O "próximo Netflix" tem tudo pra vir da Apple | Judão

Empresa de Cupertino estaria interessada em séries de TV originais pro Apple Music, que se transformaria num serviço híbrido de streaming de áudio e vídeo

Conteúdo é a palavra da vez. A AT&T comprou a Time Warner por causa disso, a F1 foi adquirida por um grupo de mídia dos EUA com isso em mente e é uma movimentação que está chegando lá pelos lados de Cupertino. De acordo com o Wall Street Journal, a Apple está em busca de séries (e filmes) originais em vídeo para adicioná-las ao serviço do Apple Music até o final de 2017. Além disso, a companhia está sondando pessoas no marketing de grandes estúdios e canais de TV para contratá-los, ajudando-os a promover esses conteúdos.

Sim, estamos falando de vídeo no serviço de música.

Não é que a companhia criada por Steve Jobs não invista em video on demand. O iTunes foi uma das primeiras grandes iniciativas no chamado tVOD, aquele que você compra ou aluga séries e (principalmente) filmes pagando por transação. Um modelo que deu certo, sim, e movimenta bem mais dinheiro que concorrentes como Google Play e, até por isso, a empresa de Mountain View tá investindo no transacional dentro do YouTube.

Tim Cook, o chefão

No entanto, no esquema de assinaturas, a Apple ainda é novatinha. O Music foi lançado no ano passado e, em dezembro, tinha 20 milhões de assinantes, bem menos que o Spotify, que atingiu os 40 milhões de usuários pagos no último mês de setembro. A grande questão aí é que o Spotify já tem uma enorme biblioteca de músicas, com praticamente tudo que é relevante – e o máximo que os caras de Cupertino conseguirão é se igualar nesse sentido. Sem falar que o app da Maçã é bem mais fraquinho.

Por isso, de acordo com o WSJ, a ideia é turbinar o Apple Music com essas séries originais, servindo de diferencial na hora do consumidor escolher qual serviço irá assinar. É uma estratégia parecia com a do Netflix, que desencanou de ter tudo que é tipo de conteúdo e ficar na mão de produtores e estúdios, passando a ter produtos exclusivos.

“Bom, então eles vão concorrer com o streaming da empresa de Los Gatos ou com o Amazon Prime Video?”. Não é bem isso, ao menos de acordo com o Journal. A ideia seria realmente bater no Spotify com apenas um punhado de conteúdos originais em vídeo. Netflix, que quer chegar nas 60 séries originais em 2017, ainda é um alvo distante.

No caso da Apple, já foi encomendada uma série do Dr. Dre, o rapper fundador da Beats, que foi comprada pela Maçã e do qual o serviço de streaming serviu exatamente de base para a criação do Apple Music. Outra produção engatilhada é Carpool Karaoke, um spin-off baseado no quadro do The Late Late Show. Além disso, já é possível ver vídeos relacionados aos álbuns e aos músicos na plataforma. Sim, tudo volta pra música, que deve ser o fio condutor dessas séries no começo.

Apple tem feito um grande esforço no mercado de filmes e séries nos últimos tempos, seja com produções originais ou não

O que foge um pouco desse foco é a já encomendada Planet of the Apps, um reality show sobre (adivinha!) desenvolvimento de apps e a busca de investidores. Se por um lado a iniciativa parece chamar a atenção para a própria App Store, pode indicar que uma ampliação no ESCOPO das séries originais já está no horizonte.

Também é importante lembrar que a Apple tem um ótimo relacionamento com toda a indústria do entretenimento e, neste exato instante, tá negociando com os estúdios para que eles lancem os filmes no iTunes enquanto ainda estão em cartaz nos cinemas. Junte isso ao fato de que existe a Apple TV, que o iOS 10.2 adicionou um app chamado TV (criado para centralizar outros apps do gênero) e, bom, não é nada impossível que toda essa movimentação culmine com um “iTunes por assinatura” no futuro. Não com os filmes que ainda estão sendo exibidos na tela grande, mas com séries originais, produções mais antigas e tudo mais... Tipo Netflix. ;)