O futuro pós-créditos de Deadpool | Judão

Nós assistimos à tal da “segunda cena pós-créditos” do filme do Deadpool e ela diz muito sobre o futuro do personagem e da franquia

Foi só quando Homem de Ferro estreou, lá em 2008, que o mundo percebeu que talvez fosse uma boa ficar até o fim dos créditos dos filmes. A hoje antiquíssima cena em que Samuel L. Jackson aparece como Nick Fury pra falar sobre uma tal de Iniciativa Vingadores enquanto Tony Stark comia uma pizza gigante foi excluída das exibições para a imprensa e pré-estreias, surpreendendo a todos que resolveram ficar na sala procurando algum nome com o qual pudessem fazer trocadilho e, assim, criando uma tradição.

Muita coisa legal já foi vista, normalmente servindo como um teaser do próximo filme — até uma mistura de Homem-Aranha com X-Men rolou. Mas esconder aquela cena naquela época fazia sentido: não era simplesmente um teaser do que estava por vir, era o anúncio de algo gigantescamente maior e a ideia da surpresa sendo revelada antes na internet não parecia assim tão interessante quanto um monte de gente endoidando junta no cinema.

Se você não estava PULANDO O CARNAVAL, deve ter visto na sua timeline alguém comentando que Deadpool não tinha uma, mas sim DUAS cenas pós-créditos, sendo que uma delas não estava em nenhuma das exibições prévias do filme, realizadas em eventos pra fãs e pra imprensa. Qual o segredo? E o principal... Por que o segredo? Alguma aparição surpresa? Algum anúncio tão grande quanto Iniciativa Vingadores?

Talvez o pessoal tenha se esforçado tanto em manter o segredo nos EUA que acabou se esquecendo de outras partes do mundo... Ou aqui no Brasil ninguém recebeu o memorando, porque na exibição que aconteceu em São Paulo, no último dia 27 de Janeiro, essa tal cena secreta FOI exibida e, por mais que a gente não vá dizer como é essa cena, ela revela uma informação importante que, depois de muito DELIBERAR aqui dentro, chegamos à conclusão de que era sim o caso de revelá-la... Não sem antes colocar uma barreira de SPOILER! pra que você se dê o direito de não saber de nada — mesmo que não seja, exatamente, um SPOILER!.

Deadpool

Você talvez queira ler sobre a classificação indicativa do filme, sobre a magia da quebra de quarta parede, quem sabe a nossa resenha OU ainda pode ouvir a nossa entrevista com a Morena Baccarin e voltar aqui só depois de assistir ao filme. Porque, bom, a partir de agora, tudo o que você ler terá relação com a tal cena pós-créditos do filme. E aí, né? :)

Pois bem.

De acordo com o Hollywood Reporter, a Fox está apostando que o público vai querer mais Deadpool e já teria encomendado um roteiro pra Rhett Reese e Paul Wernick, a dupla responsável pelo script original. Talvez seja surpreendente, normalmente essas coisas são definidas depois que o resultado aparece — e não tem nem uma semana desde que a Morena Baccarin disse ao JUDÃO que não havia nada confirmado, apesar do que é dito nessa tal cena pós créditos: não só rolaria mesmo um Deadpool 2 como o filme contaria com a presença de Cable, a outra grande criação do GÊNIO Rob Liefeld.

Isso mesmo, aquele cara do braço biônico, do olho brilhando e daquela puta bazuca na mão. Introduzido em New Mutants #86, de 1990, Cable surgiu como um cara misterioso, sem história e (ACREDITE!) sem um poder mutante que fosse aparente. Meses depois, em New Mutants #98, veio o Deadpool e toda aquela transição que transformou os Novos Mutantes, a equipe teen do Professor Xavier, em X-Force, a equipe liderada pelo Cable.

De certa forma, o Cable é mais um exemplo de como Liefeld nasceu com a bunda virada pra Lua. O personagem é uma amostra clara dos anti-heróis da virada pros anos 90, rangendo os dentes e querendo matar todo mundo. Nem um background ele tinha direito: era apenas um cara que veio do futuro pra impedir que o Apocalipse conquistasse a Terra. Simples assim.

