Shonda Rhimes fez mais uma vítima | Judão

Ainda que a ABC não vá morrer por causa dela, acordo com Netflix vai fazer muito executivo sentir uma dor insuportável no coração

Apesar das “negociações ativas” pra manter Star Wars e Marvel dentro do Netflix, o serviço de streaming mostra que “amigos, amigos, negócios a parte” e que, bom, capitalismo é isso aí ao devolver uma porrada na Disney que atende pelo nome de Shonda Rhimes.

Em outras palavras: a criadora de Grey’s Anatomy, How to Get Away with Murder e Scandal, entre outros, vai passar os próximos quatro anos criando e produzindo conteúdos, através da Shondaland e ao lado da parceira Betsy Beers, exclusivamente para o Netflix.

“Shonda Rhimes é uma das maiores contadoras de história da televisão em todos os tempos”, disse o CCO do Netflix, Ted Sarandos. “Seu trabalho é emocionante, inventivo, pulsante, faz seu coração parar e quebra tabus. Eu tive a chance de conhecê-la e ela é uma verdadeira Netflixer — ama TV e filmes, é apaixonada pelo seu trabalho e entrega o que o público quer ver”.

Pelo acordo, chamado de “overall deal”, tudo o que for produzido e criado pela Shondaland pelos próximos anos ficará nas mãos do Netflix, mesmo que nunca vá ao ar, por exemplo. É diferente do acordo “first look”, muito mais comum nesses casos, em que o pessoal cria alguma coisa, apresenta pro estúdio que tá bancando e, se ele não quiser transformar em filme ou série, permite que o criador busque outro estúdio.

SÓ POR ISSO dá pra imaginar a grana que ela tá ganhando — merecidamente. :)

Shondaland como conhecemos reunida. As séries da ABC, claro, continuarão com a ABC.

Essa notícia é interessante, também, pois começa a revelar ao grande público o caminho que o Netflix começou a seguir há alguns anos, quando virou seu foco para produções originais. Como dissemos em Setembro de 2015, o Netflix (num movimento seguido por todos os concorrentes, diga-se) deixou de ser apenas e tão somente uma locadora online, que você paga pra ver filmes e séries, e começou a se tornar um canal de TV 2.0.

Com esse tipo de notícia, a aquisição do Millarworld e até mesmo o acordo da Amazon com a Skybound (que, num processo parecido com o da Shonda Rhimes saindo da ABC, acabou tirando uma galinha dos ovos de ouro da AMC), a maneira de enxergar esses serviços começa a mudar.

E isso é bom, porque tendem a diminuir as reclamações do tipo “Cadê Game of Thrones no Netflix?”, e porque o formato absurdo das TVs por assinatura atual começa a RUIR.

E adivinha quem tem a ganhar com isso?