Warner quer mais Arlequina e muito mais Margot Robbie | Judão

Atriz, que agora se torna produtora, já tem dois projetos lá com os Irmãos Warner, incluindo um filme solo da psiquiatra número um do Coringa — e isso é só PARTE do que ela está fazendo no momento

Yakko, Wakko e Dot Warner têm uma nova amiga: Margot Robbie. A atriz é um dos óbvios destaques de Esquadrão Suicida, mas vem chamando a atenção desde O Lobo de Wall Street, e a WB quer mais e assinou um contrato que vai lhe dar prioridade nos seus próximos projetos.

Funciona assim: tudo o que ela produzir, por meio da sua LuckyChap Entertainment, a Warner tem prioridade na distribuição e etc. Eles podem pedir mudanças, meter o bedelho pra caramba, mas também podem achar que o filme não funcione pra eles, o que tudo bem, já que o acordo é só de uma... PRIMEIRA OLHADA. Sacou? :)

Dois projetos já estão engatilhados, de acordo com o Hollywood Reporter, sendo um deles o filme solo da Arlequina.

Quando olhamos para os gibis, um spin-off da personagem é até um caminho natural. Surgida originalmente na série de TV Batman: The Animated Series, a Arlequina foi, aos poucos, conquistando espaço nas HQs e passou a viver aventuras bem distante do seu Puddin’. O ápice veio após o reboot da DC, com a personagem se consolidando mais como uma anti-heroína do que uma simples vilã que quer acabar com o Batman.

Uma das sacadas dessa fase, tocada pelo casal Jimmy Palmiotti e Amanda Conner, é a irreverência e as referências ao mundo da cultura pop. A Arlequina, por exemplo, chegou a ter um especial no qual visitava a San Diego Comic-Con e até enfrentou uma versão da DC pro Popeye. Isso tudo, misturado com o sucesso em outras mídias, transformou a personagem no “quarto pilar da DC”, como definiu o copublisher Jim Lee em entrevista recente.

Se o filme seguir por esse lado, seria incrível. Primeiro porque, apenas como vilã, não sei se a Arlequina renderia tanto assim, e ainda teria o risco de dividir o destaque com o herói da vez. Por outro lado, como anti-heroína, ela pode trazer mais alegria e cor pros DC Filmes, além de ser a segunda (após a Mulher-Maravilha) a estrelar um filme próprio.

Margot Robbie na primeira imagem de Terminal

Margot Robbie na primeira imagem de Terminal

O segundo projeto é Queen of the Air, adaptação do livro de Dean Jensen que aborda a vida da trapezista Letizel, a Rainha do Ar, uma das mulheres mais famosas do mundo na virada do século XX. A própria Margot Robbie irá interpretar a protagonista, além de ser a produtora executiva.

Fora os filmes com os Irmãos Warner, a LuckyChap tem outros na manga, como o thriller noir Terminal, que tem Margot como protagonista e já está em pós-produção. Eles também estão produzindo I, Tonya, outro filme estrelado por ela, que vai interpretar a Tonya Harding, a ex-patinadora artística que foi acusada de atacar Nancy Kerrigan numa treta que ficou bastante famosa.

E ainda tem a adaptação de Bad Monkeys, que começa numa clínica psiquiátrica de Las Vegas, na qual a paciente Jane Charlotte alega combater o mal para uma organização chamada... Bad Monkeys. Esse filme será distribuído pela Universal e AAAALGO me diz que será protagonizado, também, pela própria Margot Robbie. ;)

O mais importante dessa história: uma mulher de 26 anos vai produzir um “filme de super-herói” e tantos outros que a Warner ainda nem sabe quais são

Além do Lobo de Wall Street e Esquadrão Suicida, Margot Robbie ainda estrelou Golpe Duplo e A Lenda de Tarzan na Warner (e ela tem só 26 anos), o que significa que a relação é bastante ESTREITA — e, especialmente no caso da WB, esse tipo de coisa é bastante importante, basta olhar pra nomes como Zack Snyder, Christopher Nolan ou Ben Affleck.

Mas, mais importante do que lotar a agenda da moça, é colocá-la como produtora não só do filme solo da Arlequina, mas também de diversos outros projetos que a Warner nem sabe quais são. O motivo? Aquela tal de representatividade: produzindo, Margot Robbie pode acabar direcionando um pouco mais as histórias que tiver contando pra uma audiência que não seja os famosos homens brancos heterossexuais.

Mandou BEM PRA CARALHO, Warner. Vamo ver o que acontece.