Apesar do artista puxar pra si muitas das glórias de suas criações, foi o roteirista Fabian Nicieza (co-criador do Deadpool) que transformou o Cable num personagem de verdade. Foi ele quem definiu, alguns anos depois, que ele era na realidade Nathan Christopher Summers, o filho do Ciclope com Madelyne Pryor (clone da Jean Grey — não pergunte!), enviado tempos antes (e ainda bebê) pro futuro pra sobreviver ao vírus tecno-orgânico — justificando o braço e o olho biônico. Ele ainda tinha poderes psiônicos, como a mãe, apenas não conseguia usá-los em todo seu potencial por causa da infecção.

Confuso? Ok, resumindo: Cable é um personagem complicado pra caralho, filho de uma mãe (!) criada geneticamente por um vilão, que sofreu o diabo ainda bebê, foi pra um futuro apocalíptico e que é super militarizado.

Cable & Deadpool

O que a foda o Cable tem a ver com o Deadpool?

Os dois já dividiram um gibi, Cable & Deadpool, que foi publicado entre 2004 e 2008. Basicamente, esses dois nas mesmas páginas resultavam em todo o tipo de exagero típico dos anos 1990, que funcionava até como paródia. Porém, o Cable tem essa origem mais pesada, essa obrigação com o futuro, que muitas vezes fazia com que as HQs ficassem mais no lugar comum dos super-heróis.

A pergunta que fica aqui é: que peso o Cable vai ter no filme? Seria o mesmo do Colossus, uma espécie de coadjuvante de luxo? Ou ele seria o co-protagonista? Porque é aí que a dinâmica irregular entre os dois pode complicar tudo, fazendo o Deadpool perder um pouco do charme. A anarquia do personagem acaba naturalmente dando uma caída quando o lado “sou o fodão com a arma gigante” do Cable aflora. O Deadpool, quando não se leva tão a sério e passa longe do que conhecemos dos vigilantes mascarados, é sempre mais divertido — é só ver o que acontece no primeiro filme do personagem, por exemplo. Em certa fase da revista, transformaram o Cable num bebê (e, depois, num adolescente) pra tentar manter esse clima mais ~solto do Mercenário Tagarela. Não parece ser algo que fariam no cinema...

Há ainda outras possibilidades, também. Um Deadpool 2 poderia explorar o começo da relação entre Cable e Deadpool, quando eles ainda eram inimigos, o que poderia culminar no esperado filme do X-Force. “No futuro, nós vamos fazer mais um monte de filmes do Deadpool, e nós vamos realmente explorar bastante os X-Men. Vamos ver. E talvez a X-Force — X-Force é minha prioridade”, disse o ator pro Filmstars.

Fazendo aqui a matemática, dá pra imaginar algo como o Deadpool sendo contratado para acabar com o Cable e alguma treta rolando no meio, claro. De alguma forma, o mutante do futuro se juntaria aos CALOUROS do Professor X pra derrotar um inimigo em comum e a história acabaria com Wade Wilson tendo a porta aberta pra aparecer num futuro filme da X-Force, que teria a equipe formada justamente a partir do que foi visto no segundo filme do Degenerado Regenerado e que, recentemente nos quadrinhos, contou com ele.

E, olha, funcionava: Deadpool estava dentro de um time de heróis que rangem os dentes e explodem tudo antes de perguntar se o dia tá bom... adivinha quem tava lá pra aliviar o clima?

X-Force

No final de 2015, vazou essa arte conceitual aí em cima, de Gregory Semkow – que trabalhou com Jeff Wadlow quando o roteirista de Kick-Ass 2 estava escrevendo uma primeira versão de roteiro justamente para o finado projeto do filme de X-Force. Na imagem – que o ComicBook.com revelou – vemos Cable, Domino, Apache, Míssil e ali no canto esquerdo, de capuz, está a Feral. Incluir o Deadpool nesta formação seria fácil e rápido, mais ou menos como colocar um Homem-Aranha no meio dos Vingadores. :D

No papel — e na cena pós-créditos — tudo isso soa muito bem. Mas, primeiro, Deadpool, o filme, precisa acontecer, lotar salas de cinema e girar a grana, por mais que a Fox já esteja trabalhando na sequência. E, cá entre nós, precisa depois se consolidar como algo diferente dos outros filmes de super-heróis antes de entrar nessa de crossovers, superequipes, futuro apocalíptico...

Se tudo der certo, Rob Liefeld fica feliz de novo. :D