Star Wars: e este papo de que Knights of the Old Republic pode virar filme, hein? | JUDAO.com.br

Tudo leva a crer que Laeta Kalogridis, criadora da série Altered Carbon, está escrevendo a adaptação do clássico joguinho da saga para as telonas — mas será que isso vai sair mesmo? E sob a batuta de quem?

O que não falta no mundinho da cultura pop é teoria e especulação sobre qual vai ser o futuro de uma de suas mais icônicas franquias nos cinemas a partir do próximo ano. Em 2019 enfim se encerra a saga da família Skywalker com o Episódio IX de Star Wars. Mas... e depois?

Obviamente, é muita inocência imaginar que a Disney vai concentrar os investimentos em sua galinha dos ovos de ouro apenas e tão somente nas outras frentes como séries de TV (teremos The Mandalorian, já confirmada no Disney+, que se passa cinco anos depois dos eventos d’O Retorno de Jedi, além do papo sobre uma prequel de Rogue One protagonizada por Cassian Andor). O cinema vai sim ter novos capítulos.

Já sabemos que Rian Johnson, diretor de Os Últimos Jedis*, vai trabalhar numa nova trilogia de SW, que não se sabe QUANDO sai. O que tá anunciado de fato é que o próximo filme ambientado na space opera criada por George Lucas sai em 2022 e vai ser comandado pela dupla de showrunners de Game of Thrones, David Benioff e D.B. Weiss. Há quem diga que, pra variar um pouco, o filme será o primeiro de uma NOVA trilogia.

De que tema estaríamos falando, exatamente? Nada confirmado, por enquanto... embora o BuzzFeed News indique um caminho. Segundo a publicação, a parada tem nome e sobrenome: Laeta Kalogridis. A roteirista e produtora, recentemente responsável pela série Altered Carbon do Netflix, não apenas estaria escrevendo um roteiro para a Lucasfilm, como ele seria baseado em Star Wars: Knights of the Old Republic, game lançado em 2003 e cuja trama se passa nada menos do que 4000 anos antes dos eventos relatados no primeiro Star Wars, Uma Nova Esperança, aquele lá de 1977. O que não faltaria aí, portanto, é material inédito para trabalhar.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

De acordo com o BF, três diferentes fontes confirmam o movimento. E vale lembrar ainda que, em entrevista pra MTV, durante a Star Wars Celebration que rolou em Abril, a presidente da Lucasfilm, Kathleen Kennedy, foi perguntada sobre o potencial cinematográfico do jogo que vamos chamar DORAVANTE de KOTOR e confirmou: “sim, estamos desenvolvendo algo pra ficar de olho. Mas neste exato momento, não tenho ideia do que pode acontecer com estas coisas”.

Talvez AGORA ela já saiba.

Representantes da Kalogridis, da Lucasfilm e da Disney, obviamente, nem sequer responderam à reportagem para confirmar ou não a veracidade dos fatos. Mas, segundo consta, Kalogridis já estaria inclusive próxima de fechar o primeiro roteiro do que poderia ser, ah vá, uma potencial trilogia inspirada em KOTOR, com aquele bando de novos personagens, começando tudo do zero.

Historicamente, tamos falando da primeira mulher a ser creditada como roteirista de um filme de Star Wars desde 1980, quando Leigh Brackett recebeu o crédito como corroteirista de O Império Contra-Ataca junto com Lawrence Kasdan. Menos homens brancos escrevendo, mais homens brancos chorando em 3, 2, 1...

Importante lembrar ainda que KOTOR, um RPG que tem todos os elementos clássicos para encher os olhos de qualquer fã, como Jedis*, Sith, Sabres de luz, a Força, wookies, droids e a Academia Jedi, também temos uma das mulheres mais queridas do panteão do universo estendido: Bastila Shan. Uma humana nascida no planeta Talravin, filha de uma caçadora de tesouros, ela foi criada desde pequena pela Ordem dos Jedis*, mostrando um uso extraordinário da Força. Uma de suas principais habilidades era um poder conhecido como “meditação de batalha”: basicamente, uma energia que ampliava a moral de seus aliados, dando-lhes mais força de vontade pra lutar, enquanto tirava um pouco este ímpeto dos inimigos no campo de batalha.

Desenvolvido pela BioWare e lançado sob assinatura da LucasArts, Star Wars: Knights of the Old Republic foi lançado primeiro para Xbox e, mais tarde, para PC — sendo posteriormente adaptado para jogatina também em Mac OS X, iOS e Android. Com direção de Casey Hudson, roteiro de Drew Karpyshyn e design de James Ohlen, o joguinho foi proposto no começo dos anos 2000 como uma das duas opções que a LucasArts tinha para eles: ou faziam algo ligado diretamente ao segundo capítulo da nova trilogia, Episódio 2 – Ataque dos Clones, lançado em 2002, ou então iam ser catapultados pra milhares de anos no passado. O trio optou por ter mais liberdade criativa.

A trama se passa, como dito, 4000 anos antes da formação do Império Galáctico. Existia uma República, que acabou sendo ameaçada pela dupla de Jedis* rebeldes Revan e Malak. Indo contra o pacto de não-interferência do Conselho Jedi, eles lideraram um time de cavaleiros e foram lutar ao lado da República contra os Mandalorianos. Depois de muito tempo expostos aos horrores da guerra, eles passaram a se afastar dos ideais de Ordem e, quando encontram os últimos vestígios do antigo Império Sith, não demorou até que deixassem o Lado Sombrio da Força falar mais alto. Darth Revan se tornou um Lorde Sith, com Darth Malak como seu aprendiz. Juntos, fundaram um novo Império e declararam guerra contra a República. E é aí que o jogador entra.

A ideia é que, inicialmente, o jogador seja um jedi, customizado a partir de três diferentes classes de personagem, e que então viaje para diferentes planetas, interagindo com aliados como Shan e fazendo o possível para dizimar os planos da dupla, que acusa a Ordem dos Jedis* de uma certa tirania. Mas conforme a história prossegue e à medida que o jogador toma certas decisões, o sistema de alinhamento começa a definir se ele está mesmo mais próximo dos jedis* ou, quem sabe, está mais pra um sith mesmo...

KOTOR meio que se tornou um hit cult, gerando então duas sequências, Star Wars: Knights of the Old Republic II – The Sith Lords, de 2004, e anos depois, lá em 2011, um MMORPG batizado de Star Wars: The Old Republic. A mitologia se ampliaria ainda numa série de gibis publicados pela Dark Horse, a partir de 2006, com roteiro de John Jackson Miller. Trazendo o padawan Zayne Carrick como protagonista, a HQ era uma espécie de prequel de KOTOR, explorando inclusive ainda mais detalhes sobre as Guerras Mandalorianas, por exemplo.

O que não vai faltar é opção de ampliação do universo, portanto. Agora, se a ideia for continuar a investir neste papo de Skywalker pra lá e pra cá... ¯\_(ツ)_/¯

* Se você acessa o JUDAO.com.br e não sacou que a gente se recusa a usar o plural de “jedi” como “jedis”, tá precisando acessar mais, hein? :)

E então que parece que NÃO vai mais ter Billie Eilish no #Lolla. Mas também parece que vai ter Billie Eilish no Brasil SIM, sozinha, em "locais grandes". https://t.co/dRXQ1s2KTW