Quantum & Woody: mais uma adaptação de gibi no caminho dos Irmãos Russo | JUDAO.com.br

Diretores de Guerra Infinita e Guerra Civil vão produzir série de TV baseada na dupla de heróis da Valiant Entertainment — aquela mesma que é eventualmente acompanhada de um bode

Antes mesmo de ter sido integralmente comprada pela chinesa DMG Entertainment (aquela mesma que co-produziu Homem de Ferro 3 e distribuiu o filme na China junto com a Marvel), a Valiant Entertainment estava bastante empenhada em seguir o caminho da Marvel e da DC nas adaptações de seus personagens para outras mídias.

Primeiro, a empresa fechou um acordo de CINCO filmes com a Sony Pictures, começando por Bloodshot, a ser estrelado por Vin Diesel e que já começa a ser rodado no mês que vem, seguido na sequência por Harbinger e, muito provavelmente, pela heroína Faith, que já tem até roteirista: Maria Melnik. Mas este ano a Valiant já começou a testar como a banda toca com a websérie live-action Ninjak vs. The Valiant Universe, cujos episódios forma disponibilizados no site Comicbook.com — e que trazia uma nova versão do Bloodshot, encarnada por Jason David Frank (aka Tommy, o Power Ranger Verde original).

Mas tem uma OUTRA propriedade da Valiant que tava rodando por aí e agora vai finalmente sair dos pequenos quadros, com a ajuda — veja você — de dois dos mais importantes ativos do atual universo cinematográfico da Marvel: Anthony e Joe Russo, os irmãos que dirigiram os dois últimos filmes do Capitão América (Soldado Invernal e Guerra Civil), além de serem as mãos responsáveis pelo blockbuster absoluto Guerra Infinita e pelo aguardadíssimo quarto filme dos Vingadores. Os dois Russo vão produzir, para o canal TBS, uma adaptação da HQ Quantum & Woody.

A série vem via AGBO, produtora dos caras que, não por acaso, TAMBÉM recebeu um belíssimo aporte de dinheiro de uma empresa chinesa, a Huayi Brothers Media Corp. Além dos dois, também assina como produtor Mike Larocca, que é o presidente de produção da AGBO. Para escrever o piloto, os dois irmãos foram buscar outra dupla que fez um elogiado trabalho na Marvel: Andrew Barrer e Gabriel Ferrari, os roteiristas de Homem-Formiga e a Vespa.

A boataria dá conta de que Joel McHale, o Jeff Winger de Community, estaria sondando para ficar com o papel de Woody. A escolha faria bastante sentido não apenas pelo timing cômico do ator, que tem tudo a ver com a trama do gibi, mas também por seu passado em comum com os Russo. Pois é, talvez muita gente não se lembre, mas antes de fazer parte do MCU, os Russo fizeram carreira dirigindo séries cômicas na TV: além de Community (são eles que estão por trás das câmeras no clássico episódio do paintball, por exemplo), eles trabalharam em Happy Endings e Arrested Development (dirigindo inclusive o piloto da série).

Originalmente, Quantum & Woody são a resposta a um pedido do editor-chefe da Acclaim Comics, Fabian Nicieza, que tinha sido contratado para cuidar dos personagens da Valiant depois que a editora foi vendida para a Acclaim Entertainment, conhecida principalmente por seu trabalho no mundo dos videogames. O ano era 1997. Nicieza chamou o roteirista Christopher Priest, responsável por uma das passagens mais marcantes dos gibis do Pantera Negra, e relembrou outra de suas experiências marcantes ao encomendar ao cara um novo título que tivesse a pegada Luke Cage + Punho de Ferro. Pra trampar ao seu lado, portanto, Priest convocou ninguém menos do que M. D. Bright, desenhista que formou dupla com ele no gibi Power Man and Iron Fist, no final da década de 80.

Bright tava meio relutante em aceitar o trampo, mas começou a topar quando viu que Priest aceitou sua sugestão de fazer com que o personagem branco da dupla fosse o alívio cômico, só pra variar. E a principal inspiração, no fim das contas, acabou mesmo sendo na dupla Woody Harrelson e Wesley Snipes no filme Homens Brancos Não Sabem Enterrar, de 1992. Nasciam aí Quantum & Woody.

Nesta primeira versão, que se encerrou oficialmente em 1998 (mas teve uma sobrevida com cinco edições especiais entre o final de 1999 e o começo do ano 2000), Eric Henderson é um oficial tático do exército bastante condecorado, enquanto Woodrow Van Chelton é só um paspalhão com uma guitarra mas sem uma banda na qual pudesse tocar. Amigos de infância que perderam contato ao chegar na adolescência, eles voltam a se encontrar para investigar a misteriosa morte de seus respectivos pais em um acidente de helicóptero bem suspeito. No meio da busca por respostas, eles se tornam vítimas de um acidente industrial que transforma seus corpos em pura energia. A única forma de mantê-los inteiros é cada um usar uma peça de um par de braceletes que precisam ser batidos a cada 24 horas para que a matriz energética seja reiniciada — ou seus átomos se quebrarão e eles sumirão pra sempre.

