Warner parece ter encontrado uma salvação para os DC Filmes | Judão

Tudo por causa da repercussão negativa de Batman VS. Superman. Quem diria que um dia agradeceríamos pelo que Zack Snyder fez? ;D

Cinema é um negócio e nenhuma empresa gosta de perder dinheiro, especialmente as que investem milhões e milhões, tipo a Warner. Depois de Batman vs. Superman sofrer duras críticas por conta de seu tom e escolhas do diretor/produtor/etc Zack Snyder e ter ido bem, mas não o suficiente, nas bilheterias (leve em consideração que um filme com os principais heróis da cultura pop não conseguiu chegar ao UM BILHÃO em bilheteria), Yakko, Wakko e Dot resolveram movimentar as estruturas. De acordo com o Hollywood Reporter, o CCO da DC Entertainment, Geoff Johns, e o vice-presidente executivo de Desenvolvimento Criativo e Produção da WB Picutes, Jon Berg, vão passar a liderar os DC Filmes.

Dessa maneira a liderança criativa sai de um cara com visões de mundo (e Universo...) questionáveis e vai para uma nova divisão, liderada por caras que têm essa missão dentro do grupo. Uma tentativa de “corrigir o curso dos filmes baseados em histórias em quadrinhos”, diz o veículo.

Apesar de pontuar que a repercussão de BvS – que, lembrando, você pode achar INCRÍVEL ou uma MERDA, o problema é justamente EXISTIR essa dualidade de opiniões em uma franquia na qual estão investindo tanta grana – teve influência na decisão, o THR informa que a medida é parte de um plano maior, motivado pelos resultados que desapontaram o estúdio recentemente. Pra você ter uma ideia, o market share da Warner na bilheteria vem caindo desde 2013.

Com a troca, os executivos deixam de se preocupar com uma grande variedade de produções e passam a focar em um segmento de filmes, e reportando diretamente ao presidente da Warner Bros. Pictures, Greg Silverman. Basicamente, é a velha tática do “dividir pra conquistar” — seguindo o modelo da Disney / Marvel Studios ou mesmo Disney / LucasFilm que tem pessoas que conhecem profundamente o universo com o qual trabalham liderando a porra toda. Um modelo, aparentemente, necessário para esse tipo de filmes e franquias.

Os resultados práticos dessa mudança já estão bem claros nas informações e rumores que estão rolando nas últimas semanas, como a saída do diretor de The Flash, o envolvimento de Greg Berlanti num filme do Gladiador Dourado (um personagem que o Johns notoriamente gosta), a escalação de Ben Affleck para o cargo de produtor executivo de Liga da Justiça – Parte 1 e, mais recentemente, a pré-produção de um spin-off de Esquadrão Suicida com a Arlequina e outras heroínas e vilãs da DC.

Aliás, esse último exemplo chama a atenção. Um filme do Esquadrão Suicida é, por si só, algo arriscado. Um grupo de vilões sendo obrigados a trabalhar como heróis? Num estúdio que, até este momento, só fez filmes do Batman e do Superman? É um salto gigantesco! Porém, a recepção dos primeiros trailers, mais “divertidos” apesar do tom sépia-sombrio do DCEU, parece mostrar que encontraram o meio termo perfeito. Não à toa, dizem por aí que os executivos da WB se preocuparam em incluir um pouco mais dessa mesma diversão quando fizeram as típicas regravações, tudo porque os vídeos de divulgação não eram exatamente um reflexo de toda a história.

Só que algo com a Arlequina, Batgirl, Aves de Rapina e outras personagens da DC é um passo ainda mais decidido nesse FILÃO que a DC Entertainment parece ter encontrado. Ninguém viu muito além do que algumas cenas em trailers, mas já está claro que a Margot Robbie como Arlequina não só funcionou muito bem, como a galera vai querer mais. E esse “mais” puxa todo um novo filme.

Arlequina

Johns e Berg nem vão precisar quebrar muito a cabeça para buscar uma inspiração pro tom do roteiro. Pra mim, ela já está bem clara: o episódio Harley and Ivy da animação Batman: The Animated Series. Nele, Arlequina e Hera Venenosa passam a viver juntas e, depois, saem numa girls night em Gotham “aprontando muitas confusões”, como diria o velho narrador da Sessão da Tarde. Um episódio divertido pra caralho, que é totalmente focado e estrelado pelas meninas.

É só trocar a participação do Batman pelas Aves de Rapina, equipe feminina que já teve heroínas como Batgirl, Canário Negro e Caçadora, que tá tudo perfeito. Blockbuster garantido.

Diz o velho deitado que “há males que vem para o bem”. Não sei se é verdade, mas tá parecendo que os erros de Zack Snyder em Batman vs. Superman serviram pra alguma coisa, no final das contas...