Brasil não assina acordo e se torna nação inimiga dos X-Men | JUDAO.com.br

Nas duas minisséries interligadas que estabelecem um novo status quo para os mutantes na cronologia da Marvel, o roteirista Jonathan Hickman apresenta um novo cenário diplomático que faz sentido pra história das HQs e pro mundo atual do lado de fora

Para quem está acompanhando as minisséries House of X e Powers of X, ambas interligando tramas de passado, presente e futuro para estabelecer o novo papel dos mutantes dentro da Marvel, ficou claríssimo que a editora fez a melhor escolha de todas trazendo Jonathan Hickman, o homem por trás de Guerras Secretas, como roteirista responsável. Acertadíssimo e recomendadíssimo — se você não é da turma dos quadrinhos digitais, ComiXology da vida, sugiro cravar seus dentes nisso assim que a Panini lançar por aqui.

Estamos diante de um dos melhores momentos dos personagens em muitos anos, numa trama intrincada e complexa, sem dúvida, como é marca registrada de Hickman, mas também bastante dinâmica, moderna, do tipo que desafia a inteligência do leitor. E que retoma, FINALMENTE, a sua representação enquanto alegoria da luta pelos direitos humanos das minorias, tal qual foram criados por Stan Lee e Jack Kirby lá em 1963. Mas de um jeito, no entanto, diferente da eterna dicotomia Charles Xavier como Martin Luther King e Magneto como Malcolm X.

Conforme contei aqui, assim que tive a chance de ler o primeiro número de House of X, habemus um Charles trazido do mundo dos pés juntos finalmente saindo das sombras para executar um plano brilhante em que os mutantes possam viver sua vida tranquilamente sem ser incomodados pelos humanos. Tal qual aconteceu certa feita com Genosha, os mutantes agora têm uma ilha que atende por sua morada: Krakoa. É, ela mesmo, a ilha viva e igualmente mutante que agora abriga aqueles que há anos procuravam um lugar para chamar de seu e jamais conseguiram. Um gigantesco bioma que na verdade é um habitat autossustentável, como parte de uma consciência interconectada.

Um lar que tem plantas muito especiais, belas e arroxeadas flores que criam “portais” para que apenas os mutantes possam caminhar livremente de um canto a outro do mundo. Mas estas flores também geram remédios que, para os humanos, para aqueles que não têm o gene X, podem estender as suas vidas em até cinco anos, podem servir como um superantibiótico como nunca visto e podem curar certas doenças mentais. Este seria um presente dos mutantes para os humanos. Ah, mas aí é que está o brilhantismo de Xavier e de Hickman: na verdade, ele quer que isso seja uma moeda de troca. Quer que isso sirva como a garantia de que Krakoa vai ganhar anistia para se tornar uma nação independente e que os mutantes terão preservado o seu direito de viver em paz para sempre, longe de guerras, longe de perseguições.

E é com esta moeda de troca que Xavier leva, por meio de sua representante na ONU, uma certa Emma Frost / Rainha Branca, esta conversa para ser discutida na ONU. E eis que na edição número 5 de House of X, descobrimos quais países não concordam com a negociação e tampouco com o status de Krakoa — e um deles é justamente o Brasil.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

Veja, importante contextualizar a coisa toda. Porque tudo isso é, na verdade, apenas a ponta do iceberg de um plano muito maior — já que a trama arquitetada pelo Professor X é uma gigantesca costura a longo prazo, executada graças ao novo papel de sua amada Moira McTaggert nesta conversa toda. Não vou entrar em mais detalhes aqui para não estragar a surpresa, já que a sacada é genial, mas o fato é que Xavier não apenas está trabalhando diretamente ao lado de Magneto mas também de nomes como o geneticista louco Senhor Sinistro e o fanático pela evolução conhecido como Apocalipse.

Diversos críticos especializados, inclusive, acreditam que o comportamento messiânico deste Xavier que circula pra todos os lados com o capacete do supercomputador Cérebro na cabeça sem nunca tirar pode ser um indicativo de que ele é o grande vilão desta história que começa a ser desvendada e que vai servir de base para a primeira leva dos novos títulos mutantes, a chamada Dawn of X, que começa a partir de outubro.

Enquanto nada disso acontece, no entanto, é bom entender o que diabos o Brasil tem a ver com esta história toda. Porque Krakoa foi aceita pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas — digamos que o medo de um conglomerado de seres superpoderosos com a capacidade de abrir portais para qualquer canto do universo não era lá uma ideia muito confortável, com ou sem medicamentos milagrosos envolvidos. Mas com um ~empurrãozinho dos poderes de Emma, ok, digamos que Krakoa foi quaaaase uma unanimidade em seu jogo diplomático com base comercial. “Mais de 100 nações aceitaram a negociação com Krakoa”, diz o texto da HQ. “E enquanto as negociações prosseguem com alguns outros países, alguns deles rejeitaram a proposta. Nações que rejeitaram a oferta são consideradas naturalmente zonas de potencial conflito”.

