Esse pensamento simplório é completamente alienígena para os Kyriotetes, cuja natureza múltipla parece muito confusa para os Querubins. Os Querubins e Kyriotetes, que representam os arquétipos animais na sociedade Celestial, são conhecidos por se irritarem mutuamente.

Dissonância

Para um Querubim, trair sua devoção é o maior dos pecados, e gera dissonância. Enquanto estiver sintonizado a algo, ele é seu protetor – seu anjo da guarda – e não fará nada que possa feri-lo. Apenas contato físico e força de vontade podem remover a atenção divina de um Querubim.

Tentativas fracassadas de apagar uma sintonia também são dolorosas; uma traição sem sucesso através da rejeição também gerará dissonância.

Devido a esses perigos, os Querubins são seletivos ao aplicar sua ressonância, buscando a melhor forma de lidar com situações difíceis, mantendo a sua integridade. Não existe nada pior que oferecer sua devoção de forma estúpida para algo indigno de respeito.

Mas independentemente da aplicação de sua ressonância, um Querubim nunca deve trair seu Superior, seus amigos, seus ideais ou a si mesmo. Fazê-lo seria colocar-se abaixo da sua capacidade para a nobreza, o primeiro passo pelo curto caminho da malevolência egoísta. Por essa razão eles muitas vezes entram em conflito (às vezes em vão) para não dividir sua lealdade.

Costumes e Aparência

Querubins se movem lentamente com muito propósito, seus olhos brilhantes não perdem nenhum detalhe de seus arredores. Suas vestes humanas normalmente são baixas e robustas, compactas e poderosas. Em sua forma celestial, Querubins se parecem com imensos animais alados – leões, ursos, etc – envolvidos em auréolas douradas.

Ainda é um mistério o motivo pelo qual os artistas ocidentais, há muitos séculos atrás, começaram a retratá-los como bebês fofos alados. Os Querubins não ficaram felizes; a maioria suspeita de influência diabólica.

Como os maiores protetores celestiais, os Querubins são os melhores anjos para guardar suas costas – e, embora um Querubim possa dizer que não precisa de proteção, os melhores anjos de outros Coros, a exemplo dos grandes Querubins, cuidam deles ainda assim.

Musicalmente, os Querubins preferem trompas de uma mão antes do pôr do sol; à noite, eles sacam seus saxofones.