Hollywood está estraçalhando suas antigas janelas por conta do Coronavirus | JUDAO.com.br

Graças ao distanciamento social e aos inevitáveis adiamentos e cancelamentos de lançamentos cinematográficos, distribuidoras decidem encurtar AQUELE período entre a estreia no cinema e a chegada às plataformas digitais

Alguns anos atrás, quando não tínhamos tamanha oferta de serviços de streaming pulando de todos os lados, publicamos aqui no JUDAO.com.br uma série de matérias sobre como o Netflix estava virando o jogo da indústria do entretenimento. Em uma delas, falamos sobre as tais janelas — o intervalo entre a chegada de um filme nos cinemas e sua posterior trajetória nas locadoras (?), lojas, TVs e serviços de streaming... Você pode ler exatamente aqui, ó.

Se hoje o conceito de LOCADORA é algo ainda mais jurássico do que em 2015, no mundo em que vivemos HOJE parece igualmente dinossáurico pensar em assistir a um filme numa Tela Quente da vida, mais de TRÊS ANOS depois de seu lançamento nos cinemas. É uma espécie de protecionismo para preservar os respectivos canais de distribuição e, claro, garantir um trocado em cada um deles, mas que não exatamente faz sentido.

Porque assim... Olha só que coisa: sabe quem não tem a menor paciência pra esperar tanto tempo assim pra ver aquele filme que tanto curtiu no cinema lá no conforto de sua sacrossanta casa? O espectador, veja você. A pessoa que deveria ser o consumidor dos tais diferentes canais de distribuição e que acaba indo parar num Stremio da vida... Pois muito que bem.

Corta pra 2020. Covid-19 tá aí (quer dizer, espero que não esteja AÍ, você entendeu) e, em sua identidade nada secreta de Coronavírus tá botando tudo mundo que pode (nossa força pra galera que não consegue por uma série de fatores) e também toda uma galera COM UM MÍNIMO DE JUÍZO pra se recolher dentro de casa. Adiamentos e cancelamentos de uma porrada de grandes estreias acabaram acontecendo, além de diversas salas de cinema fechadas por tempo indeterminado tanto cá quanto lá pra evitar aglomerações e, com a galera preocupada em como se entreter (e entreter os seus) da porta da rua pra dentro, parece que o jogo tá virando... DE NOVO.

As empresas de entretenimento parecem ter percebido que o comportamento do espectador, olha só, realmente mudou e que, em tempos como esse, talvez fosse o caso de investir numa mudança de paradigma. O medo de ousar rapidinho de$apareceu.

Ajude o JUDAO.com.br continuar desafiando a cultura pop. Assine!
A partir de R$5 por mês.

A Universal Pictures foi aquela que tomou a medida mais surpreendente, na real. A ideia é disponibilizar imediatamente para streaming pago (o popular VOD, tipo um iTunes da vida) alguns filmes nas datas que eles chegariam originalmente aos cinemas antes dos adiamentos. Portanto, tamos falando aí não apenas de explodir a janela de distribuição de O Homem Invisível, que estreou no final de Fevereiro e que já a partir dessa semana, menos de um mês depois, já deverá ficar disponível para locação digital — assim como A Caçada, filme que deveria ter estreado em Agosto do ano passado mas acabou chegando aos cinemas dos EUA na última sexta (13) — como também de levar uma tremenda aposta cinematográfica como o segundo filme da franquia Trolls, com um investimento gigantesco em marketing, diretamente pra este formato.

A ideia é ter títulos como estes para locação durante 48 horas no valor de US$ 19,99 — isso, claro, no mercado norte-americano. O quanto estes filmes custariam fora de lá, se se é que realmente seriam lançados desta forma internacionalmente, ainda é um caso a decidir.

