Sim, Snake Outta Compton é um filme e vai mesmo acontecer | Judão

Imagina aí uma mistura de Serpentes a Bordo com Anaconda no meio da história do NWA. É quase isso. Ou deve ser, vai saber? :D

Para quem é fã de cultura pop, uma das grandes graças do Festival de Cannes não está apenas na premiação dos grandes medalhões, a Palma de Ouro, aquela coisa toda de luxo e glamour do PALAIS. Dar um rolê pelo Marché du Film, o evento cinematográfico paralelo que funciona como um grande mercadão de negociação de direitos de distribuição/produção, sempre rende momentos memoráveis, do tipo que nos faz questionar a sanidade de determinados produtores.

É lá que as distribuidoras independentes dos grandes grupos internacionais (como a Paris, Europa, Califórnia e PlayArte, aqui no Brasil) vão tentar garimpar alguma novidade, geralmente destas que vão direto pro mercado de home video (que, sim, ainda existe, acreditem).

Este ano, dos pôsteres de novidades VINDOURAS lá expostos, um chamou BASTANTE atenção pelo inusitado da coisa. O título é autoexplicativo: Snake Outta Compton, um conceito B pra caralho e, ainda assim, filhadaputamente genial, que só melhora com a sinopse:

snakeouttacompton-nocrop-w551-h670“Tem uma cobra gigante pelas ruas de Compton! A cidade mais perigosa do mundo, com o grupo de rap mais perigoso do mundo, ameaçada pela força policial mais perigosa do mundo, agora vai enfrentar a maior, mais perigosa e mais fodona serpente do mundo. Prepare-se para o perigo, para as rimas terríveis e para o fogo nada amigo desta paródia imprevisível e ultrajante dos filmes de criaturas, dos filmes de gângster modernos e da cultura do hip-hop”.

Obviamente, como a maior parte do que está no Marché du Film ainda é apenas projeto, ainda tá no papel e não se sabe bem se vai mesmo rolar — a grana negociada ao longo dos dias de feira é que pode garantir isso, aliás — ninguém botou lá muita fé que isso pudesse mesmo ser verdade. Talvez apenas uma piadinha com o título do filme que conta a história do NWA?

Mas não, senhoras e senhores. Está realmente acontecendo. Na verdade, a porra do Snake Outta Compton já está até pronto.

É o que diz a página do filme no Cinando, uma espécie de imenso banco de dados misturado com rede social que conecta profissionais do mundo do cinema de todo o mundo. E é o que confirmam as pessoas que estiveram na edição deste ano do American Film Market (AFM), um gigantesco evento para discussão do negócio, com palestras e workshops, além do espaço para negociação de novos projetos que rolou há algumas semanas, lá em Santa Monica.

Trata-se de uma produção da Automatic Entertainment, pequena produtora de Los Angeles especializada neste tipo de filme – pense apenas que eles estão produzindo Avengers of Justice: Farce Wars, uma sátira dos filmes de heróis da Marvel e da DC, e The Walking Deceased, que eu suponho que não precise te explicar do que se trata.

Os diretores são os gêmeos James & Jon Kondelik, que sempre escrevem, produzem e dirigem juntos. Os dois são responsáveis por coisas como Dam Sharks! (“tubarões usam partes de corpos humanos para construir uma represa”) e Airplane vs Vulcano (“passageiros têm que se unir para sobreviver quando o avião no qual viajam fica preso numa espécie de circuito de vulcões em erupção”). Sente-se só a vibração.

Honestamente, sabemos muito pouco além disso. No YouTube, por exemplo, tem este vídeo da audição do ator Jaffar Richardson (cuja carreira até o momento se resume às participações em alguns curtas) para o papel de um personagem chamado Cam. Seguindo a hashtag #snakeouttacompton no Instagram, a gente descobre algumas imagens de bastidores, postadas pela galera da equipe de produção, câmeras e afins, além de sacar que as atrizes Linda Wong, Anele Morris e Tamara Stayer estão de alguma forma envolvidas, assim como o comediante e apresentador Motown Maurice, do programa The Late Night Experiment with Motown Maurice.

Em seu blog no Kickstarter, o quadrinista independente Bryan Sanders (Papercut) mostra que fez um monte de personagens secundários no filme, incluindo um DJ, um motorista de ônibus e um policial beeeem anos 70 style.

E uma busca simples no Twitter mostra que a atriz Diana Terranova — que fez na vida umas paradas como Piranhaconda, o que já dá uma visão interessante do que podemos esperar, além de afirmar ter sido “coreógrafa das cenas de sexo” de True Detective e Westworld — está no elenco como uma espécie de stripper. E mais: ela se refere a Snake Outta Compton como uma produção do canal SyFy, o que faz até um bocado de sentido por motivos de SHARKNADO.

Pode ser genial. Pode ser uma bosta. Pode ser uma bosta genial (e vamos dizer que a gente amaria que fosse algo a ser encaixado nesta opção). E pode ser uma espécie de variação ainda mais merda de Todo Mundo em Pânico misturado com Anaconda, despejando dezenas de piadas racistas e desrespeitosas com a cultura do rap. Sim, temos que considerar esta opção também. Mas, desde já, o JUDÃO quer ver este filme mais do que muita coisa que custa pelo menos 10 vezes mais.

Snake Outta Compton ainda não tem data de lançamento confirmada, nem sequer tem um trailerzinho pra matar a nossa vontade aqui, mas a gente promete informar vocês quando (E SE) este panorama mudar... :D