TOP8! Os robôs mais legais dos seriados japoneses | JUDAO.com.br

Porque, afinal de contas, todos eles têm obrigatoriamente um…

Todo mundo que teve a sorte de passar as tardes da infância (ou pré-adolescência) embalado pelas séries japonesas exibidas pela TV Manchete, nos anos 90, sabe que a fórmula para um sucesso do gênero residia em ter um herói metálico e/ou um grupo de cinco guerreiros coloridos liderados por um sujeito invariavelmente vestido de vermelho. Já começava daí.

Mas era preciso também ter uma luta numa pedreira, uma coleção de armas brilhantes e esquisitas, uma equipe de soldados malignos genéricos e barulhentos e, obviamente, um monstro. Que a cada semana fosse ficando mais estranho. E que seria destruído por uma espada de luz ou por uma bazuca. E que seria, então, tornado gigante por uma criatura ao mesmo tempo asquerosa e carismática como o Gyodai ou o Medusan. E então ameaçaria a cidade de Tóquio feita de papelão até que, finalmente, entrasse em cena...

(SUSPENSE... QUE RUFEM OS TAMBORES!!!)

...o robô gigante! AAAAAh, o robô gigante!!! Este amontoado imenso de metal um tanto desengonçado surgido de uma imensa nave interplanetária e/ou da união de diversos veículos de combate. E cujos bonequinhos se tornariam objeto de desejo imediato da molecada.

E então, decidimos celebrar também estes robozões que fizeram parte do nosso imaginário pop durante tantos anos.

| 8) MEGAZORD
Ok, todos sabemos que os Power Rangers são apenas uma série norte-americana que, nas cenas de ação, usa trechos de séries japonesas do tipo tokusatsu. Mas não dá esquecer que a série original, que tinha “Mighty Morphin” no título, teve um robô inesquecível – o Megazord dos Zyuranger, inspirados nos dinossauros. E por isso está aqui, dignamente, ocupando seu lugar neste TOP8.

| 7) DEUS JIRAY
Tá certo, de fato parecia meio esquisito que um ninja como o Jiraya, numa ambientação inspirada no Japão medieval, tivesse uma disgrama de um robô gigante – e que usava uma armadura que lembrava muito mais uma roupa de um samurai. Tudo bem, não combinava muito mesmo. Mas que era legal pacas, isso era, vai... Além de estiloso.

| 6) GOGO ROBÔ
Talvez o super sentai mais sem noção a ser exibido em nossas telinhas (e este nem foi na Manchete, mas sim na Bandeirantes). Cada guerreiro representava uma civilização antiga diferente – Atlântida, Inca, e por aí vai – e eles tinham como armas uns adereços toscos como bolas, laços, bambolês... Mas o robô, formado pela combinação de um jato, um tanque e um caminhão, era bacana, com espada, escudo e tudo mais.

| 5) GREAT FIVE
O primeiro robô dos Maskman, com um visual clássico e funcional, era a junção dos cinco veículos utilizados pelos respectivos coloridos deste seriado. O Galaxy Robô, que o substituiria, não tinha metade da graça. Aliás, esta série merecia – e MUITO! – ser redescoberta, porque tinha um espírito diferente das demais, era um pouco mais adulta, com uma pegada de poderes espirituais, aura e outras paradas místicas/esotéricas.

| 4) LEOPARDON
Esta série nunca chegou a passar no Brasil. Mas assim que se descobriu que ela existia, antes mesmo da existência do YouTube, os nerds brasileiros foram à loucura. Recentemente, a própria Marvel disponibilizou os episódios em seu site. Sim, é isso mesmo. Uma série tokusatsu com o Homem-Aranha como personagem principal. E, vejam, ele é um alienígena que veio do planeta Spider. E tem um robô gigante. Que lembra não uma aranha, mas sim um leopardo. Genial.

Aliás, falamos dessa série aqui no JUDÃO com mais detalhes. Já viu!?

| 3) CHANGE ROBOT
A série super sentai de quintetos coloridos que mais deixou saudades no Brasil, a que mais marcou os meninos que usavam suas máscaras e travavam lutas de espadas usando cabos de vassouras. O robô dos Changeman, formado pela união de um jato, um helicóptero e um tanque, soltava mísseis da barriga, tinha uma bazuca no ombro, soltava laser dos olhos e ainda usava, com habilidade, um imensa espada. Não tinha Gyodai que desse conta.

| 2) TITAN JUNIOR
Os Flashman tiveram um primeiro robô, o Flash King, formado pela união de dois jatos e um tanque. E ele era bacaninha, até. Mas não tinha a metade da graça do seu pequeno substituto, aquele que eles passaram a usar depois que o Flash King foi destruído. Nanico e ágil, era a parte da frente de um caminhão e se parecia com um pequeno boxeador troncudinho. E quando se unia à carroceria do caminhão, tornava-se o Gran Titan, um gigantesca máquina de destruição. Meio quadradona e tal. Mas BEM eficiente e aniquiladora.

| 1) DAILEON
Este primeiro lugar não tinha como ser diferente. O gigantesco robô do Jaspion – que foi, por si só, o maior sucesso do gênero aqui no Brasil, desencadeando uma verdadeira febre, nunca vista antes com seus antecessores como Ultraman ou National Kid – era um dos eventos da série. Quando o monstro da vez era energizado pelo terrível Satan Goss (aquele que tinha o poder de enfurecer os seres e transformá-los em monstros incontroláveis), Jaspion invocava a sua nave-mãe, que se transformava em robô, com uma música-tema contagiante, cara, era o ápice do episódio. Se o Jaspion virou sinônimo de herói japonês, o Daileon virou sinônimo de robô chutador de bundas.