Eric assume o codinome Quantum e começa a trabalhar disfarçado pra descobrir o assassino de seu pai — mas embora Woodrow também queira vingar a morte do PROGENITOR, ele acha que “codinomes são idiotas” e pede apenas pra ser chamado de Woody.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Mas esta versão do duo de heróis em breve passaria por uma “modernização” 16 anos depois. Primeiro, a Acclaim foi à falência em 2004 e, no ano seguinte, a Valiant voltou à ativa por conta própria graças ao esforço — e à grana, óbvio — dos empresários Dinesh Shamdasani e Jason Kothari (atual chefe do departamento de estratégia no site de e-commerce indiano Snapdeal). Aí, chegamos em 2013, quando a Valiant começou o ano soltando um teaser dizendo “A Maior Empresa de Quadrinhos do Mundo Apresenta... o Pior Time de Heróis do Mundo”. E então, em Julho daquele ano, sairia uma nova série de Quantum & Woody, escrita por James Asmus e com arte Tom Fowler. A ideia, no entanto, foi começar do zero, “reimaginando” os personagens e sem dar continuidade à cronologia anterior.

Nesta versão, Eric e Woody não são apenas melhores amigos de infância, mas também irmãos adotivos. Duas mentes brilhantes e absolutamente inseparáveis, que começaram a se estranhar conforme foram crescendo. A amizade começou a se tornar competição e, enquanto Eric se tornou não só um aluno irrepreensível na escola mas também um profissional incrível no exército, Woody foi ficando cada vez mais irresponsável e indisciplinado, praticamente morando na rua, promíscuo e dedicado a uma série de pequenos golpes. Inevitavelmente, os dois acabaram se separando.

Mas quando seu pai, Derek, é morto em seu laboratório ultrassecreto de estudos envolvendo energia experimental, os dois irmão se reencontram. E se reconectam de algum jeito — o que eventualmente leva a uma troca de socos e algum tempo atrás das grades pra pensar no assunto. Perturbados e acusados do assassinato do próprio pai, os dois então resolvem levar os verdadeiros assassinos à justiça, por mais que não levem jeito para vigilantes.

Eric e Woody arrombam o laboratório de Derek, mas acidentalmente ativam uma máquina que emite uma energia esquisita a qual eles são expostos antes de causar uma grande explosão. Além de sobreviverem milagrosamente, eles ganham a habilidade de disparar rajadas energéticas e gerar escudos de puro poder. Mas outro efeito colateral, este mantido da série original, é que eles precisam bater seus braceletes de metal um no do outro a cada 24 horas, para evitar que se dissolvam em partículas de energia.

O tom ainda mais bem-humorado, numa pegada que tem um quê de Deadpool e uma pitadinha de Liga da Justiça Internacional, foi o que tornou a série ainda mais popular nesta encarnação, virando de longe um dos títulos mais procurados/cultuados do atual Universo Valiant.

AH SIM: não dá pra esquecer do bode, claro. No caso, o melhor coadjuvante da saga dos dois irmãos. Na ilha secreta da organização ERA (Edison’s Radical Acquisitions), um bando de cientistas maléficos liderados por uma matriarca decrépita de nome Crone e que, você bem imagina, foram os responsáveis pela morte de Derek Henderson em sua busca pela tecnologia do pai da dupla, eles acabam destruindo tudo e, junto com eles, milagrosamente sobrevive apenas um bode — e que Woody batiza de Vincent Van Goat. A criatura, que sofreu avanços científicos nas mãos da turma da ERA, dispara rajadas de calor dos olhos, tem força acima do comum e uma habilidade limitada de voo.

E tem mais: eles não imaginam que, originalmente, na verdade o bode era um espécime de seu pai, quando ele ainda era assistente de laboratório de um médico chamado Dr. Platzhalter. Como parte de um projeto de combate ao Alzheimer ou demais doenças degenerativa da memória, eles desenvolveram uma forma de fazer um back up de uma mente / padrões de pensamento de qualquer um, que poderia ser “restaurado” depois. Mas numa demonstração aos representantes da ERA, bingo, novo acidente e uma cópia da mente de Derek foi parar na cabeça do bode.

É isso aí: de alguma forma esquisita, o pai de Quantum & Woody vive dentro da cabeça de um bode superpoderoso que mora com eles. E os dois nem sequer imaginam.

Se quiser ter uma pequena amostra de qualé a do gibi e o que pode ser a vindoura série, a Valiant libera, em seu site oficial, um PDF da primeiríssima edição destes novos Quanto & Woody, de 2013. É só clicar aqui e ser feliz.