Vai ter livro novo do Tolkien? Ah, mas vai sim! | JUDAO.com.br

A editora HarperCollins confirma pra agosto deste ano o lançamento de The Fall of Gondolin, primeira “história de verdade” sobre a Terra-Média escrita por Tolkien, quando o escritor ainda tava no hospital durante a guerra

Cinco temporadas. E um investimento total estimado de US$ 1 bilhão em elenco, locações e efeitos especiais. Segundo consta (via THR), estes são os números girando em torno do acordo da Amazon com a Tolkien Estate – a empresa por trás do espólio das obras de J.R.R. Tolkien – e ainda com a editora HarperCollins e a New Line Cinema (de quem pode, eventualmente, tomar algo emprestado da versão cinematográfica) pra transformar o mundo de Senhor dos Anéis em série.

Pelo menos até o momento, o tal seriado vai se passar ANTES dos eventos do primeiro filme/livro d’O Senhor dos Anéis. O que isso significa, em termos práticos? Um mundo de possibilidades. Afinal, o que não falta é material pra se inspirar. E se depender dos herdeiros do escritor sul-africano, rapaz, parece que não vai faltar JAMAIS, permitindo que os produtores façam mais umas dez temporadas se assim quiserem. Isso porque, senhoras e senhores, acaba de ser anunciado mais um NOVO novo livro de Tolkien. Aquele autor que morreu há 45 anos.

Tamos falando de The Fall of Gondolin, que o escritor e especialista na obra de Tolkien, John Garth (responsável pelo livro Tolkien and the Great War, focado essencialmente em como a participação do autor na Primeira Guerra Mundial ajudou a moldar o universo fantástico que ele criaria), chama pro Guardian de “a jornada de um herói relutante que se torna um herói genuíno — no caso, um guia para tudo que ele escreveria dali pra frente”.

The Fall of Gondolin foi escrito por Tolkien no período em que esteve no hospital em Great Haywood, Staffordshire, ainda como soldado, depois de sua participação na sangrenta Batalha do Somme (também conhecida por alguns historiadores como “Ofensiva do Somme”). O episódio, que teve início em Julho de 1916, transcorreu ao longo de quase 20 km na região do rio francês de mesmo nome, numa ofensiva anglo-francesa para romper a defesas alemãs. As péssimas condições de higiene nas trincheiras deixaram o jovem soldado que tinha por volta de 24 anos muito doente, levando o acadêmico que foi parar na Força Expedicionária Britânica direto pra um leito de hospital.

Hoje em dia praticamente todos os grandes portais e grupos de mídia do Brasil cobram pra que você possa ler seus conteúdos. O JUDAO.com.br continua produzindo conteúdo de graça pra todos, de forma independente, em diversas mídias, e vai fazer isso pra sempre. Mas não tá fácil pra ninguém.

Nunca o JUDAO.com.br foi tão lido em toda sua história, mas anúncios estão desaparecendo, o Facebook não deixa ninguém sair de lá e nós dependemos cada dia mais dos nossos leitores, ouvintes e espectadores pra financiar a produção de todo esse conteúdo sobre cultura pop que é bem raro na internet Brasileira. Se todo mundo que gosta, compartilha e/ou comenta contribuir, o nosso futuro estará garantido. Vamo?

Conheça nosso projeto e assine a partir de R$10 / mês. :)

Há quem veja claramente não apenas na descrição de Mordor como também em suas cenas de batalhas épicas e cheias de sofrimento e angústia como aquela do Cerco de Gondor reflexos diretos dos quatro meses servindo como oficial de comunicações em um campo de batalha encharcado do sangue de por volta de 500 mil (embora outras fontes falem em 1,5 milhão) mortos em imensas crateras de lama. “Um horror animal”, descreveria o pai ao filho Christopher Tolkien, depois de ter perdido dois de seus amigos de infância, Robert Gilson e Ralph Payton, durante a guerra.

“Eu sempre fiquei impressionado com o fato de que aqui estamos nós, sobrevivendo, por causa da coragem indomável de pequenas pessoas lutando contra desafios impossíveis”, contou Tolkien anos mais tarde, ao historiador Martin Gilbert, já como professor em Oxford. “Os hobbits são um reflexo do soldado inglês, feitos pequenos em altura para enfatizar o heroísmo maravilhoso e inesperado do homem comum”.

Em recuperação, então, ele daria o primeiro passo pra fazer a Terra-Média acontecer ao contar “sua maior narrativa de batalha fora da trilogia Senhor dos Anéis”, de acordo com Garth. Gondolin é uma cidade belíssima e misteriosa, que acaba sendo descoberta e se torna alvo da fúria de Morgoth Bauglir, originalmente Melkor, a figura do puro mal encarnado em Arda surgida milênios antes de Bilbo, Frodo e cia., o grande antagonista de O Silmarillion. Mestre de Sauron, Morgoth quer acabar com as criaturas que vivem na cidade — no caso, os Noldor, Elfos do Segundo Clã, criadores das três gemas Silmarils, que continham a luz de Laurelin e Telperion, as Duas Árvores de Valinor, lendário reino élfico.

