Um filme do Homem-Múltiplo? Com James Franco? Apenas sim. | Judão

Obscuro Mutante deve ser a próxima história dos X-Men que a Fox contará nos cinemas. E, olha… Por mim, tudo bem. :D

Imagine que você é um ator e diretor já BEM famoso, com quase duas décadas de trabalhos prestados em Hollywood, que depois de anos vendo seus projetos do coração serem criticados aos montes por aí e consequentemente alternar seu status entre um artista sério do ramo e um tipo de palhaço maconheiro, ENFIM consegue tirar do chão um filme que não só conta uma história extremamente pessoal para você, como acaba sendo extremamente bem recebido, rapidamente alçado ao status de grande lançamento e cogitado para as principais premiações deste nosso globo azul. Passado todo esse turbilhão de sucesso, qual seria seu projeto seguinte?

Se seu nome for James Franco, a resposta é uma adaptação cinematográfica para um personagem bem obscuro dos X-Men. Risos.

Segundo o Deadline, Franco vai estrelar um filme sobre o ilustríssimo Homem-Múltiplo, num projeto que será supervisionado, como manda a regra da Fox há uns bons anos, por Simon Kinberg, que dividirá as tarefas de produção entre a sua produtora, Genre Films, e a do próprio James, Ramona Films (que ele divide com seu irmão, Dave). O roteiro ficará por conta de Allan Heinberg.

...e, bom, aí a coisa começa a ficar interessante. :D

Roteirista inicialmente de histórias em quadrinhos, com experiência na Marvel (Young Avengers) e DC (JLA, Mulher-Maravilha), Heinberg é ainda um novato em Hollywood, já que teve sua primeira grande chance por lá só depois de anos de trabalhos prestados à TV, com roteiros de séries conceituadíssimas como Sex and the City, Gilmore Girls, The O.C. e Grey’s Anatomy. Na realidade, seu primeiro e único FILME, até agora, foi lançado neste mesmo ano de 2017, mas já chegou surpreendendo público e crítica de forma positiva e figurando entre os favoritos de muita gente que realmente ama cinema. Um tal de Mulher-Maravilha. É! Legal, né?

Mas quem a foda é esse tal de Homem-Múltiplo? :D

Jamie Madrox é um mutante dotado da capacidade de criar cópias ilimitadas de si mesmo. Essas cópias, ele e nós descobrimos ao longo dos anos, são dotadas de uma impressionante independência, mas absorvíveis pelo original a não ser quando mortas (houve casos em que cópias tentaram absorver Madrox, mas sem grande sucesso).

Dependendo de quem escreve, a personalidade de Madrox costuma oscilar entre algo mais centrado e mais caricato, cômico e/ou perturbado, numa evolução interessante do que foi concebido por Len Wein, lá em 1975, como um secundaríssimo nome de Giant-Size Fantastic Four #4. De lá para cá, o personagem teve momentos INTERMITENTES de maior destaque ao longo dos anos (quando ganhou profundidade quase sempre pelas mãos do roteirista Peter David), até pintando nas telonas, vivido por Eric Dane numa participação até divertida, vou admitir, no execrável X-Men: O Confronto Final.

No final das contas, a grande graça do Homem-Múltiplo acaba sendo – claro, além do fato de ele gerar vários “ele mesmo” espontaneamente, o que, já mostra a cena mais bizarra de Piratas do Caribe 3, é sempre divertido –, a mesma de uns Guardiões da Galáxia, ou Korg, ou Ego, o Planeta Vivo da vida: a liberdade de poder criar em cima de um conceito já minimamente interessante sem que aquela massa muitas vezes tóxica chamada “fãs” se importe.

Desde Deadpool, a Fox parece ter mergulhado de vez no conceito de boas histórias, concedendo liberdade criativa aos envolvidos e dispondo do conteúdo Marvel necessário para que aquilo saia do chão. Foi assim com o Mercenário tagarela, com Logan, claramente será assim com Os Novos Mutantes e, oras, tem TUDO para ser assim, também, com o Homem-Múltiplo.

Quanto a Franco, emendar um projeto renomadíssimo, forte-concorrente à vaga no Oscar, com um outro aparentemente insano, com um personagem obscuro, parece exatamente o que esse cara faria. Existe uma razão para ele e Seth Rogen serem o casal não-oficial mais bizarramente maravilhoso da Terra, afinal de contas.

E, pensando bem, se eles decidirem explorar características do personagem original com total liberdade — em especial para quaisquer contribuições do próprio Franco — quem sabe nós não conheçamos o primeiro grande herói LEGALIZE dos cinemas. Seria uma boa para substituir a roupa que coíbe ~replicações indesejadas usada por anos nos quadrinhos.

Ou, vá, só deixem o cara queimar um verde mesmo. Me deixem sonhar!

Fato é que, quando quer, James Franco é um puta cara talentoso; temos um roteirista plenamente CAPAZ; a Fox tem ficado cada vez melhor em NÃO BOTAR O DEDO no que equipes criativas tão fazendo. Agora, é esperar um diretor e ver o que rola.

Não acredito: estou ansioso por um filme do FODENDO HOMEM-MÚLTIPLO. :D