Uma noob e Overwatch, a nova aposta da Blizzard | Judão

Empresa amplia espectro e, em um primeiro momento, o plano parece ter dado certo

Eu sou uma pessoa relativamente nova no meio dos jogos eletrônicos. Claro, tive meu contato com Super Mario e Sonic lá pelos anos 90 pelo videogame do irmão, mas fiquei longe por um bom período de tempo – seja porque sempre me falaram que joguinhos não eram coisa de menina, seja porque me interessei mais por livros e heavy metal ao longo da adolescência. Enfim.

Comecei a jogar com mais frequência com a chegada de World of Warcraft no mercado brasileiro – e a insistência de uma grande amiga (beijo, Ká!) para entrar de cabeça naquele MMORPG. Isso tem uns quatro anos. De lá pra cá e DEZENAS de personagens criados no WoW depois – sem contar Hearthstone, Diablo III e Heroes of the Storm (desculpa Starcraft, ainda não me senti atraída por você) – cá estou com o beta aberto de Overwatch na minha frente.

A essa altura do campeonato, bastante gente deve saber da história em torno do jogo, mas não custa nada relembrar: o nome que dá título a ele era também o nome de uma força especial de heróis criada para deter criaturas chamadas Omnics. Logo após sua vitória, o time se diversificou e uma longa era de paz foi estabelecida, embora alguns conflitos ainda existissem.

Porém, a organização acabou anos depois, devido a uma série de acusações (entre elas, abuso de direitos humanos, corrupção e negligência). Toda essa história vai ser trabalhada na forma de graphic novels e animações, e inclusive alguns já estão no ar – e poucas empresas dão tanto valor a uma história bem contada como a Blizzard.

Nunca tive experiência com jogos de tiro na minha vida. Nunca. Jamais. E posso dizer que me diverti muito com Overwatch. Se para uma pessoa que joga casualmente foi bem divertido, imagino que quem tem mais experiência com esse tipo de modalidade vai poder extrair o máximo da experiência.

Pra começar: você tem acesso a um tutorial mostrando as funcionalidades básicas pra se familiarizar com o formato e as mecânicas de movimentação para, em seguida, partir para o campo de treinamento, onde você escolhe um dos 21 heróis disponíveis (entre tanques, ofensivos, defensivos e suportes) para praticar.

Os jogos consistem em partidas relativamente curtas, em mapas onde você pode atacar, fazer escolta, ataque e escolta ou controlar um determinado ponto. Até agora, são nove mapas liberados, mas acredita-se que haverá outras opções ao longo do tempo.

Particularmente, tenho jogado mais com personagens ofensivos e de suporte, em especial a Pharah e a Mercy, respectivamente. Mas a jogabilidade (em termos de comandos para quem joga no PC) é a mesma. Por ser bem dinâmico, ele exige bastante atenção e coordenação de equipe.

Outra coisa interessante é que as partidas não precisam ser necessariamente uma equipe contra a outra o tempo todo: você pode fazer partidas personalizadas ou mesmo participar de uma CONTENDA (cujas regras mudam toda semana. Por exemplo, recentemente a regra era de trocar de herói a cada morte). E, para o futuro, haverá um modo competitivo com ranqueamento. Tendo em vista que a Blizzard estruturou o jogo para campeonatos, acho que será uma dinâmica interessante de se acompanhar. ;)

Por outro lado, o jogo é pesado. Como jogo no PC, Overwatch tem gráficos densos e não é qualquer placa de vídeo que pode dar conta dele com tranquilidade. Por isso, quem joga games mais leves (como World of Warcraft, por exemplo, que roda tranquilamente com uma placa mais modesta, pelo menos até a expansão Warlords of Draenor), é melhor pensar em fazer um upgrade para aproveitar o jogo com os gráficos no máximo.

overwatch_03

Falando como uma jogadora casual, posso garantir que Overwatch é agradável, divertido e, por que não dizer, viciante. Seja para jogar sem compromisso, ou para formar um time com seus amigos para campeonatos futuros. É um jogo de comandos simples e de diversão prolongada.

O beta foi encerrado no último dia 10, mas o jogo será oficialmente lançado no dia 24 de Maio, em versões para o PC, Xbox One e PS4 – em caso de adquirir a edição de colecionador (a R$ 249,99), você também ganhará algumas skins e brindes em outros jogos da Blizzard, como um mascote em World of Warcraft e um cardback para o Hearthstone. E haverá uma versão simples, por cerca de R$ 160.