Morgoth, obviamente, não contava com o fato de que a cidade estava sendo protegida por Ulmo, Senhor das Águas, um dos Valar (o equivalente aos anjos ou, sei lá, filhos de Zeus na mitologia greco-romana) criados pelo Ser Supremo e criador de todas as coisas chamado Eru Ilúvatar. E aí o bicho pega.

No meio do duelo entre duas entidades poderosíssimas, com direito às primeiras aparições de seres das trevas como orcs e balrogs, no entanto, quem brilha é o primo de Túrin Turambar, o humano Tuor — ele sim, o protagonista da história, que também anseia encontrar Gondolin. Em seu caminho, o sujeito experimenta o que a editora HarperCollins chama na sinopse oficial de “um dos momentos mais impressionantes da história da Terra-Média, quando o deus dos mares Ulmo se levanta do oceano durante uma tempestade”.

Já em Gondolin, ele se torna um homem honrado, estabelece família (casando com a filha do líder da cidade, Turgon, a elfa Idril Celebrindal, integrando um dos únicos três casais elfo-humano da mitologia tolkieniana) e vira pai de um personagem que os fãs devotos de sua obra conhecem bem: Ëarendil, O Abençoado, O Marinheiro. O meio-elfo, já chamado também durante um tempo de Eärendel, foge da cidade antes de sua queda (aquela que o título do livro já entrega, né) junto com seu pai e sua mãe, tornando-se então um importante personagem n’O Silmarillion.

“A família começa então uma viagem para uma nova história, Tale of Eärendel, que Tolkien nunca escreveu de fato, mas que vai estar rascunhada no livro a partir de material de outras fontes”, explica a editora.

A publicação, que chega às lojas no dia 30 de Agosto, segue o mesmo formato de Beren and Lúthien, compilação de todas as versões do amor entre um homem da raça humana e uma elfa e que, apesar de não trazer textos inéditos, reuniu pela primeira vez as diferentes interpretações da história, inspirada no amor de Tolkien por sua esposa Edith. A ideia com Gondolin também é separar a trama do restante das histórias dentro das quais já foi contada para mostrar como a narrativa evoluiu ao longo dos anos.

A versão completa e original consta em The Book of Lost Tales (1983), coleção das primeiras histórias de Tolkien. Uma versão encurtada da trama foi escrita entre 1926 e 1930, para criar uma espécie de harmonia com os eventos do Silmarillion. E muuuuuito mais tarde, provavelmente por volta de 1951, ele começou a trabalhar em uma versão completamente repaginada da obra, que nunca foi terminada e chega ao fim quando Tuor adentra a cidade escondida. “Um dos fatos mais tristes em toda a história das coisas incompletas”, afirmou, no The Book of Lost Tales, o próprio Christopher Tolkien.

Ao lado de Os Filhos de Húrin, o tal conto de amor e a batalha por Gondolin são considerados a “trinca” de histórias indispensáveis sobre os tempos antigos da Terra-Média.

E sim, senhoras e senhores, além de ter ilustrações do lendário inglês Alan Lee, este é MAIS um livro editado por Christopher Tolkien, 93 anos, filho do hômi e eternamente acusado por parte dos fãs de ser “o eterno revirador das gavetas” do paizão famoso. Estamos falando não apenas do primeiro trabalho com sua assinatura depois do seu afastamento da diretoria do Tolkien Estate como também de um livro que chega DEPOIS do que ele disse no prefácio de Beren and Lúthien. “(Presumivelmente) meu último livro na longa série de edições dos escritos de meu pai”.

Tá bom, o “presumivelmente” deixou a porta aberta o bastante. “Esse prefácio tinha um certo tom de despedida – ele estava relembrando seu primeiro encontro com o trabalho de seu pai”, admite Garth. “Mas aqui está”. O trabalho podia estar pronto algum tempo antes da descoberta de sua saída do time que comanda o espólio de Papa Tolkien? Claro que sim. Mas que a coincidência é curiosa, isso é.

De qualquer forma, parafraseando Garth, aqui estamos. Diante de mais um produto do tal “monstro, devorado pela própria popularidade e absorvido pelo absurdo do nosso tempo”, conforme Christopher descreveu recentemente a obra de seu pai pós-Peter Jackson. Mas até que este monstro, bastante guloso e faminto, anda sendo muito do bem alimentado, né? ;)