Desta forma, temos países reais e fictícios numa mesma listagem — alguns alegando motivos políticos e outros questões ideológicas. Wakanda, reino do Pantera Negra, e os países ao redor que fazem parte de seu protetorado, por exemplo, são o único território a dizer claramente que não precisam dos medicamentos mutantes apenas e tão somente porque estamos falando de uma das nações mais tecnologicamente avançadas do planeta. Aí, temos a oposição “política” da Latvéria (a nação do Leste Europeu regida pelo Doutor Destino) e de Madripoor (a ilha asiática que durante um tempo foi base de operações para o Wolverine, em especial na fase Caolho), que eram bastante esperadas, assim como a “ideológica” de duas nações sul-americanas que só existem na Marvel e que têm um histórico bastante complicado de relacionamento com super-heróis: Santo Marco e Terra Verde. Este é Hickman fazendo o seu já conhecido trabalho de arqueólogo dos gibis, retomando referências clássicas para construir um novo universo.

E aí vamos para as nações do mundo real. Irã e Coreia do Norte se opoem ideologicamente ao acordo, enquanto Rússia, Venezuela, Honduras e Brasil alegam motivos políticos para não aceitar o acordo.

Eu juro que entendo quem aposta que Rússia e Brasil estão neste balaio aí, por exemplo, para de alguma forma criar algum tipo de tensão para os retornos de dois personagens dos quais Hickman gosta bastante — o russo Colossus e o brasileiro Mancha Solar (o atualmente bilionário Roberto da Costa que, aliás, não apenas fez parte dos Vingadores mas também criou e manteve a sua própria divisão dos Maiores Heróis da Terra, é bom lembrar). Isso pode ser uma decisão narrativa que Hickman vai explorar lá na frente, já que estamos falando de um roteirista que naturalmente, tal qual o Professor Xavier, faz planos a longo prazo.

Mas é IMPOSSÍVEL ignorar as similaridades com o mundo real que ele traz de volta, da mesma forma que Lee/Kirby, e comparar a lista de países reais aqui listados e ao lado dos quais o Brasil é colocado. Irã, Coreia do Norte, Rússia, Venezuela e Honduras — este último, caso você não conheça a história a fundo, enfrenta uma convulsão social há anos e, recentemente, o governo duro e conservador do presidente Juan Orlando Hernández vem sendo alvo de protestos nacionais pelas acusações de envolvimento em corrupção e narcotráfico. Coloque todos juntos, Brasil incluído, e você vai ver uma linha única de violência e violações aos direitos civis.

Países que, no fim, são um pesadelo para minorias. Como o são, desde sempre, os mutantes.

Ok, os mutantes não existem, são coisa de gibi — assim como são o casal Hulkling e Wiccano que, no entanto, viraram alvo da intolerância do prefeito do Rio de Janeiro e demais políticos relacionados graças a um beijo. Um beijo que ganhou repercussão mundial. Uma censura que alguém como Hickman jamais poderia ignorar, né?

Se você traz os OUTROS países ficcionais pra conversa, à exceção de Wakanda, o papo fica ainda mais tenso. Porque temos o Brasil sendo comparado com DITADURAS como a da Latvéria e de Santo Marco (cujo presidente, Emilio Duarte, já fez até uma lei ANTIMUTANTES) e de antros de violência como Terra Verde (território maia que já foi palco de combates envolvendo o Quarteto Fantástico e os Inumanos) e Madripoor (reduto dos bandidos da pior espécie, um centro nervoso de assassinato, tráfico de drogas e de pessoas...).

É desta forma aí que o Brasil está sendo visto lá fora, sacou?

E... entre nós, a visão do Hickman tá errada? Afinal, ainda em campanha, o mandatário que mais de 50 milhões de pessoas elegeu afirmou que iria governar para a maioria e que as minorias teriam que se curvar — e, bom, digamos que ele tá cumprindo à risca a promessa, né? Aí, temos a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e que, em recente participação na Cúpula da Demografia, na Hungria (não por acaso, lar do ultraconservador primeiro-ministro Viktor Orbán) afirmou que voltamos a ser um “país da família”. Num evento no qual tanto se falou sobre o resgate da família “tradicional, homem e mulher”, sobre a força do cristianismo e a resistência moral, sobre a ameaça do feminismo e do globalismo (?). Não tá claro?

Um país como este, que se opõe à “ameaça comunista”, à “ditadura gayzista”, à “ideologia de gênero”, obviamente não iria querer conversa com uma nação INTEIRAMENTE formada por uma minoria.

E que venham os próximos capítulos. E tomara que pelo menos os do gibi tenham um final feliz.