O anúncio foi feito diretamente por Jeff Shell, CEO da NBCUniversal, com toda a pompa e circunstância mas, de acordo com o THR dão conta de que esta não será uma política a ser aplicada a todo o calendários dos caras em 2020 e que a estratégia pode mudar. “Dada a mudança sem precedentes e evoluindo rapidamente nas vidas diárias de nossos consumidores durante este período difícil, sentimos que agora é a hora de oferecer esta opção de entretenimento doméstica da mesma forma que seria nos cinemas”, afirmou a empresa em comunicado oficial. “Temos um catálogo amplo e diverso e em 2020 não seria exceção. Ao invés de sair adiando estes filmes ou colocá-los no mercado em um cenário posterior tumultuado, quisemos oferecer uma opção para que as pessoas vejam estes títulos em casa de um jeito acessível”.

Esta é rigorosamente a mesma estratégia que a Warner tá usando com Aves de Rapina, que vai pintar também no VOD a partir do próximo dia 24 de Março. Seguindo a estratégia padrão, eu só poderia comprar ou alugar o filme digitalmente cerca de 70 dias depois de sua estreia nos cinemas. Como a aventura da Arlequina chegou aos cinemas no começo de Fevereiro, só lá pela metade de maio o filme daria as caras. Maaaas tamos falando de cerca de 40 dias de janela agora, um verdadeiro recorde.

Obviamente não é coincidência que a diretora Cathy Yan tenha feito ESTE tweet aqui...

Já no caso da Disney, eles aproveitaram que têm seu próprio serviço pago de streaming e já colocaram Frozen 2 no catálogo assim, livre, leve e solto. Isso significa que a animação, um dos blockbusters absolutos da empresa, chegou neste formato dentro do Disney+ belos TRÊS MESES antes do que chegaria normalmente. “Frozen 2 cativou as plateias com suas poderosas mensagens de perseverança e a importância da família, mensagens que são tão relevantes neste período”, disse o novo CEO da Disney, Bob Chapek, em comunicado oficial. “Estamos lisonjeados em poder compartilhar mais cedo esta história encantadora com nossos assinantes do Disney+ para que possam ver em casa em qualquer aparelho”.

A Disney, porém, também tem alguns PEPINOS nas mãos. O primeiro deles é o aparentemente AMALDIÇOADO filme dos Novos Mutantes que, quando parecia que ia estrear, enfim, no próximo dia 03 de Abril, tomou uma porrada do CORONAVIRUS (você leu com a entonação certa, eu sei) e foi adiado indefinidamente MAIS UMA VEZ. O segundo é o atrasadíssimo filme da Viúva Negra, que estrearia no início de Maio mas também acabou sendo adiado por tempo indeterminado.

O que será que vão fazer?

Vale lembrar que há alguns anos a Paramount preferiu lançar o horrendo The Cloverfield Paradox e o maravilhoso Aniquilação diretamente no streaming, em parceria com o Netflix, pra evitar perder dinheiros no Mundo. Essa, talvez, pode acabar sendo a solução pra Disney, já que no caso dos dois filmes já é uma questão de lançar-logo-porque-sim. :P

A Entrevista

Guardadas as devidas proporções, o que tá acontecendo agora MEIO QUE aconteceu em 2014, com a Sony Pictures e A Entrevista, com Seth Rogen e James Franco. Um ataque hacker, que causou um dos maiores vazamentos de dados da história e impediu um monte de funcionários de sequer utilizar seus computadores, se tornou terrorismo: rolou uma ameaça de bombas nos cinemas que por acaso exibissem o filme.

A Sony cancelou a estreia (ainda que tenha autorizado que alguns cinemas exibissem mesmo assim — os tais cinemas queriam mostrar que não se deveria ter medo, enfim) e, por conta disso, acabou liberando o filme diretamente em VOD e em serviços de streaming. A gente acompanhou a história bem de perto, na época, e você pode ler um resumo aqui e .

Faz alguns anos que o mundo mudou. Assim, pra valer MESMO. Mudou radicalmente na forma da gente consumir entretenimento. Só faltava era mesmo que as grandes empresas enxergassem isso. Esperamos que a experiência seja um aprendizado foda e profundamente modificador para ser aplicado também DEPOIS que a gente tiver, de alguma forma, passado por este período sombrio.