Wu-Tang Clan + filme de terror baseado numa história (quase) real? Por favor, sim. | JUDAO.com.br

Baseada numa história criada por Ghostface Killah, a produção será dirigida por RZA e contará com uma trilha sonora de canções inéditas compostas pela banda

Às voltas com o lançamento da série documental em quatro episódios Of Mics and Men, que justamente reforça a importância do impacto cultural que o grupo de rap novaiorquino Wu-Tang Clan tem para o mundo do hip-hop, agora conhecemos alguns detalhes sobre um projeto que vai reunir os caras em outra arena diferente da musical, mas na qual digamos que eles estão bastante ACLIMATADOS: o cinema.

O núcleo duro da banda, os dois integrantes recorrentes que se mantém mais ativos à frente do negócio, Dennis Coles (aka Ghostface Killah) e Robert Fitzgerald Diggs (o RZA), não trabalhar juntos num thriller de horror que já tem até nome, o Angel of Dust. Embora o roteiro final vá ser lapidado pela dupla Matt Leslie & Stephen J. Smith, do terror Verão de 84, a história do filme é criação de Killah e também de Caruso, empresário de longa data do Wu-Tang. A direção vai ficar a cargo do próprio RZA, que também deve conduzir a trilha sonora incidental. Mas, claro, o Wu-Tang como um todo vai aproveitar a chance e fazer também uma trilha original repleta de canções inéditas para dar um clima pra trama.

Trama esta que em teoria reúne elementos reais que acontecera na vizinhança dos caras, lá na região de Staten Island, NY. Se liga na parada: Casey é um adolescente normal, apesar de ser excepcionalmente esperto e um rapper talentoso. Mas, depois da misteriosa morte de seus pais, ele se vê forçado a amadurecer e sobreviver por conta própria nas duríssimas ruas do centro de Manhattan, aquelas conhecidas dentro da mitologia da banda como Shaolin. Conforme a vida vai ficando tragicamente mais complicada, ele tem que colocar suas atividades à prova para sobreviver não apenas às gangues, policiais corruptos, viciados e VALENTÒES, mas mas também a um serial killer com poderes aparentemente sobrenaturais que a imprensa apelidou de Angel of Dust.

Talvez estejamos diante do surgimento do Wu-Tang Clan Cinematic Universe, o que seria uma coisa BEM legal de se ver. :D

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Aém de Killah, RZA e Caruso, a produção de Angel of Dust ficará a cargo de Shaun Redick (que esteve envolvido em dois projetos cruciais nos últimos anos: Corra! e Infiltrado na Klan) e sua produtora, a Impossible Dream Entertainment, ao lado de sua braço-direito, a atriz Yvette Yates (Vício Inerente, O Chamado do Mal) e Gary Ousdahl, da produtora Foundation — este último, responsável pelo recente documentário G-Funk, distribuído pelo YouTube Premium e que registrava a cena noventista do chamado gangsta-funk, subgênero do hip-hop que surgiu do DNA do gangsta rap.

“A colaboração criativa entre RZA e Ghostface resistiu ao teste do tempo através de nossa música. Agora surgiu a oportunidade de colocar nossas energias criativas na tela e estou empolgadíssimo”, afirma em comunicado oficial o próprio RZA, falando de si mesmo em terceira pessoa. “É uma benção poder trabalhar com Shaun Redick, um produtor indicado ao Oscar — e fazer isso com meu irmão, RZA, na direção, é um sonho que se torna realidade. Fazer todas estas mentes trabalharem juntas vai ser lendário”, completa Ghostface.

O primeiro disco desta banda que já chegou a ser um NONETO, Enter the Wu-Tang (36 Chambers), lançado em 1993, é considerado um dos álbuns mais importantes e influentes do hip-hop moderno, permitindo inclusive que os discos solo de seus integrantes mais proeminentes, como o finado Ol’ Dirty Bastard e Method Man, fossem praticamente alavancados ao estrelato. Com uma discografia repleta de letras que falam sobre a dureza vida nas ruas, criminalidade, drogas, tudo com dezenas de referências a filmes antigos de artes marciais e histórias em quadrinhos (em especial da Marvel), o Wu-Tang virou a base para uma dezena de outros artistas, não só musicalmente mas também no visual, nos figurinos, nas gírias...

Mas se engana quem pensa que os caras são marinheiros de primeira viagem quando o assunto é cinema e afins.

Ghostface Killah já deu as caras em uma porrada de séries de TV (como Luke Cage e 30 Rock) e também em filmes, de comédias como a sátira A Vida é Dura: A História de Dewey Cox (2007) ao romance Quando em Roma (2010), com a Kristen Bell. Ele também foi roteirista de uma série de curtas pra MTV, The World According to Pretty Toney, que no fim acabaram se tornando seu livro sobre viver bem, com dicas sobre tudo quanto é assunto, de sexo à jogatina, passando por família e educação.

O caso de RZA, no entanto, é ainda mais emblemático. Como ator, ele chegou a ter até mesmo um papel recorrente em Californication, por exemplo, como Samurai Apocalypse. Mas mesmo acumulando pontas em produções como G.I. Joe: Retaliação, 13o Distrito e O Protetor 2, o músico já deixou claro que quer investir neste negócio de diretor. Sua primeira incursão sentado na cadeira de cineasta foi em O Homem Com Punhos de Ferro (2012), uma deliciosa e subestimada pancadaria em plena China feudal, reunindo nomes como Russell Crowe, Lucy Liu e Dave Bautista.

Além de Angel of Dust, RZA tem outros filmes bem interessantes para colocar em breve no currículo: Cut Throat City, um filme de roubo ambientado na cidade de Nova Orleans durante o Furacão Katrina, e muito provavelmente a tão falada adaptação pros cinemas de Blood Brothers, HQ da Dark Horse sobre uma dupla de ancestrais amigos vampiros que colocarão a amizade (que foi desde fumar ópio com Gengis Khan e participar de uma orgia no estúdio de Michelangelo) em teste assim que um vilão obcecado pelo apocalipse aparece com planos de exterminar a humanidade.