Taron Egerton como Sir Elton John seria nada menos que genial | Judão

E só confirma que vivemos uma época FODÁSTICA para os fãs dessa lenda viva da música

Se você, assim como eu, também não tinha sido avisado por DEUS E O MUNDO que estavam trampando numa cinebiografia do Homem-Foguete, Sir Elton John, tá feito: estão. E desde 2013, aliás :D

O nome da dita cuja, vale frisar, fará menção justamente a essa composição de ELTINHO, com letras do broderaço Bernie Taupin (e IMORTALIZADAS pela interpretação ~única de William Shatner, em 1978): Rocketman. E, até não muito tempo atrás, o protagonista de toda a farra seria ninguém mais, ninguém menos que o Max Louco, Tom Hardy. SERIA.

Porque depois do filme mergulhar de cabeça no DEVELOPMENT HELL, parece que o dono da boca mais escondida de Hollywood pulou fora do barco, dando espaço pro que pode vir a ser a escalação mais brilhante pro papel de Sir Elton John desde que o próprio Shatner ficou velho demais para abraçar a parada (risos): Taron Egerton.

Sim, tudo aponta para o Eggsy de Kingsman como o mais provável Eltão João da telonas — e isso tem ainda mais a ver com o filme de espiões mais sensacional de 2015.

Quando Hardy ainda estava ligado ao projeto, Michael Gracey (diretor do vindouro O Rei do Show) seria o encarregado de tocar o leme da produção da famosa cadeirinha de pano. Com tudo desmoronando, entretanto, a função foi passada para Dexter Fletcher, de Voando Alto. E sabe quem protagonizou voando alto? Ele mesmo, Taron Egerton.

Mas não é só, apenas, TÃO SOMENTE ISSO. A produção de Rocketman, agora, está nas mãos de Matthew Vaughn, que também produziu Voando Alto e, claro, dirige, produz e toca o pau na franquia Kingsman. Ele dividirá a função com ninguém menos que o próprio Elton John — que, veja só, Matthew dirigiu no set de filmagens de Kingsman 2: O Círculo Dourado.

Falando em círculos, acho que viemos FULL CIRCLE, não? :D

Até o momento, não rolaram avanços no que foi reportado, mês passado, de que as negociações estariam muito bem encaminhadas para oficializar Taron no papel. Ainda assim, a ideia do ~garoto (acredite, o mano já tem 27 fucking anos!!!) vestir os espalhafatosos óculos de John é de se empolgar, e não só porque ele sabe usar um par de lentes na cara; porque canta MUITO.

Não sabia? Se liga nele mandando, veja só, um Elton John, em Sing – Quem Canta Seus Males Espanta:

Agora, nada impede que, dando merda mais uma vez, toda uma nova dança das cadeiras na produção de Rocketman acabe colocando os óculos de Elton na cara de outro ator. Nesse caso, por que não recorrer a um certo Justin Timberlake, né? Já funcionou uma vez... ;D

Fato é que estamos vivendo um PUTA momento para sermos fãs de Elton John (sim, já estou contando com o fato de que você é, porque, bem, BOM GOSTO ou você tem ou não estaria aqui :D). Envelhecendo, o cara parece cada vez mais ativo e, a exemplo de monstros que nos deixaram recentemente como David Bowie e Leonard Cohen, parece determinado a honrar seu legado e sua história até o último suspiro — o que deve garantir que, mais cedo ou mais tarde, esse filme verá a luz do dia.

Também é fato que, produzido pelo PRÓPRIO CARA, não veremos aquele retrato cru de uma vida que contou com MUITOS excessos, em especial naquilo que o leão do Proerd mais teme (mais risos) – ou até como ele voltou a ter cabelo depois de ficar claramente CARECA. Só que, a exemplo de outras cinebiografias leves, como O Garoto de Liverpool, nada nos impede de curtirmos um bom filme — em especial quando sabe-se que teremos CARTA BRANCA em matéria de músicas.

Enquanto não se dá nome definitivo aos bois, porém, podemos aproveitar as recentes inovações do mestre Elton, como os três maravilhosos clipes que sugiram de um desafio, feito em parceria com o YouTube, proposto a jovens cineastas.

Depois de anos sem vídeos, os clássicos máximos Tiny Dancer, Bennie and the Jets e, veja só, Rocket Man tiveram curtas produzidos de forma independente e selecionados pelo próprio músico para entrarem na história. O regulamento previa que cada música apresentasse um estilo visual de videoclipe diferente: Rocket Man seria animação; Tiny Dancer seria live action; Bennie and the Jets seria dança.

O resultado foram três vídeos tão maravilhosos quanto diferentes, mas que capturam a essência do trampo de Sir Elton John de forma belíssima. Meu destaque vai para o genial e bizarro clipe de Bennie and the Jets, ainda que TOLDOS sejam maravilhosos (e contem com uma dose enorme de extras na playlist da inciativa.

Nos próximos tempos, Eltinho ainda será o compositor da adaptação de O Diabo Veste Prada para a Broadway, veja só você. Como li uma vez em um brilhante comentário do YouTube, é ele a verdadeira rainha da Inglaterra. Ou quase isso.

De qualquer forma, é certamente uma instituição britânica a pleno funcionamento, com essas maravilhosas novas aventuras desse incansável músico, que devem servir como boa distração para todos nós, até enfim termos um HOMEM-FOGUETE nos cinemas.

Mas, na real: o importante, mesmo, é que o trem de Elton John nunca mais pare. Nunca.